Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

A dança interior de Maria Cloenes

22.8.2013  |  por Valmir Santos

Foto de capa: Pedro Bastos/Solus

Em sua segunda sessão, ainda como trabalho em processo, Submersa expõe complexidades de conteúdo e abordagem dignos de nota. O solo em dança-teatro apresenta uma intérprete criadora segura, Maria Cloenes, quanto ao que deseja falar. A saber, evocar reminiscências das enchentes na infância. São episódios de calamidade que a marcaram por aprender, desde cedo, a contornar as instabilidades do existir, outrora causadas pelas águas das chuvas que faziam transbordar o rio vizinho e invadiam sua casa.

Maria Cloenes escala imóvel em imagem da infância

Na abertura do espetáculo, sob direção de Marcos Nauer, a bailarina Cloenes surge no plano baixo, arrastando-se como uma borboleta saindo de seu casulo, um vestido de noiva ou afins. O rastejar não demora, e ela já escala uma estante de prateleiras vazadas. Tal objetivo aparentemente invasivo na cena despojada, acaba revelando-se orgânico ao contribuir para a leitura do que se passa dentro de uma casa inundada: suspender os móveis e, imaginariamente ou era assim com sua família, escalar os mais resistentes até o limite do teto.

As ações e movimentos gravitam em torno dessa estante. Cloenes galga cada prateleira, enganchando-se parcimoniosamente e suscitando, em vários momentos, a possibilidade de queda. A cada prateleira, ela passa para a seguinte os objetos remanescentes, tentando salvar a si e o pouco que a água não engoliu.

Bailarina faz recortes sobre instabilidades do existir

Quando atinge o topo do totem cenográfico, a bailarina fica em pé e amplia o suspense com o seu equilíbrio. Nesse rito de ascensão, do chão ao céu, seu figurino é descamado, um vestido atrás do outro, panos vindo abaixo a cada passo ou estação de sua subida, denotando a transformação da menina em mulher. A escalada intuída como evolução e negociação permanentes de uma guerreira.

Os traços mestiços de Maria Cloenes, o colorido dos figurinos, a delicadeza dos objetos e a atmosfera ritualística levam a referências sobre o realismo fantástico característico da literatura latino-americana. Submersa remete às mulheres da Macondo imaginária de Gabriel García Márquez, a cidade onde chove por cinco anos em Cem anos de solidão. A liberdade com que os criadores do espetáculo se apropriam dessa memória de infância tem a ver com essa disponibilidade poética ao se deixar contaminar entre as linguagens da dança e do teatro.

O jornalista viajou a convite da organização do Solus – Encontro de Solos Verbais e Não Verbais, de Ipatinga (MG)

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados