Menu

Crítica

Foto: Lina Sumizono

Mover-se em contraste e aproximação

09 de abril 2017 |
por Daniel Schenker • Rio de Janeiro

Em Ficção, uma das criações anteriores da Cia. Hiato, os atores do grupo realizaram solos nos quais trouxeram à tona determinados aspectos de suas vidas. Na frente do público, de um conjunto de estranhos, revelaram questões íntimas de maneira direta. Diante desse material assumidamente confessional, o título provocava, de início, uma sensação de contraste, mas sintetizava, com precisão, o sumo do projeto: a percepção de que a evocação da própria história implica numa ficcionalização, na medida em que não há como acessar de modo imparcial os acontecimentos como se deram, mas “tão-somente” como foram introjetados por aqueles que passaram pelas experiências. Os atores não apresentavam os fatos puros, e sim uma versão deles (portanto, uma ficção).

Amadores, novo trabalho do grupo conduzido por Leonardo Moreira e incluído na Mostra Oficial do Festival de Curitiba, confirma o apreço pelo depoimento pessoal. Leia mais

Crítica

Foto: Leonardo Pastor/Fiac Bahia

Dois sujeitos em busca de autonomia

26 de março 2017 |
por Beth Néspoli • São Paulo

Todo ato de fala é alterado pelas reações de quem escuta. Se a interlocução é desatenta ou inquieta, se os que interagem estão mais empenhados em falar do que em ouvir, a tensão e a urgência afetam o autor do discurso que tende a eliminar da argumentação as sinuosidades da dúvida e a análise multifacetada. O problema do encurtamento da capacidade de atenção das plateias contemporâneas deixa de ser um fantasma a rondar o palco para se tornar matéria de trabalho no espetáculo Hamlet – processo de revelação, solo de Emanuel Aragão, que tem direção do Coletivo Guimarães (DF), formado pelos irmãos Adriano e Fernando, e dramaturgia de cena assinada pelo ator. Leia mais

Crítica

Foto: Sammi Landweer

Para escutar o som da floresta

22 de março 2017 |
por Beth Néspoli • São Paulo

Gestos, odor, movimentos, olhar, respiração, um corpo em tudo diferente daquele que habita o cotidiano urbano. São corpos assim os que vêm para a cena na mais recente criação da Lia Rodrigues Companhia de Danças, Para que o céu não caia, apresentada na 4ª MITsp e que segue em curta temporada no Sesc Belenzinho. Leia mais

Crítica

Foto: Felipe Fredes/Fundación Santiago a Mil

Dialética de uma derrota

21 de março 2017 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

O espetáculo Mateluna, escrito e dirigido por Guillermo Calderón e apresentado no MITsp, constrói pontos de aproximação entre o espírito revolucionário latino-americano durante as ditaduras militares nas décadas de 70 e 80 e os modos de resistir ao estado de coisas atual. Para tanto, o grupo de seis atores se detém em uma narrativa prismática sobre um personagem real: o ex-guerrilheiro chileno Jorge Mateluna, com quem o elenco manteve contato durante a criação do espetáculo Escuela (2013). Leia mais

Crítica

Foto: Guto Muniz/Foco in Cena

Prefiro não

21 de março 2017 |
por Mateus Araújo • Recife/São Paulo

Durante esta semana, em cartaz no Itaú Cultural como parte da programação da Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp), a atriz sul-africana Ntando Cele, mulher negra, nos traz vários símbolos ligados ao racismo em seu espetáculo Black off. Mas entre eles prevalece na memória a fala pragmática: “Estou aqui, e sou negra. Mas não estou aqui para ser negra”. Leia mais

Crítica

Foto: Guto Muniz/Foco in Cena

Estética da existência

20 de março 2017 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

Já se tornou banal falar sobre a crise da representação e o esfacelamento dos limites entre o real e a ficção no teatro contemporâneo. São muitos os experimentos artísticos que problematizam essas questões, acompanhados de reflexões críticas que colocam em xeque as convicções do pensamento ocidental que estabeleceram fronteiras rígidas sobre o que existiria de fato e o que seria invenção. No entanto, a curadoria da 4ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, ao escolher o documentário como um de seus eixos estruturantes, trouxe obras que alçaram esta discussão a um patamar mais elevado.

Nesse sentido, a mostra especial do libanês Rabih Mroué permite refletir sobre as maneiras que o teatro contemporâneo, ao embaralhar os registros real/ficcional, recupera a relação com a pólis, expandindo o espetáculo para além da sala de espetáculos. Leia mais

Crítica

Foto: Guo Muniz/Foco in Cena

No artificial, o real

19 de março 2017 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

Os atores parecem manequins. E se portam como tal, com seus gestos endurecidos e artificiais. Na peça de Susanne Kennedy, Por que o Sr. R. enlouqueceu?, nada soa natural. É o estranhamento em grau máximo o que se ambiciona nesse trabalho da companhia alemã Münchner Kammerspiele. Um estranhamento que se dá a partir da banalidade da vida humana. Assistimos a diálogos desse protagonista, o Sr. R, com a família e os colegas de trabalho – falas desprovidas de significado, destinadas apenas a ocupar o vazio. Leia mais

Desenvolvido por: Reppublica