Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

Dançando fronteiras

5.6.2015  |  por Kil Abreu

Foto de capa: Véronique Vercheval

B-orders, o trabalho da dupla palestina Ashtar Muallem e Fadi Zmorrod (da Escola Palestina de Circo) é, em síntese, uma dança das fronteiras. E não apenas “nas” fronteiras. Os jovens performers mobilizam no espetáculo técnicas de equilibrismo, contorcionismo (de solo e aéreo) e usam aparelhos como o mastro chinês e o tecido. O eixo para que o repertório técnico se expresse em narrativa vem, entretanto, da dança. É uma coreografia amparada em elementos circenses cujo título em inglês remete tanto às margens imediatamente intuídas, aquelas que envolvem a questão palestina, como, mais adiante, às bordas da própria criação artística, aqui alargadas em materiais e misturas. A sequência entre tema e forma é umbilical, de maneira que toda a discussão sóciopolítica do espetáculo ganhe a cena por meio de uma dinâmica em que norma e invenção, disciplina e desobediência, convenção e ruptura encontrem  nas variações físicas dos corpos no espaço as traduções peculiares do enfrentamento.

Podemos dizer que o centro do espetáculo são os conflitos em torno da alteridade quando vistos em um plano local. É assim que descobrimos que as contingências e vigilância impostas pelos israelenses (que também estão lá, por vezes em imagens dramáticas) não são o núcleo da encenação. O deslocamento do ponto de vista interessa porque é algo relativamente inusual e, sobretudo, porque recupera em um lance ético corajoso outros aspectos da discussão sobre o reconhecimento da diferença. Logo percebemos que o espetáculo elege e se projeta melhor em um  contexto específico: o da micropolítica traçada em códigos de comportamento que têm raiz e se desenrolam não só no indefinido território físico como também no amplo imaginário social dos palestinos. Não à toa a dupla teve que refazer cenas, em função da recepção hostil de parte de seus compatriotas.  Era condição para continuar apresentando a montagem.

o trabalho de Ashtar e Fadi tem ainda essa função importante: a de nos oferecer uma síntese poética da vida que se apresenta como exceção à norma

Uma pergunta que salta e que tem a ver já com a circulação deste trabalho mundo afora é que vivemos um tempo de estetização e espetacularização de todos os aspectos da vida e suas relações, inclusive na área da criação artística, lugar de onde se fala. No momento em que a montagem circula há de se observar a capacidade de sobrevivência do seu plano de pensamento em diferentes praças mundiais. Por potente, honesta, formalmente rigorosa que seja, a obra resiste ao enquadramento e à tipificação?

Um indício de que a questão é relevante ocorreu quando do encontro dos artistas com o público, na apresentação da estreia brasileira. Sem demérito ao que foi ali colocado pela plateia, em geral não nos pareceu que os dispositivos estéticos singulares do espetáculo foram capazes de mobilizar os olhares para uma discussão sobre a alteridade que alcançasse espelhamento com outras situações em que tensões políticas e culturais pudessem ser conectadas. Em outras palavras, uma das fronteiras fundamentais a ser borrada, esta da percepção sobre as relações possíveis com outras formas de vigilância e punição, permanece praticamente intacta. Talvez esse seja um ponto de chegada exigente. Mas, certamente não está fora da perspectiva que o espetáculo oferece.

A palestina Ashtar Muallen em 'B-orders' (2014)Véronique Vercheval

A palestina Ashtar Muallen em ‘B-orders’ (2014)

De um modo ou de outro aqui se aponta, sem prejuízo ao belíssimo trabalho dos dois jovens, que se não há um problema com a obra em si, certamente há com a demasiada domesticação do nosso olhar para as experiências de exceção. Em um mundo de simplificações absolutas da linguagem no qual, entretanto, não há contrapartida no incremento dos sentidos; ou seja, em um mundo no qual articulamos as formas do dizer em uma sintaxe cada vez mais enxuta, porém nem sempre mais complexa, o trabalho de Ashtar e Fadi tem ainda essa função importante: a de nos oferecer uma síntese poética da vida que se apresenta como exceção à norma, alargando mais esta fronteira, a das possibilidades de ler a arte.

Um vocabulário de gestos enxutos, precisos, mas não superficiais. Uma plataforma de onde podemos partir para enxergar o outro amplamente. Um desafio na contramão do nosso aprendizado diário e das nossas lições de redução e tipificação do mundo. Que tendem não só a delimitar cada vez mais os territórios em geral como também delimitar o nosso mundo particular com a segurança suspeita dos departamentos que criamos para suprir nossa ilusão de ordem quando na verdade as fronteiras seguem sendo manchadas pelo andar do tempo, o tempo inteiro. Em alguma medida é sobre isso que o espetáculo, na sua bonita dança juvenil sobre as bordas, nos diz.

.:. Publicado originalmente no site do Circos – Festival Internacional Sesc de Circo, aqui. A instituição contratou um grupo de profissionais para uma ação da prática da crítica durante o evento, de 28/5 a 7/6/2015.

Kil Abreu

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados