Os escravos da fila

escrito por vals em 22 de abril de 2010 – 9:41 -

A calçada e o saguão do teatro são lugares de esperança e suspeição no Festival Iberoamericano de Bogotá. Sina de espectador que a cada dois anos torce para encontrar espetáculos que o capturem com a arte após submissão ao detector de metais e os cuidados em não ter a carteira afanada
Todas as filas carregam esperanças que nem sempre são cumpridas. Os espermatozóides que o digam. No caso do teatro, as pessoas ocupam a calçada, o saguão ou o bar do edifício com um objetivo simples e direto: querem ser abduzidas da realidade por alguns minutos, horas. Cruzar a porta da sala de espetáculo é como fazer um pacto com o desconhecido. Dependendo da ousadia dos artistas em cartaz, a tensão pode roçar com aquela experimentada por Fausto diante de Mephisto. O espectador dispõe-se a vender a alma, paga por isso e torce para que a montagem o compense com arte. Ele ambiciona ser transportado a outro espaço, o imaginário, por atores que são outros em cena. Público e atores são eles mesmos e os outros. Mas aqui não vamos pisar o terreno da ficção e seu círculo de alteridades. Os conflitos de uma fila de teatro, lá fora, são de outra ordem. E no âmbito de um festival com ingressos disputados por causa das atrações internacionais que aportam de dois em dois anos em Bogotá, a angústia multiplica-se. Read more »

Subscribe to my RSS feed

A aventura da crônica jornalística

escrito por vals em 25 de março de 2010 – 14:28 -

Teatro Biuro Podrozy, Polônia

Versão teatro de rua do grupo polonês Teatro Biuro Podrozy para Macbeth, em cartaz esta semana >> Foto: Katarzyna Czarnecka

Iniciei ontem participação na oficina de crônicas Las historias del festival de teatro [y los dranas y comedias fuera de él].
Somos 16 jornalistas da Argentina, Brasil, Colômbia, El Salvador, Equador, Estados Unidos, México, Uruguai e Venezuela. Read more »

Subscribe to my RSS feed

Teatro de risco

escrito por vals em 22 de março de 2010 – 2:56 -

Imaginava que uma peça de Samuel Beckett interpretada por Bob Wilson reservasse lá seus riscos, mas não a ponto de dois oficiais (uma para elas, outro para eles) postarem-se à entrada do teatro, fardados e armados, para revistar os espectadores com detector de metais. Foi a situação que vivenciei no sábado à noite, no Teatro Nacional Fanny Mikey. Read more »

Subscribe to my RSS feed