Menu

Assine nossa newsletter

Reportagem

Evento mapeia e discute teatro gay paulistano

12.1.2015  |  por Teatrojornal

Foto de capa: Bob Sousa

O evento “Em busca de um teatro gay (2000-2010)” retoma programação na terça-feira, 13/1, elegendo em seu ciclo de debates o premiado espetáculo Luis Antônio – Gabriela, criação de 2011 do diretor e coautor Nelson Baskerville e da Companhia Mungunzá de Teatro. Na Casa Contemporânea, em São Paulo, Baskerville conversa com o diretor, dramaturgo, crítico e pesquisador Rodrigo Dourado, do Recife, sobre aspectos formais e temáticos da obra que evidencia a intolerância gerada pela homofobia e as agruras da floração da sexualidade em ambiente familiar determinado pela sociedade conservadora.

Dourado é autor da tese Bonecas falando para o mundo: identidades sexuais “desviantes” e teatro contemporâneo, defendida no ano passado na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Sua pesquisa para o doutorado inclui Luis Antônio – Gabriela entre as peças analisadas para sondar como as formas assumidas pela cena na atualidade traduzem uma crise das categorias identitárias refletida nas representações das experiências sexuais fora da norma.

Idealizado pelo ator e jornalista Rodolfo Lima, o evento que acontece de 2 de dezembro a 25 de janeiro visa o mapeamento de peças teatrais com conteúdo LGBTTT – Lésbico, Gay, Bissexual, Transexuais, Travestis e Transgêneros.

“Em nenhuma hipótese pretende-se com isso estabelecer os conteúdos de tais peças dentro de um ‘engavetamento’ único. E sim possibilitar que o público relembre, de certa forma tais montagens através do material gráfico das mesmas. O uso do termo gay é para ilustrar que tipo de teatro pretende-se mapear, os diversos desdobramentos que a palavra obteve nos últimos anos, e sua reverberação nos palcos da capital paulista”, diz Lima. “Afinal o que faz um teatro ser gay? É possível tal leitura?.”

Os próximos participantes do ciclo são o dramaturgo, diretor e pesquisador Newton Moreno (19/1, sempre às 20h), cofundador do grupo Os Fofos Encenam, formado em 2001 e que tangencia o universo homoerótico em suas abordagens, ao lado do ator, encenador e diretor musical Dagoberto Feliz, do Folias d’Arte, criado em 1997; o jornalista e crítico Valmir Santos (20/1), coordenador do Tetrojornal, que vai falar sobre cobertura de teatro; e o professor e pesquisador Wilton Garcia (21/1), dedicado à diversidade cultural e sexual, que tratará da relação teatro e homocultura.

A programação inclui espetáculos. Lima apresenta três solos. Desamor é apresentado todas as sextas-feiras, às 21h, a partir de crônicas de Fabrício Carpinejar. Bicha oca tem sessões aos sábados, às 21h, e coteja contos de Marcelino Freire. Já Todas as horas do fim, aos domingos, às 17h, parte do conto Linda, uma história horrível, de Caio Fernando Abreu.

Atriz, diretora, maquiadora e agente de saúde em Santos, no litoral paulista, a transexual Renata Carvalho apresenta o monólogo Dentro de mim mora outra no dia 18/1, às 19h, sob texto de cunho autobiográfico, por Ronaldo Fernandes, e direção de Maria Tornatore.

Solo de Rodrigo Cavalcanti, do RecifeArthur Canavarro/Ricardo Maciel

Solo de Rodrigo Cavalcanti, do Recife

Do Recife, o ator Rodrigo Cavalcanti traz o solo Complexo de cumbuca, com apresentações nos dias 15/1 e 16/1, com encenação de Rodrigo Dourado e orientação cênico-dramatúrgica de Wellington Júnior para uma narrativa bem humorada que busca contradizer o ditado popular de que “toda panela tem sua tampa”.

“Em busca de um ator gay” conta ainda com a oficina “Em busca de um indivíduo cênico”, por Lima, cujo resultado será apresentado no dia 25/1, às 18h, e montou uma exposição compartilhada nos suportes presencial (na Casa Contemporânea) e virtual (fan page e site) com material do acervo do idealizador, uma hemeroteca com críticas, programas de espetáculos, flyer, cartazes, entre outros itens, além de uma videoteca, tudo levantado no período de 2000 a 2010.

Na primeira etapa do evento, participaram do ciclo de debates o pesquisador Ferdinando Martins, colaborador deste site; os jornalistas Hélio Filho e Pacó Llisto; os diretores Rodolfo García Vásquez (Os Satyros) e Osvaldo Gabrieli (XPTTO).

Serviço:
Onde: Casa Contemporânea (Rua Capitão Macedo, 370, Vila Mariana, São Paulo, tel. 11 2337-3015 ou 11 9 7497- 4207 (com Rodolfo Lima). A casa abre sempre duas horas antes do horário do evento do dia.
Quando: 2/12/2014 a 25/1/2015
Quanto: R$ 20 (peças) e grátis (ciclo de debates e exposição, esta sempre duas horas antes das atividades)

Ficha técnica:
Idealização e Produção: Rodolfo Lima
Recepção/bilheteria: Lucimara Amorim e Aurélio Prates
Design gráfico: Betinho Neto
Site: Murilo Gaulês
Registro em vídeo: Marcello Barranco
Registro fotográficos: André Stefano
Mais informações no site da Casa Contemporânea, aqui, ou nos blog Escritos sobre Ausência, aqui,

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados