Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

O avesso do avesso

9.3.2015  |  por Maria Eugênia de Menezes

Foto de capa: Divulgação

O vínculo intrínseco do teatro com o presente não se manifesta apenas na escolha dos temas a serem levados ao palco. O apego dessa arte ao seu tempo transcende os embates políticos e sociais do momento e comumente faz-se evidente também na forma – se é que ainda faz sentido a dicotomia entre conteúdo e invólucro. Em sua ânsia por conectar-se à sua época – período de inimigos difusos e certezas implodidas – o teatro contemporâneo empreende imenso esforço em desapegar-se dos paradigmas do drama realista – corrente hegemônica dos últimos dois séculos.

Tem início claro a vigência do realismo: 1855, quando da recusa das telas de Gustave Courbet pela Mostra Universal de Paris. Mas, nas letras, a abordagem já vinha de longe, amparada pelas reflexões de Schiller e Goethe. O que a obra Morrer de amor, segundo ato inevitável: morrer faz, de certa maneira, é nos convocar a atualizar os termos dessa discussão, como se chamasse ao exame dos limites e das potencialidades do drama.

Criada em 2009, a jovem companhia colombiana La Maldita Vanidad não parece inconsciente dos perigos do terreno em que se lança. Mesmo sob o risco de soar anacrônica, vem contar uma história com princípio, meio e fim. Traz uma radiografia ‘íntima’ de Bogotá, cidade de sua sede. Põe seus traumas e fissuras sob luz e foco, amplificando esse ‘real’ ao limite, ao ponto da convulsão. O enredo simples dá conta do funeral de um jovem, Luís Eduardo. Morto em circunstâncias desconhecidas, o rapaz é velado rodeado pelos vizinhos, pelos irmãos e pela mãe.

Algumas escolhas do diretor e dramaturgo Jorge Hugo Marín merecem ser consideradas. Uma delas diz respeito à ambientação da cena e ao pacto firmado com o público. No lugar da convencional sala de espetáculos, a encenação se dá em uma casa. Todos os efeitos cênicos estão reduzidos – a iluminação limita-se a um abajur, a cenografia compreende um caixão e um desgastado sofá. Ao espectador cabe um lugar indefinido, entre dentro e fora da cena.

O olhar da plateia, aliás, parece ter sido, desde sua fundação, um aspecto central no trabalho da Maldita Vanidad. Em seu espetáculo de estreia, El autor intelectual, o grupo delimitava um espaço de cumplicidade – mas também de distanciamento – ao situar as ações diante de uma janela e transformar quem lhes assistia em voyeur. Já em Morrer de amor sacrifica-se essa fruição protegida pelo anonimato em nome de uma proximidade excessiva, quase ‘incômoda’.

Ainda que se defina como uma companhia “muito colombiana”, La Maldita Vanidad relaciona-se com o contexto histórico e político da Colômbia de maneira distinta de seus pares mais antigos, caso de coletivos reconhecidos como Mapa Teatro ou La Candelaria. O contexto de guerra civil vivido pelo país nos chega por seu impacto em âmbito privado. Uma constante na investigação de Marín, as relações familiares são o lugar da violência e dos afetos, das emoções amplificadas. Em Morrer de amor, a ausência paterna – que tem seu posto ocupado por uma matriarca masculinizada – dá testemunho indireto desse lugar em que os homens adultos foram à ‘batalha’, deixando para trás mulheres e filhos.

A necessidade de elucidar o enigma da trama, com explicações sobre a causa da morte de Luís Eduardo, subtrai da obra um estranhamento e um desconforto que lhe eram benéficos. Pode soar como mera deferência às convenções do gênero, que preconiza que o conflito – depois de exacerbado – carece de resolução. Porém, ao revelar a natureza do vínculo de cada um dos personagens vivos com aquele que morreu, a obra escrutina o alcance da opressão delineada.

Diante de situações extremas (neste caso, a morte) como reage o núcleo familiar? O luto é um processo sem fim em um ambiente regido pela ignorância, pela incompreensão, pelo silêncio – que invariavelmente se impõe quando cessam o choro e o grito. A barbárie, nos lembra a montagem, não pode ser sempre contida fora dos limites da casa.  A brutalidade se manifesta no mínimo, impregna o gesto e a palavra – não é o avesso do amor.

.:. Publicado no âmbito da Prática da Crítica, uma das atividades da ação Olhares Críticos na 2ª MITsp, aqui.

Maria Eugênia de Menezes

Maria Eugênia de Menezes

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados