Menu

Assine nossa newsletter

Folha de S.Paulo

Peça de Bonassi toca em dores do mundo real

26.5.2006  |  por Valmir Santos

São Paulo, sexta-feira, 26 de maio de 2006

TEATRO 
“Centro Nervoso” estréia hoje, com referências às ondas recentes de violência

Texto é construído sobre 13 cenas do cotidiano e marca primeira experiência do autor na direção teatral; elenco contribuiu

VALMIR SANTOS 
Da Reportagem Local 

Talhado em criações colaborativas com grupos como Teatro da Vertigem (“Apocalipse 1,11”, 2000) e Cia. Livre (“Arena Conta Danton”, 2005), o escritor e dramaturgo Fernando Bonassi chega à direção teatral. “Centro Nervoso” estréia hoje no Sesc Anchieta. São 13 cenas do cotidiano, resultado de contos ou artigos do colunista da Folha. O autor exprime dores e urgências do mundo real em paralelo ao exercício de musicalidade sobre as palavras. “Os textos têm referências históricas aos episódios dos últimos dez dias em São Paulo. Quem lê ao menos um jornal por ano já sabia o que ia acontecer naquela segunda-feira [15/ 5, dia do toque de recolher do PCC]. Estamos a um passo da barbárie. Esse será o modelo para o Brasil nos próximos anos, o estado de guerra civil, se não houver distribuição de renda”, diz Bonassi, 43. A dor presente na escrita, por vezes trágica, é ampliada para a chave do humor em cena, resultado que o autor diz surpreendê-lo e revela a contribuição direta do elenco, que “levou as histórias para casa” e as recriou. O quarteto Eucir de Souza, Malu Bierrenbach, Pascoal da Conceição e Thereza Piffer passeia por personagens dos mais manifestos aos anônimos, como a mulher que matou o marido aos poucos, envenenando o feijão dele, ou o duplo de Pelé que foi jogado às traças, ofuscado pelo sucesso do rei do futebol. O desafio do Bonassi diretor (palavra sobre a qual não bota muita fé) é traduzir as crônicas do cotidiano para um palco a ser preenchido ou esvaziado.

Também são seus aliados Lucienne Gudes (dramaturgismo), Vivien Buckup (direção corporal), Alessandra Domingues (desenho de luz), Marcelo Pellegrini (música original) e Daniela Garcia (direção de arte, cenografia e figurinos), entre outros.



Centro nervoso
Quando: estréia hoje, às 21h; de qui. a sáb., às 21h; dom., às 19h; até 9/7 
Onde: Teatro Sesc Anchieta (r. Dr. Vila Nova, 245, tel. 3234-3000) 
Quanto: R$ 20 e R$ 10 (qui.) 

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados