Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

Ouvidos abertos à trama da memória

21.10.2018  |  por Beth Néspoli

Foto de capa: Allan Bravos

Nesses tempos ruidosos em que múltiplas e contraditórias narrativas disputam a apreensão da chamada realidade e uma estetização generalizada parece capturar todos os campos da existência, perceptível desde o mais caseiro selfie ao noticiário dos telejornais, o excesso de ficção no espaço público pode ser um problema para a arte. O enfrentamento dessa questão move, no teatro, a valorização da cena documental e dos depoimentos pessoais ou ainda a aposta na presença do corpo como matéria expressiva da cultura nele es(ins)crita.

O risco dessa linha de criação, em todas as suas variações, é o de não se descolar do cotidiano, resultando em manifestação de linguagem com igual carga de brutalidade ou de trivialidade. Inserido na vertente documental, Hotel Mariana alcança densidade poética mesmo se elabora matéria colada à vida, no caso, depoimentos colhidos de sobreviventes na semana seguinte ao rompimento da barragem de rejeito de minério de Fundão, em Mariana, região central do estado de Minas Gerais, ocorrida no dia 5 de novembro de 2015.

Nos depoimentos de ‘Hotel Mariana’, o foco ora recai sobre a ação mais prosaica que vinha sendo executada em dia comum antes de, subitamente, o ouvido alertar para uma ‘zoeira’ estranha; ora a memória é assaltada pelo zunido horripilante da lama devastadora e dentro dela, o som do choro de uma criança cuja tentativa de salvamento implica em decidir sobre o risco da própria vida

Em cena, atores e atrizes, dez ao todo, trabalham com a técnica denominada verbatim, que consiste em reproduzir simultaneamente as vozes escutadas por meio de fones de ouvido. A captação dos relatos foi realizada por Munir Pedrosa, que assina a dramaturgia em parceria com o diretor do espetáculo, Herbert Bianchi, ambos fundadores da Cia. da Palavra. A opção por essa técnica e o consequente investimento na escuta é o primeiro e mais evidente movimento dos criadores no sentido do afastamento da cobertura midiática e sua avidez por explorar imagens à exaustão.

Diferenciar-se do modus operandi dos telejornais, sempre em busca da lágrima e da emotividade na dose certa para ilustrar a informação, é cuidado relevante em se tratando de tragédia de ampla visibilidade nacional. A ruptura da barragem provocou a completa destruição do distrito de Bento Rodrigues – parte das vozes em cena foi colhida entre os 600 habitantes desse povoado, o primeiro no caminho das toneladas de águas lamacentas, e também de Paracatu de Baixo, igualmente devastado – bem como despejou milhões de litros de rejeitos tóxicos na bacia hidrográficas do Rio Doce, afetando a economia de 220 municípios de dois estados brasileiros, Minas Gerais e Espírito Santo.

Na contramão da reportagem ligeira, a captura dos depoimentos, perceptivelmente realizada em tempo expandido e sem exigência de objetividade, propiciou que viesse à tona a expressividade oral característica de populações com baixo grau de ensino formal cujo uso do idioma não segue a rigidez da norma culta da língua, mas também não a formatação comum do vocabulário compartilhado no espaço urbano com seu padrão de repetição, por exemplo, de conectivos como “tipo assim”. A resultante é uma prosa cujo frescor e singularidade na articulação do pensamento, presente em grande parte dos testemunhos, produz uma espécie de encantamento e contribui para a escuta atenta e a transmissão de afetos.

Allan Bravos

Cena de ‘Hotel Mariana’, espetáculo da Cia. da Palavra que reelabora em cena, por meio de relatos colhidos cinco dias depois, a maior tragédia ambiental do país, ocorrida em 5/11/2015

Evidentemente nada tem de banal a matéria da memória que tece as narrativas de Hotel Mariana, outro aspecto responsável pelo adensamento da dramaturgia. De acordo com o psiquiatra suíço Carl Jung, se a experiência é muito contundente, ela perfura o ego e atinge o self, o núcleo da psique, onde o ser humano se vincula ao coletivo. Não por acaso imagens arquetípicas ressoam nos relatos, entre elas, a petrificação de quem olha para trás no momento da destruição. Assim como a mulher de Ló, transformada em estátua de sal na narrativa bíblica do castigo divino às cidades de Sodoma e Gomorra, a figura de quem perdeu a vida porque hesitou – “voltou e foi para trás”; “entrou para dentro”; “na cabeça dele dava tempo de fechar a porta” – retorna em diferentes variações à memória dos sobreviventes.

São experiências de terror vividas em frações de segundo, porém eternizadas nos corações e mentes de quem as sofreu. Difíceis de ser elaboradas em palavras, quando recebem acolhimento digno (“a dor da gente não sai no jornal”, lembra o verso da canção de Chico Buarque) ganham expressão não linear. Nos depoimentos, o foco ora recai sobre a ação mais prosaica que vinha sendo executada em dia comum antes de, subitamente, o ouvido alertar para uma “zoeira” estranha; ora a memória é assaltada pelo zunido horripilante da lama devastadora e dentro dela, o som do choro de uma criança cuja tentativa de salvamento implica em decidir sobre o risco da própria vida.

Essa fala em circunlóquios traz para o palco uma atmosfera de espontaneidade que enreda o espectador e provoca um grau de comoção cujo risco é a diluição crítica. Há, porém, na organização da cena, aspectos que indicam os caminhos traçados para escapar do problema. A cronologia, a distribuição espacial e os movimentos em cena são alguns dos elementos responsáveis por quebrar o envolvimento emocional e provocar o pensamento do espectador.

Victor Moriyama/Greenpeace

O distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), horas após receber a lama espessa da barragem da mineradora Samarco que se rompeu

Assim, inicialmente, o elenco se mantém sentado no palco onde há apenas cadeiras e, ao fundo, uma espécie de tela que remete a um muro confeccionado com placas de lama. Sobre ela, na abertura do espetáculo uma projeção visual e sonora parece movimentar a instalação como se estivesse caindo lentamente sobre o palco, em um efeito que busca transportar o espectador para o momento mesmo da tragédia. Sobre esse curto e terrível período vão girar os depoimentos da primeira parte do espetáculo, preparação para a mudança posterior.

No que diz respeito às atuações, Hotel Mariana se diferencia em parte da teatralidade esperada do verbatim que é a de reproduzir os relatos de modo quase instrumental, com fidelidade às pausas, aos sotaques, aos timbres, tons e semitons, em outras palavras, à musicalidade particular de cada um. Sim, o elenco segue essa linha, mas vai além. De certa forma, é como se atuassem na vertente dramática, onde os atores dão vida autônoma aos personagens a partir do estudo do que eles falam na peça.

Nessa tradição, os atuadores sabem que palavras faladas são apenas pontas de icerbergs. Carregam toda uma carga de sedimentos de vida, realizações e frustrações, e podem exprimir mais do que pensam os sujeitos que as proferem, delas escapando emoções e pensamentos contraditórios. É como atuam os dez integrantes de Hotel Mariana. Membros de uma mesma família são agrupados no espaço cênico reforçando a escolha dessa convenção cênica e permitindo a troca de olhares cúmplices. A afinidade do coletivo de atuadores com a proposta e a sensibilidade na sua execução amplificam o potencial que a amostragem de testemunhos possui para dar ao espectador a dimensão da tragédia.

Allan Bravos

Bruno Feldman (esq.) e Rodrigo Caetano numa das passagens da peça com dramaturgia de Munir Pedrosa e Herbert Bianchi, este o diretor.

Porém, quando tudo parece harmonizado e o espectador já identifica cada ator ou atriz a uma figura local, há um deslocamento pelo palco e alguns passam a assumir as vozes de novas pessoas como jornalista, prefeito e ativista. A movimentação em cena se altera provocando uma quebra brechtiana da atmosfera estabelecida até então. Entram em cena dados concretos – a empresa Samarco, responsável pela barragem, é controlada pela Vale S.A. e pela anglo-australiana BHP Billiton, as duas maiores mineradoras do mundo – alguns deles em confronto direto com temores e contemporizações externados pelos moradores até então. A partir daí fica sublinhado o contraste entre o discurso que credita o acidente à fatalidade e as evidências da busca do lucro como valor colocado acima da preservação da vida.

Assim, as escolhas dos dramaturgos na organização e cronologia dos depoimentos permitem ao espectador fazer a leitura da força do poder econômico que submete até mesmo as subjetividades, como demonstra o conservadorismo impregnado nos discursos, e provoca um comportamento que contribui, no mínimo pela via do conformismo, para que as tragédias ocorram e suas sequelas se agravem. Por meio da elaboração do roteiro, o grupo problematiza o vínculo de dependência entre moradores e empresa de mineração e o faz sem desrespeitar a confiança de quem prestou testemunho, aspecto importante no uso da técnica do verbatim.  Como resultante, a poética de Hotel Mariana oferece ao público a possibilidade de ampliar o pensamento crítico sobre a relação entre poder econômico e essa tragédia mineira  que, como muitas outras, nada tem de castigo divino e poderia ter sido evitada.

.:. Visite o site da Cia. da Palavra.

Serviço:

Hotel Mariana

Onde: Biblioteca Mário de Andrade (Rua da Consolação, 94, República, tel. 11 3775-0002)

Quando: Todas as segundas-feiras, às 19h. Até 29/10

Quanto: Grátis. As senhas começarão a ser distribuídas uma hora antes. Um ingresso por pessoa

Duração: 60 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Lotação: 170 lugares

*

25º Encontro com o Espectador

Com: Munir Pedrosa e Herbert Bianchi, criadores de Hotel Mariana

Quando: 27 de outubro, sábado, às 15h

Onde: Itaú Cultural – sala Vermelha (Avenida Paulista, 149, próximo à estação do Metrô Brigadeiro)

Quanto: grátis

25º Encontro com o Espectador – Hotel Mariana

Em outubro, a peça em pauta do nosso 25º Encontro com o Espectador é Hotel Mariana, com dramaturgia de Munir Pedrosa e Herbert Bianchi, também diretor da montagem. Os dois participam do debate que acontecerá neste sábado (27), às 15h, no Itaú Cultural, mediado por Valmir Santos.Esta é uma ação do site Teatrojornal – Leituras de Cena, em parceria com o Itaú Cultural, que propõe mensalmente uma conversa entre artistas, críticos e espectadores sobre um espetáculo previamente escolhido. Acesse: www.teatrojornal.com.br

Publicado por Teatrojornal em Domingo, 21 de outubro de 2018

Equipe de criação:

Dramaturgia: Munir Pedrosa e Herbert Bianchi

Direção: Herbert Bianchi

Com: Angela Maria de Barros (ou Isabel Setti), Bruno Feldman, Clarissa Drebtchinsky, Fani Feldman, Herbert Bianchi, Letícia Rocha, Marcelo Zorzeto, Munir Pedrosa, Rita Batata e Rodrigo Caetano

Idealização e pesquisa: Munir Pedrosa

Direção de produção: Munir Pedrosa

 

Beth Néspoli

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados