Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

A sedução do mal por Ostermeier

23.7.2015  |  por Gabriela Mellão

Foto de capa: Christophe Raynaud de Lage

Em Avignon

O personagem-título da obra Shakespeariana Ricardo III, grande destaque do Festival de Avignon este ano [a 69ª edição na cidade do sul da França termina no sábado, 25], encenado pelo alemão Thomas Ostermeier, desfila sobre o palco seus defeitos como atributos. Trata-se de um homem de feitos amorais, capaz de qualquer barbaridade para chegar ao poder, que é ainda coxo, corcunda e feio. Deformado, portanto, física e psicologicamente.

Interpretado por Lars Eidinger, ator fetiche do célebre Teatro Schaubühne, liderado por Ostermeier em Berlim, Ricardo surge em cena como um demônio sedutor. Conquista o coração do público falando muitas vezes diretamente a ele, algumas delas em tom de confissão. É o caso da abertura da peça, durante uma festa no palácio do Rei Edward – em um palco revestido de terra, que dá a dimensão arcaica da trajetória do protagonista.

Após uma entrada festiva dos atores, regada a champagne, bazucas de confete e batidas de uma bateria nervosa, tocada ao vivo, Ricardo fica só no palco e apresenta-se intimamente para a plateia. Segurando um microfone suspenso do teto, que ao longo do espetáculo também serve de câmera e refletor, ele se dirige ao público e humaniza sua alma negra.

Explica que só lhe resta a maldade neste mundo. “Privado que sou da harmoniosa proporção, erro de formação, obra da natureza enganadora (…) não tenho outro deleite para passar o tempo a não ser espiar minha sombra ao sol e cantar minha própria deformidade. Já que não posso ser amante para me divertir neste belo mundo, resolvi ser vilão.”

A personalidade autêntica e sincera de Ricardo III, acentuada pelo poder fora do comum de Eidinger em comunicar-se com a plateia, estabelece uma cumplicidade instantânea entre o vilão e o público. São quase três horas em que o espectador acompanha traições, mentiras, assassinatos entre outros atos violentos de Ricardo, comovido com sua mente inteligente, franca e sarcástica.

Se Shakespeare exagera suas características físicas, Ostermeier as deixa ainda mais evidentes, nesta que é sua quinta montagem a partir da obra do bardo

Sua fala cativante chega aos ouvidos do espectador sem a musicalidade e o lirismo de Shakespeare, de forma mais direta e atual.

O diretor encomendou uma tradução que transforma em prosa os versos do bardo e corta cerca de quarenta por cento da peça, centrando no personagem principal e nos acontecimentos mais importantes da obra.

Ricardo, Duque de Gloucester que de fato governou a Inglaterra de 1483 a 1485, não sente remorso algum ao eliminar seus adversários, tramando complôs, traindo familiares e casando-se por interesse com o objetivo de chegar ao trono. Se Shakespeare exagera suas características físicas, Ostermeier as deixa ainda mais evidentes, nesta que é sua quinta montagem a partir da obra do bardo – depois de Hamlet, Otelo, Sonho de uma noite de verão e Medida por medida.

Cena da quinta montagem de Shakespeare pelo alemãoChristophe Raynaud de Lage

‘Ricardo III’ é um dos destaques do 69º Festival de Avignon

O diretor do Schaubühne deseja conquistar a identificação do público, mas não facilita a cumplicidade. Empenha-se em evidenciar as más-formações do protagonista. Opta por uma coroa negra de ponta-cabeça, que remete a uma correia de cavalo; uma espécie de ombreira preta amarrada no ombro de Lars faz as vezes de corcunda. Também coloca em um dos pés do protagonista um sapato negro pesado, desproporcional e esfarrapado. E no rosto, uma máscara disforme feita com cobertura de bolo, que gera um aspecto ainda mais retalhado a Eidinger.

A encenação calcada na constante quebra da ilusão teatral faz de Ostermeier herdeiro direto de Brecht. Ricardo, seu bufão trágico, diverte mas é sobretudo um convite ao publico refletir sobre suas próprias deformidades. E compartilhar uma arte que apesar de não ser revolucionária, é da mais alta qualidade.

Ficha técnica:
Texto: William Shakespeare
Encenação: Thomas Ostermeier
Tradução: Marius von Mayenburg
Dramaturgia: Florian Borchmeyer
Com: Thomas Bading Edward, Robert Beyer, Lars Eidinger, Christoph Gawenda, Moritz Gottwald, Jenny König, Laurenz Laufenberg, Eva Meckbach, Sebastian Schwarz e Thomas Witte (baterista)Cenografia: Jan Pappelbaum
Música: Nils Ostendorf
Desenho de luz: Erich Schneider
Vídeo: Sébastien Dupouey
Figurinos: Florence von Gerkan e Ralf Tristan Scezsny
Marionetes: Susanne Claus e Dorothee Metz
Coreografia do combate: René Lay
Legendagem: Uli Menke
Produção: Schaubühne

'Ricardo III' foi um dos destaques da 60ª edição em AvignonChristophe Raynaud de Lage

Cena da quinta montagem de Shakespeare pelo alemão

Gabriela Mellão

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados