Mãe coragem e seus filhos, Berliner Ensemble

escrito por vals em 5 de setembro de 2012 – 22:49 -

A atriz Carmen-Maja Antoni, no papel-título


Os vínculos umbilicais em Mãe coragem e seus filhos fazem da peça escrita em 1939 um exemplo bem-acabado de como Bertolt Brecht trata a emoção sem necessariamente esterilizá-la em busca da perspectiva crítica do espectador. Read more »

Subscribe to my RSS feed

“Jornal Nacional” ignora José Renato

escrito por vals em 2 de maio de 2011 – 22:08 -

Zé Renato testemunhou primeiros passos de gerações de artistas

Milton Gonçalves, Dina Sfat, Paulo José, Eva Wilma, Oduvaldo Vianna Filho, Flávio Migliaccio, Juca de Oliveira, Lélia Abramo, Lima Duarte… Quantos seriam precisos para convencer a pauta do telejornal de emissora aberta mais popular do Brasil ceder alguns dos seus frames para informar a morte do diretor e cofundador do Teatro de Arena, há 58 anos, berço de formação dos artistas que depois construíram o imaginário da telenovela brasileira? Não digo homenagear, informar. Read more »

Subscribe to my RSS feed

Curitiba – Sonhos para vestir

escrito por vals em 7 de abril de 2011 – 19:12 -

Sara Antunes interage continuamente com o público

Dirigir-se ao outro constitui prática e filosofia artísticas que Sara Antunes cultivou profundamente na cena do Grupo XIX de Teatro, do qual o espetáculo Hysteria (2000), revelado no mesmo Festival de Curitiba, é paradigmático. A interação permanece como sustentação no trabalho solo Sonhos para vestir, em que esse desejo de passagem da narrativa ficcional para o aqui e agora do espectador, em mão dupla, acresce um terceiro ponto de vista: o do documento pessoal. A morte recente de seu pai, um pensador, é um dos aspectos propulsores dessa criação a um só tempo elegia e chamado à vida em palavras e imagens. Read more »

Subscribe to my RSS feed

Curitiba – Iauretê

escrito por vals em 3 de abril de 2011 – 22:21 -

Kizza em imagem estlizada de Iauretê, do Grupo de Teatro Palmares Iñaron

O espetáculo Iauretê não consegue vencer os limites que a sua investigação de campo lhe impõe na hora de transformá-la em cena. O espetáculo do Teatro Palmares Iñaron, grupo de Salvador, risca o chão com os estudos afro-índígenas para um teatro étnico, ou etnodrama. Radica a mimese das ritualidades corporal e musical sem que esse material resulte propriamente em linguagem artística. A dramaturgia que poderia advir das livres adaptações da novela Meu tio, o iauaretê, de Guimarães Rosa, e do romance Maíra, de Darcy Ribeiro, soa truncada. As crises de consciência do homem que extermina onças em seu habitat, na história de Rosa, e do índio aculturado pela religião católica, conforme Ribeiro, perdem-se na meada didática com que a diretora e adpatadora Lia Spósito encara o espetáculo. Read more »

Subscribe to my RSS feed

Festivale, São José dos Campos

escrito por vals em 8 de setembro de 2010 – 10:18 -

Atores da Companhia Hiato (SP) em Cachorro morto, dramaturgia e direção de Leoanrdo Moreira, que participa do 25º Festivale - foto: Divulgação

Segue até dia 12 de setembro o 25º Festival Nacional de Teatro do Vale do Paraíba, o Festivale. Nesta edição, fiz parte da comissão de seleção de espetáculos ao lado dos atores e diretores Valter Padgurschi e Fernando Rodrigues. Entre os espetáculos, estão Cachorro morto, da Companhia Hiato (SP), programado para hoje, e Teatro Kaus Companhia Experimental (SP), com O grande cerimonial, e Grupo Macunaíma – Centro de Pesquisa Teatral (SP), com Lamartine Babo, ambos exibidos amanhã.

É possível acessar as críticas dos pesquisadores de teatro Alexandre Mate e Paulo Bio às montagens selecionadas. Esse encontro que chega a 1/4 de século tem como figuras emblemáticas o curador Atul Trivedi, um engenheiro indiano radicado no Brasil e, desde lá, devotado às artes cênicas, e o coordenador Claudio Mendel, diretor cultural da Fundação Cassiano Ricardo, corealizadora do festival com a Prefeitura, e, sobretudo, um criador à frente da Companhia da Cidade Teatro da Cidade, há duas décadas na lida.

Subscribe to my RSS feed

Cosmogonia peruana

escrito por vals em 7 de setembro de 2010 – 13:15 -

A vitrine que aborda o homem andino em Hecho en el Perú, do Grupo Cultural Yuyachkani - foto: Diana Taylor

Aos 40 anos, a serem completados em 2011, o Grupo Cultural Yuyachkani prima por desbravar novos suportes e formas nutrindo-se de sua memória, ou seja, do próprio eixo constitutivo de sua linguagem e de sua convicção ideológica que o distingue profundamente na paisagem teatral da América do Sul. Assistir aos seus espetáculos é, a um só tempo, percorrer a biografia do núcleo e do país. Os seis nichos da instalação Hecho en Perú – vitrinas para un museo de la memória alinham a certidão de nascimento aos sulcos da palma das mãos nas quais se lê os calos do passado e se espreita o futuro. Read more »

Subscribe to my RSS feed