Menu

Assine nossa newsletter

Reportagem

Muita peça, muito público e sensação de ‘vazio’

8.4.2014  |  por Helena Carnieri

Foto de capa: Susan Sampaio - Clix/FTC

Para jornalistas de fora da cidade que acompanham há tempos o Festival de Curitiba, o evento deste ano trouxe um estranho esvaziamento. Apesar de a organização ter registrado a presença de 230 mil espectadores no total, o grande número de espetáculos na mostra principal (eram 34, mais 4 de rua) causou divisão na plateia – dessa vez não foram tantas as atrações com ingressos esgotados e sempre havia poltronas vagas nas apresentações.

Para Gustavo Fioratti, da Folha de S.Paulo, as ruas pareceram menos ocupadas, apesar da realização de 56 peças ao ar livre. “Ficou a sensação de um evento mais recluso aos teatros e ocupando menos espaços alternativos. O Fringe perdeu sua anarquia positiva”, disse durante debate da crítica especializada realizado pelo blog Teatrojornal, do qual a Gazeta do Povo participou. “Depois da organização em mostras, não se tropeça mais em espetáculos-surpresa de que ninguém tinha ouvido falar”, explica a especialista em artes cênicas Soraya Belusi [blog Horizonte da Cena].

Também presente ao evento de debate, o crítico Daniel Schenker se preocupa com o que considera uma “vontade de abraçar o mundo”, referindo-se ao aumento no número de peças internacionais. Quem discorda é Luciana Romagnolli [blog Horizonte da Cena], ex-crítica da Gazeta do Povo: “É a única oportunidade para o curitibano ver espetáculos que nunca viriam à cidade”, pondera.

Em relação à mostra principal, o jornalista de O Globo Luiz Felipe Reis acredita que as escolhas da curadoria ainda são conservadoras – com efeito, as opções consideradas experimentais eram em maior maior número no ano passado.

Sobre as opções artísticas da mostra paralela Fringe, o criador do Teatrojornal, Valmir Santos, destaca o retorno do apuro na dramaturgia e o grande número de transposições literárias – incluindo textos brasileiros recentes, como da curitibana Luci Collin e do gaúcho Caio Fernando Abreu.

“Mário Bortolotto, de Londrina, surpreendeu pela sensibilidade nas questões femininas em Whisky e Hambúrguer”, exemplificou Valmir, referindo-se ao texto escrito, atuado e dirigido pelo paranaense.

Também na mostra principal, houve grande número de adaptações de importantes dramaturgos, o que indica que a criação colaborativa, muito popular nos anos 90, não é mais hegemônica.

Acidente

O clima de apreensão permeou toda a extensão do festival depois que o humorista Fagner Zadra sofreu uma fratura na região do pescoço ao ser atingido por uma enorme máscara de isopor duro logo na festa de abertura do evento.

O comediante, conhecido pelas esquetes Tesão piá!, está internado no Hospital Marcelino Champagnat desde 26 de março, em quadro estável, mas sem movimento nas pernas por enquanto. O último boletim médico divulgado informou que Fagner passará por um tratamento de reabilitação de no mínimo três meses.

.:. Publicado originalmente na Gazeta do Povo, Caderno G, em 8/4/2014.

Helena Carnieri

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados