Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

Traços nórdicos e latinos no Bergman de Veronese

3.4.2014  |  por Maria Eugênia de Menezes

Foto de capa: Humberto Araujo - Clix/FTC

Transposição do longa de Ingmar Bergman, a peça Sonata de outono, que integrou a grade do Festival de Curitiba [e tem sessões no próximo fim de semana no Sesc Vila Mariana, em São Paulo], torna evidente quão essencialmente teatral era o cinema do mestre sueco. A despeito de sua fama como cineasta, Bergman se definia como um homem dos palcos. “Meu coração pertence ao teatro”, declarou pouco antes de sua morte, em 2007.

Em sua encenação, o diretor argentino Daniel Veronese recupera o aspecto de obra de câmara que já estava delineado na criação matriz. Tudo se passa no interior de uma casa de campo, ambiente claustrofóbico em que as personagens sufocam em mágoas e angústias insolúveis.

Eva (María Onetto) recebe a visita de sua mãe Charlote (Cristina Banegas). Elas não se viam havia sete anos. E o reencontro termina por despertar rancores que jaziam quietos. Não se trai a densidade psicológica dos dramas de Bergman. Obviamente, a sombra onipresente do filme pode atrapalhar a fruição. Mas também oferece chances de descobrir lugares em que a presença viva dos atores ultrapassa qualquer forma mecânica de beleza.

A adaptação do reconhecido encenador de Buenos Aires não opera mudanças no enredo e faz apenas breves supressões para assegurar o ritmo da montagem. A diferença essencial está no lugar de onde passam a falar essas personagens. Cidades e particularidades da Europa continuam a ser referenciadas, tal como no original. Mas Veronese não escamoteia o temperamento latino.

Cristina Banegas na encenação de VeroneseSem créditos

Onetto, Banegas, e Ziembrowski dirigidos por Veronese

A contenção nórdica cede lugar ao desregramento. Tudo será dito não só em palavras, mas em gestos, em lágrimas, em corpos que se deixam cair no chão em abandono. É como se uma voz nos dissesse: “Não nos livramos do melodrama no qual fomos forjados”. O sofrimento nos evidencia tolos, ridículos, eternas crianças em busca de aceitação e afeto. Tal opção lembra as cores saturadas que Veronese já havia utilizado ao visitar os textos de Tchekhov. Tudo o que era resignação no autor russo, tornava-se grito aberto nas versões do argentino.

Sem grandes inovações formais, Sonata de outono surge como a mostra evidente do apego do diretor aos atores e ao texto. Em cena, as palavras despontam claras e plenas de espanto. Como se nunca houvessem sido ditas ou ouvidas antes. Um apuro na interpretação que nos leva a encontrar certo tipo de verdade que só cabe na ficção. Uma possibilidade de compartilhar a dor do outro que nenhuma realidade pode oferecer.

.:. A repórter viajou a convite da organização do festival.

.:. Publicado originalmente em O Estado de S.Paulo, Caderno 2, p. C5, em 3/4/2014.

Serviço:
Sonata de outono
Onde: Sesc Vila Mariana (Rua Pelotas, 141, Vila Mariana, São Paulo, tel. 11 5080-3000)
Quando: dia 5, sábado, às 21h, e dia 6, domingo, às 18h.
Quanto: R$ 35

.:. Trecho da obra em reportagem da emissora de TV argentina Las Condes:

Ficha técnica:
Autor: Ingmar Bergma
Adaptação: Daniel Verones
Tradução: Martín Morgenfel
Direção: Daniel Verones
Com: Cristina Banegas. María Onetto, Luis Ziembrowski e Natacha Cordova
Assistente de direção: Gonzalo Martinez
Cenário: Diogo Siliano
Iluminação: Marcelo Cuervo
Produção executiva: Alberto Lopez

Maria Eugênia de Menezes

Maria Eugênia de Menezes

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados