Menu

Assine nossa newsletter

Folha de S.Paulo

Grupo Piollin rascunha “Gaivota” de Tchecov

15.11.2007  |  por Valmir Santos

São Paulo, quinta-feira, 15 de novembro de 2007

TEATRO 

Marcado pelo sucesso de “Vau da Sarapalha”, coletivo paraibano estréia peça em SP
 

Montagem de conto de Guimarães Rosa marcou a dramaturgia brasileira da década passada; peça continua a ser encenada

VALMIR SANTOS
Da Reportagem Local 

 

O Grupo de Teatro Piollin passou metade dos 30 anos, completados em 2007, ancorado em “Vau da Sarapalha” (1992). A recriação do conto de João Guimarães Rosa, encenada por Luiz Carlos Vasconcelos, marcou a história do coletivo de João Pessoa (PB) – e a cena brasileira da década passada -ao expressar a cultura popular no sumo. Forma e conteúdo regionais e universais, mas sem exotismo. 

Em seu novo espetáculo, “A Gaivota (Alguns Rascunhos)”, o Piollin tenta livrar-se do estigma do sucesso que estanca. Depois de “Sarapalha”, que viaja pelo Brasil e pelo exterior, o grupo não gerou outro espetáculo – seus atores participaram de projetos pontuais. 

“Debatemos sobre esse estigma que nos incomodava. Agora encaramos com mais tranqüilidade. O público não quer se livrar do passado, mas para a gente é uma coisa superada”, diz o ator Nanego Lira, 43. 

“Continuamos a fazer [“Sarapalha’] porque o espetáculo é bom e o público quer ver, e não porque não conseguimos fazer outra coisa.” 

Pela primeira vez, o grupo trabalha com um diretor convidado. O carioca Haroldo Rêgo, 38, também assina a adaptação do clássico do russo Anton Tchecov (1860-1904). Segundo Rêgo, o subtítulo “alguns rascunhos” indica que se trata mais de um processo do que de tentativa de chegar a um resultado. “Nesse sentido, a idéia do esboço complementa a estrutura narrativa que criamos.” 

Sua releitura preserva cerca de 30% do original, circulando em dois triângulos amorosos para corresponder ao elenco formado por quatro atores e uma atriz (além de Nanego, Ana Luisa Camino, Buda Lira, Everaldo Pontes e Paulo Soares). 

“Alguns personagens de Tchecov são artistas falando sobre arte o tempo inteiro. 

Trocamos nossa experiência de criação com as que o autor propõe em seu texto, lidando com a linha tênue que divide ficção e realidade”, diz Rêgo. 

A montagem enfatiza a relação entre os atores e destes com o espectador. Não há propriamente uma representação, diz o diretor, que investe no sentido de presença, no olho no olho com a platéia mantida próxima da cena. Nos ensaios, quando perguntado sobre como montar um clássico com sotaque nordestino, Nanego Lira respondia com outra pergunta: “E clássico tem sotaque sudestino?”



A Gaivota (Alguns Rascunhos) 
Onde: Caixa Cultural – salão térreo (pça. da Sé, 111, tel. 0/xx/11/ 3321-4400) 
Quando: estréia hoje, às 19h; amanhã, às 19h; e sáb. e dom., às 17h. Até 18/11 
Quanto: entrada franca (retirar ingressos com antecedência) 

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados