Menu

Assine nossa newsletter

Entrevista

Janela multidimensional para a dramaturgia

11.2.2015  |  por Francis Wilker

Foto de capa: Ethel Braga

Com a quarta edição anual agendada para maio próximo, o misto de encontro e mostra “Janela de Dramaturgia” tornou-se um dos protagonistas da difusão, estímulo e discussão da escrita teatral em Belo Horizonte. Na entrevista a seguir, elaborada por email, o dramaturgo, ator, diretor e produtor Vinícius Souza, de 26 anos, coidealizador do projeto com a também atriz e autora Sara Pinheiro, discorre sobre as conquistas e desafios da geração de dramaturgos despontada entre a década passada e a atual, fruto da vocação dos grupos para os processos colaborativos. Cresce também os textos não necessariamente embrionários do trabalho coletivo, reafirmação da perspectiva autoral.

Souza é mestrando em teatro pela UFMG, com formação de ator pelo CEFAR-Palácio das Artes. Ao lado de Assis Benevenuto [ator e dramaturgo do grupo Quatroloscinco – Teatro do Comum], coordena os Ateliês de Dramaturgia de Belo Horizonte e o Núcleo de Pesquisa em Dramaturgia do Galpão Cine Horto. Fez parte de várias montagens na capital mineira e recentemente estreou seu primeiro trabalho solo, Bestiário.

Teatrojornal – O que motivou você e Sara Pinheiro à criação do projeto “Janela de Dramaturgia”?

Vinícius Souza – Belo Horizonte viveu no início deste século uma renovação de seu teatro através do surgimento de novos grupos, em sua maioria formada por jovens artistas. Grupos como a Cia. Clara, o Espanca!, o Luna Lunera, o Teatro Invertido, dentre vários outros, arejaram a cena contemporânea não só através de novos procedimentos criativos e cênicos, mas também pela construção de uma dramaturgia autoral.

Talvez Por Elise, peça de estreia do grupo Espanca! [em março de 2005], escrita pela Grace Passô seja a maior representação e repercussão desse movimento pelo país afora. Na carência de escolas ou cursos mais contínuos de dramaturgia, os coletivos se tornaram o maior espaço para a criação, investigação e divulgação de dramaturgos na cidade; geralmente trabalhando em processos colaborativos.

Se por um lado isso impulsionou e aprofundou de maneira relevante a relação texto-cena, por outro restringiu a criação dramatúrgica àqueles que eram integrantes de um grupo ou que estavam fazendo parte de uma montagem teatral. Estranhamente, neste contexto, Sara, eu e naturalmente outros artistas, sentimos falta do suposto autor tradicional, que escreve em seu “gabinete” e oferece o texto para ser montado por outros; do autor que não necessariamente precisa produzir ou dirigir seus próprios textos para vê-lo encenado. Conceitualmente, então, o “Janela” surge como possibilidade de um outro modo de criação e divulgação para os dramaturgos de Belo Horizonte, que corre e interage simultaneamente aos grupos de teatro e outras formas de produção teatral na cidade. Parece-nos bem claro: é bem mais fácil fomentar e divulgar a produção textual para teatro quando para isso não precisamos já logo encená-los. Podemos lê-los publicamente.

Grace Passô numa das leituras do encontroEthel Braga

Grace Passô numa das leituras do encontro

Em meados de 2012, a Sara me mostrou um texto que tinha acabado de escrever. Resolvemos ler para alguns amigos, num encontro regado a vinho e música. Assim fizemos. O acontecimento nos pareceu tão rico que pensamos em torná-lo maior, aberto a outros públicos, sem perder seu intimismo e simplicidade. Pensamos o formato: leituras mensais de textos inéditos de dramaturgos contemporâneos da cidade. Convidamos outros autores, somando dez ao todo. Propomos uma parceria com o Espanca!, que nos ofereceu espaço (a sede do grupo) e assessoria de imprensa. E, assim, de maneira colaborativa e independente, inauguramos o “Janela”.

Evidentemente, outros aspectos foram também motivadores: a cidade e uma recente efervescência artística e política (na mesma época, por exemplo, começava também o “Cantatoures”, mostra de compositores contemporâneos); a influência de uma estética teatral recorrente nos últimos anos que ambiciona uma cena de recursos mais simples em prol de uma relação mais íntima com o espectador (caso da leitura dramática), bem como o compartilhamento de processos artísticos como escolha estética e ética; a necessidade e desejo pela reunião (artística e política) dos dramaturgos contemporâneos de Belo Horizonte; etc.

A partir dos encontros que já realizaram e da troca com outros dramaturgos vocês percebem alguns elementos ou procedimentos recorrentes nessa produção?

Como de praxe, vale para essa pergunta a máxima que diz que nunca se consegue ter uma vista muito nítida de algo que ainda se assiste de perto, que se vive. Sinto isso em relação ao “Janela” e sempre acho difícil tentar responder a essa questão, que recorrentemente nos é feita. Uma vez respondi que o aspecto recorrente é, paradoxalmente, a ausência de uma recorrência. É o que andam dizendo em relação às obras artísticas contemporâneas e à pós-modernidade.

No “Janela” é difícil ainda qualquer diagnóstico porque os próprios dramaturgos, todos com no máximo quatro ou cinco peças encenadas, ainda estão descobrindo ou investigando seus procedimentos. Naturalmente, alguns têm caminhos já mais delineados, outros menos. A tendência é sempre de reforçar os ditos aspectos contemporâneos de dramaturgia: fragmentação do personagem e do tempo-espaço, ausência de conflito, endereçamento direto ao espectador, mistura de estilos e gêneros, etc. Mas devo dizer que no “Janela”, porque reforçamos a ideia de diversidade entre as obras de cada edição – tentando nos despir de possíveis preconceitos ou amarras conceituais –, há também alguns textos de linhas mais tradicionais, com personagens bem desenhados, trama de início-meio-fim com curvas dramáticas, elaboração de um universo ficcional que não interage com a situação real teatral, etc. Filosoficamente, gosto de pensar que o nosso tempo é a-histórico, podemos conviver com [o grego] Ésquilo [25 a.C.- 456 a.C.] e [o francês Michel] Vinaver [88 anos] e os dois, tão distintos, terão suas importâncias, singularidades e urgências; que dramaturgia é na verdade só um conceito, que pode ser reinventado a cada momento, tal qual as ideias e experiências criativas que vivem seus autores. Como diz meu velho conterrâneo Drummond [1902-1987]: “O mundo é grande”. A minha ideia sobre o “Janela” passa um pouco por aí!

Nesse percurso, quais os maiores desafios e conquistas (desdobramentos) do “Janela”?

O “Janela” realiza este ano sua quarta edição. A principal conquista foi ter se tornado o principal espaço contínuo e ativo de dramaturgia em Belo Horizonte. Hoje organizamos o projeto em três linhas: divulgação, fomento/formação e discussão de dramaturgia. Em cada uma dessas linhas promovemos determinadas ações. No início, nosso intuito maior era divulgar os autores contemporâneos da cidade, e isso ainda é o ponto mais relevante do projeto, que acontece através de sua ação principal: a leitura de textos inéditos. Com a inauguração do projeto, diversos novos autores foram surgindo: se há o espaço, há o desejo por ocupá-lo!

Além desse fomento, agora promovemos oficinas de dramaturgia – ampliando a formação dos autores. Para criticar, pensar e discutir as obras e suas repercussões, promovemos: textos críticos, bate-papo com os autores após as leituras com a presença de debatedores convidados, mesas redondas com assuntos relevantes da produção atual. Essas linhas de trabalho – e suas respectivas ações – já impulsionam naturalmente novos desafios: a divulgação dos textos e autores para um público mais amplo e heterogêneo; o aprofundamento das investigações dos autores participantes; uma curadoria cada vez mais aberta às novas ideias, mas também mais exigente; a publicação dos textos, bem como suas encenações (dos trinta textos já mostrados, sete tornaram-se espetáculos, quatro estão em vias de montagem, além de outros que continuam sendo lidos em outros eventos; no próximo ano publicamos, pela [editora] Perspectiva [SP], os trinta textos).

Uma das maiores conquistas do “Janela”, e que agora se apresenta também como um grande desafio, é a abertura da mostra para textos de outros estados do país. Esta será a primeira edição que traz para a cidade, a cada mês, um novo autor de outra região do Brasil. Mas talvez o maior desafio segue sendo aquele recorrente em quase toda produção cultual no país: o financiamento. Há dois anos o “Janela” é financiado pelo Fundo Municipal de Cultura, mas sua sequência nunca está garantida. Criar estratégias para sua continuidade, seja por vias de lei de incentivo ou por outras mais alternativas, tem sido nosso desafio.

Eduardo Moreira contracena com nova geração Ethel Braga

Eduardo Moreira contracena com nova geração

Como vocês percebem o que, talvez, pudéssemos chamar de dramaturgia brasileira contemporânea? Alguns traços ou temas se configuram mais? Acham que vivemos um ponto alto dessa produção? Enfim, qual a leitura crítica de vocês?

Falando por mim: retomo às ideias desenvolvidas na segunda pergunta. Acho difícil qualquer diagnóstico quando os sintomas são tão novos, múltiplos e dispersos. Se há algo que eu consigo enxergar é, sem dúvida, a diversidade de temáticas, estéticas e procedimentos de escrita. É um tempo produtivo e criativo, sobretudo porque é um tempo de crise, de instabilidade, de reconfigurações. Estamos tentando entender e viver os tempos pós-modernos; as instituições em profundas remodelações; a linguagem descobrindo novos suportes e formatos; a experiência de novos meios de relações entre as pessoas; e mesmo no teatro: a incansável tentativa de levar público ao teatro (mais ainda, um público que esteja interessado em um contato direto e presente); as estéticas indefiníveis; todo o abismo e toda a ponta que há entre ficção e realidade, real e teatral, drama e performance, texto e cena; e por aí vai. [O dramaturgo e pesquisador Antônio] Rogério Tosca (SP) nos disse algo assim numa revista (e eu concordo): “A dramaturgia reflete sempre o seu tempo, se o tempo é de crise…”

Quais são os planos para o projeto? Existe um calendário de atividades?

Prevemos para maio a abertura da quarta edição do “Janela”, seguindo até outubro. Isto é: dez leituras de novos textos de autores nacionais; a produção de pelo menos vinte textos críticos; a realização de diversos bate-papos; pretendemos nesta edição, para a abertura, trazer um dramaturgo latino-americano, mas ainda estamos vendo as possibilidades de orçamento. Seguimos com a produção do livro com os textos de todas as edições, que deve ser lançado em 2016, pela Perspectiva: iniciativa contemplada pelo Programa Rumos Itaú Cultural. Além de já começar a tentar financiar a quinta edição do projeto, para o próximo ano, nutrimos vários outros desejos, como levar o “Janela” para outras cidades.

.:. O blog do “Janela de Dramaturgia” traz conteúdos das três edições anteriores, aqui.

Francis Wilker

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados