Eduardo da Luz Moreira

escrito por vals em agosto 29, 2011

Eduardo Moreira como o médico e idealista Ástrov

O ator Eduardo Moreira tomou o bondinho de Santa Teresa, no centro do Rio, quando voltava sozinho da casa de familiares. Era a paisagem que costumava frequentar em visitava à cidade onde nasceu há 50 anos e passou a infância antes de migrar para Belo Horizonte. No sábado, por volta das 16h, o veículo no qual embarcara descarrilou numa curva. Como se viu e ouviu no noticiário, o acidente matou cinco passageiros e deixou outros 53 feridos, entre eles o fundador do Grupo Galpão. Moreira sofreu esmagamento numa das orelhas, passou por cirurgia, mas nenhuma das funções vitais foi atingida. Recebeu alta hospitalar no dia seguinte e pousa hoje na capital mineira, às 14h15.

Apesar de outras escoriações pelo corpo, ele ainda insistia para apresentar Tio Vânia (aos que vieram depois de nós) no Teatro Sesc Ginástico, às 19h de sábado, mas os médicos, a produção e os colegas do grupo o demoveram da ideia. Era o último final de semana da temporada carioca. A sessão de domingo também foi cancelada. Na montagem de Yara de Novaes para a peça de Tchékhov, Moreira interpreta o médico e idealista Ástrov.

Em 2005, na capital mineira, presenciei sua queda de uma estrutura cenográfica, a alguns metros de altura, durante um ensaio aberto de Um homem é um homem, de Brecht, dirigido por Paulo José. Sofreu luxação numa das mãos. A apresentação foi interrompida. Ele se recuperou em questão de horas e logo o cronograma de preparação foi retomado até a estreia.

O bondinho agora foi outro baita susto, reconhece a produtora executiva do Galpão, Beatriz Radicchi. A mulher de Moreira, a atriz Inês Peixoto, que não está no elenco de Tio Vânia, viajou às pressas de BH para o Rio. O ator teve mesmo muita sorte, considerada a gravidade do acidente. Prerrogativa, quem sabe, da “Luz” que entremeia a certidão de nascimento.

Em tempo: o Galpão estreou Um trem chamado desejo em 2000, corruptela cômico popular de Luis Alberto de Abreu para Um bonde chamado desejo, de Tennessee Williams.

deixe um comentário