Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

Relampião questiona quem se deixa conduzir

15.7.2013  |  por Valmir Santos

Foto de capa: Ricardo Boni

A parceria das companhias Paulicea e do Miolo em Relampião transpõe o mito sertanejo para as pelejas urbanas com agudeza de espírito e licenças poética e histórica que relacionam o cangaço à luta contra injustiça social.

Nas primeiras décadas do século XX, nos sertões do Nordeste, um bando de homens (e algumas poucas mulheres) pobres enfrentou o coronelismo, o conluio destes com políticos e os soldados do governo, os “macacos”. Não se trata de reconstituir os fatos ou contrabalançar heroísmo e marginalidade. Em vez de revisar maniqueísmos da historiografia oficial ao pé da letra, o espetáculo de rua expõe o contraditório da cidadania no presente e a equivalência de forças sob a perspectiva dos explorados.

A dramaturgia de Solange Dias converte o bando mitológico em trabalhadores informais que configuram uma comunidade no espaço público. É nessa ágora contemporânea que os direitos básicos constitucionais são reivindicados (casa, saúde, educação, trabalho, etc.). A consciência crítica é estimulada por meio da cultura popular e suas fontes orais, visuais e musicais – estética ademais vinculada ao imaginário de Lampião, ou Virgulino Ferreira da Silva.

Sete atores e dois músicos seguram a roda e o riscado. Objetos, adereços, algumas máscaras e instrumentos também tocados pelos atuantes servem à narrativa épica.

Antonia Mattos, voz e rabeca como Assum Preto

Destacam-se os desempenhos de Antonia Mattos na figura de Assum Preto (ela é musicista e encanta pela dobradinha voz e rabeca) e de Aysha Nascimento como a vendedora ambulante Janaina, dona de olhos compenetrados que capturam o último espectador do círculo seja onde estiver.

É a musicalidade, de fato, que alicerça o espetáculo. A direção musical de Charles Raszl amarra bem as passagens corais que entremeiam os diálogos. Há composições próprias ou clássicas da MPB, como Moro na roça, de Xangô da Mangueira e Jorge Zagaia (imortalizada por Clementina de Jesus), e Vai trabalhar vagabundo, de Chico Buarque.

Ainda vêm à tona um desempregado que sonha com carteira assinada, um peixeiro que nunca viu o mar, uma sem-teto esperançosa de casa própria, um bicheiro compositor de samba e o próprio Virgulino, que faz às vezes de um oráculo, postado em seu nicho cênico de metro quadrado, um palquinho, de onde salta para pontuar as arapucas da sociedade. O princípio da obra sem protagonistas, que não o coletivo, é o de que cada um deve conduzir sua história e não ser conduzido.

>> O jornalista viajou a convite da organização do FIT Rio Preto. Produziu textos para o catálogo e articulou parte das atividades formativas.

Dudu Oliveira, o pescador de ilusões

Ficha técnica

Dramaturgia: Solange Dias

Direção: Alexandre Kavanji

Direção de atores: Renata Lemes

Com: Antonia Mattos, Aysha Nascimento, Dudu Oliveira, Edi Cardoso, Flávio Rodrigues, Francisco Gaspar e Harley Nóbrega

Músicos: Daniel Zacharias e Glauber Coimbra

Direção musical: Charles Raszl

Figurinos, adereços e ambientação: Luiz Augusto dos Santos

Preparação corporal: Alcio Amaral e Juliana Pardo (Companhia Mundu Rodá)

Maquiagem: Guto Togniazzolo

Técnico de áudio: Gabriel Kavanji

Designer gráfico: Pedro Penafiel

Produção geral: Iarlei Rangel

Realização: Companhia do Miolo e Companhia Paulicea

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados