Menu

Assine nossa newsletter

Folha de S.Paulo

“Prego na Testa” martela a mesquinhez

1.9.2005  |  por Valmir Santos

São Paulo, quinta-feira, 01 de setembro de 2005

TEATRO

Hugo Possolo, dos Parlapatões, atua em texto corrosivo do norte-americano Eri Bogosian encenado por Aimar Labaki

VALMIR SANTOS
Da Reportagem Local 

Logo no início, o “piloto do vagão”, um dos idiotas que desfilarão pelo palco, manda a platéia apertar os cintos. Não será fácil agüentar o tranco do passeio pelo desencantado mundo da mesquinhez demasiado humana.

“Prego na Testa” vasculha certo inconsciente coletivo, porão também da alma brasileira. O monólogo com o ator e palhaço Hugo Possolo, dos Parlapatões, estréia amanhã no Sesc Belenzinho.

É um texto de meados dos anos 90 do americano Eric Bogosian (o mesmo de “SubUrbia”, encenado em SP por Francisco Medeiros), em tradução do dramaturgo Aimar Labaki (“A Boa”), que também assina a direção.

São nove cenas com personagens que não escondem perturbação, parafuso solto. Martelam suas mentes -e a do espectador- com ilações sobre desejos, alguns escatológicos, e medos do outro e das próprias sombras.

O fundo social é recorrente. Há o sujeito que, quando deprimido, dá um “rolê” com o carrinho do supermercado. Há o que liga muito para a dor alheia, porque “importo, logo existo”. Há o desagradável. Ou aquele que anda incomodado com uma “doença de pobre”, uma pereba que atribui ao mendigo que roçou sua pele.

“O mais importante é a relação de identidade que cada espectador pode estabelecer com esses tipos, ou mesmo com o Brasil atual”, diz Possolo, 43.

“Não terei sempre o tempo do riso da platéia, mas também jogarei com a angústia”, diz o ator, que vê parentesco com “Não Escreve Isto” (1998), do repertório dos Parlapatões, sobre os delírios do mendigo Maneco Vira-Prego.

Para quem está acostumado à interação que os Parlapatões estabelecem com o público, aqui ela se dá de forma indireta, mas munida da violência do texto.



Prego na Testa
Quando: estréia amanhã, às 21h; sex., às 21h; sáb. e dom., às 20h. Até 2/10. 
Onde: Sesc Belenzinho – teatro (av. Álvaro Ramos, 915, tel.: 6602-3700). 
Quanto: R$ 15

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados