Menu

Assine nossa newsletter

Reportagem

Pesquisador mapeia dramaturgia gaúcha

20.1.2015  |  por Michele Rolim

Foto de capa: Reprodução

O pesquisador Antenor Fischer, 55 anos, se dedicou a um trabalho de formiguinha nos últimos anos em dedicação à memória do teatro do estado. Ele desenvolveu o Dicionário de autores da literatura dramática do Rio Grande do Sul (Fischer Press, 2014, 350 págs., R$ 70) durante o programa de pós-doutoramento sob a orientação do professor doutor Luís Augusto Fischer, da Ufrgs – que, apesar do sobrenome, não é parente do autor. “Pode-se, agora, continuar discutindo a qualidade artístico-literária das peças teatrais, mas jamais a quantidade”, avisa o pesquisador.

São 912 verbetes de autores registrados, incluindo os autores teatrais, dos primórdios (década de 1830) à atualidade. Segundo o pesquisador, estão incluídos também aqueles que produziram apenas um texto e, ainda, os que não tiveram suas peças encenadas ou publicadas. Tratam-se de autores nascidos no Rio Grande do Sul que acabaram desenvolvendo sua produção em outros estados e, ainda, aqueles de outros lugares que fixaram residência em solo gaúcho. A iniciativa é inédita no estado.

Para chegar a tantos verbetes, foram consultadas obras de diversos historiadores, enciclopédias, peças publicadas existentes em acervos e bibliotecas. Fischer verificou ainda manuscritos, como os que se encontram no depósito do Teatro de Arena de Porto Alegre. Há, em cada verbete, informações sobre o autor, bem como sua formação escolar e profissional, sua produção dramática (com diversos dados sobre a mesma) e, ainda, ao final, há indicação da localização da peça.

Apesar da rigorosa e preciosa pesquisa, nenhuma editora demonstrou interesse em publicar o trabalho. Assim, Fischer abriu sua própria, a Fischer Press e, com ela, imprimiu 100 exemplares. Destes, ainda restam 70 para comercialização. “Eu havia feito um pós-doutorado em Letras na PUC RS. Ao término, comecei a limpar as gavetas e percebi que havia acumulado muito material, um fichário para cada autor. Por sugestão da professora Maria Eunice Moreira, resolvi ir ao pós da Ufrgs ampliar a pesquisa”, relembra.

Deste modo, a publicação é uma complementação de outras três pesquisas acadêmicas do autor: A literatura dramática do Rio Grande do Sul, do século XIX – subsídios para uma história (dissertação de mestrado, 2003); A literatura dramática do Rio Grande do Sul – de 1900 a 1950 (tese de doutorado, 2007, dois volumes); e Antologia da literatura dramática do Rio Grande do Sul – século XIX (pós-doutorado, 2009).

Este último reúne oito volumes temáticos. No primeiro, intitulado Autores primordiais e textos fundadores, chama a atenção que Fischer busca descobrir a origem da dramaturgia gaúcha. Ele discute a quem pertence a primazia no teatro e na literatura dramática sul-rio-grandenses. Conforme o pesquisador, há quatro autores que estão entre os possíveis primeiros. Um deles assina a obra O político e liberal, por especulação, escrito em 1832 e publicado em 1834, com o pseudônimo de Hum Militar Avulso; outro é Manuel de Araújo Porto Alegre, que produziu em 1836 e publicou em 1837 a peça Prólogo dramático; completam a lista, ainda, José Manuel Rego Vianna, autor do drama Quarenta anos ou O negociante colono, escrito em 1836 e não impresso e, por fim, Manuel José da Silva Bastos, autor da obra O castelo de Oppenheim ou O tribunal secreto, representado e publicado em 1849.

“O interessante em história é que nada é definitivo. Há poucos dias descobri mais um autor, o jornalista Hipólito da Costa (1774-1823), que viveu no estado. Eu soube que encontraram os manuscritos dele de uma peça de teatro, estou tentando localizar o texto”, conta entusiasmado o pesquisador.

Fischer, além de historiador da literatura dramática gaúcha, é um amante do teatro. Graduou-se em artes cênicas na Ufrgs e, na década de 1980, integrou o grupo Caixa de Pandora, formado por funcionários da Caixa Econômica Federal, local em que trabalhou como bancário e está aposentado. “O que me move é o amor à arte, o teatro precisa evoluir, dar um passo adiante”, afirma.

Os interessados em adquirir o livro devem mandar e-mail para fischerpress@gmail.com.

.:. Publicado originalmente no Jornal do Comércio, caderno Panorama, p. 1, em 15/1/2015.

Michele Rolim

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados