Menu

Assine nossa newsletter

Folha de S.Paulo

“Molly” constrói reflexão sobre cegueira

18.3.2006  |  por Valmir Santos

São Paulo, sábado, 18 de março de 2006

TEATRO 
Na peça do irlandês Brian Friel, Julia Lemmertz vive mulher que é submetida a operação para enxergar e sofre impacto da realidade 

VALMIR SANTOS
Da Reportagem Local 

Metáfora da condição humana em escritores como Borges e Saramago, a cegueira surge como um dado da realidade na peça “Molly Sweeney – Um Rastro de Luz” (1992), do irlandês Brian Friel.

Sem enxergar desde seus primeiros meses, uma mulher de 41 anos mergulha numa infelicidade sem fim quando depara com a recuperação parcial da visão.

Julia Lemmertz interpreta o papel na montagem que estréia hoje no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, uma encenação de Celso Nunes, e na próxima semana vai ao Festival de Curitiba.

A atriz surge ao lado de Orã Figueiredo, o marido que convence a personagem a fazer uma operação de risco; e de Ednei Giovenazzi, o oftalmologista outrora renomado que vê na paciente a chance de recuperar seu prestígio.

“Os homens induzem Molly à operação, não de forma maquiavélica, mas eles se esquecem de perguntar se isso seria bom para ela”, afirma Lemmertz, 42.

“Enxergar é um aprendizado difícil para quem já viveu tanto tempo e tem que encaixar o repertório de palavras às imagens. Ela abre o olho e não sabe o que fazer”, continua Lemmertz.

Um exemplo. Em criança, Molly ouvia dizer que seus olhos eram azuis feito uma florzinha do quintal de casa. No pós-operatório, o espelho lhe mostra os olhos em tons vermelhos, por causa do sangramento. Choque.

Por trás da lida com a deficiência, o diretor Celso Nunes afirma que Friel toca ainda na aceitação da diferença, da individualidade.

“A reflexão está fundamentada nos verbos ver e conhecer. O espectador pode transpor a história dessa mulher para a sua vida, questionando-se sobre a visão cega, a busca de caminhos quando a solução está mais próxima do que se imagina”, diz Nunes, 64.

“Visão Cega” era o título de outra montagem do texto em 2000, por José Renato, com Miriam Mehler, Oswaldo Mendes e Francarlos Reis. “É importante dizer que se trata de uma peça com três protagonistas, do contrário não poderia existir”, diz Lemmertz.

O trio passa o tempo em cena, cada um ocupando o nicho dos respectivos personagens que não conversam entre si; dirigem-se ao público na forma de depoimento. Cada um conta sua versão da mesma história.



Molly Sweeney – Um Rastro de Luz
Quando:
estréia hoje, às 19h; sáb., às 19h, e dom., às 18h; até 25/6 
Onde: CCBB – teatro (r. Alvares Penteado, 112, centro, tel. 3113-3651) 
Quando: R$ 15 

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados