Menu

Publicações com a tag:

“Augusto Boal”

Artigo

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

‘A tempestade’ conta Boal no exílio

15 de agosto 2016 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

I – Retrospecto histórico de um teatrero subversivo

1974: Augusto Boal, já com 43 anos e bastante consagrado no Brasil por sua atuação como diretor do Teatro de Arena de São Paulo, adapta uma das peças mais importantes e controversas da história do teatro mundial: A tempestade, de Shakespeare. Leia mais

Resenha

Foto: Adailton Alves

Arte e realidade social em mutirão

10 de junho 2016 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

Precisamos desenvolver a sensibilidade histórica para que ela se torne um verdadeiro deleite sensual. Quando nossos teatros apresentam peças de outros períodos, eles gostam de aniquilar a distância, preencher as lacunas, minimizar as diferenças. Mas onde então fica o prazer derivado das comparações, da distância, da dissimilitude – que é, ao mesmo tempo, um prazer vindo daquilo que é próximo e próprio a nós mesmos?

Bertolt Brecht

“Inspirar movimentos de aproximação entre o teatro e aqueles que lutam por justiça social”: tal o objetivo do primeiro volume da coleção Cadernos de Teatro e Sociedade, editado pelo Laboratório de Teatro e Sociedade (LITS) em parceria com a editora Expressão Popular. O projeto do grupo de estudos e laboratório, encabeçado por pesquisadores e artistas da Universidade de São Paulo, teve como mote não só publicar algumas peças relativas ao momento de fértil “hegemonia cultural de esquerda”, mas recriá-las crítica e pictoricamente com base nas experiências cênicas daquele período.

Não à toa, o passo inicial envolveu a publicação de Mutirão em novo sol, obra escrita coletivamente, em 1961, por Nelson Xavier, Augusto Boal, Benedito Araújo, Hamilton Trevisan e Modesto Carone, que permanecia inédita até então. Leia mais

Resenha

Foto: Victor Knoll

Espectros do Teatro Jornal

24 de maio 2016 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

A arte só tem finalidade quando contribuiu para a evolução dos homens. Perdemos a fé nos homens. Temos de auxiliar a razão a reconquistar o seu direito. A arte não é uma fumaça, a arte serve para esclarecer e, talvez, para ‘transfigurar’ – mas muito cuidado!

Wolfgang Drews

Coisas de jornal no teatro, escrito pelo pesquisador Eduardo Campos Lima, consegue reunir a um só tempo o caráter informativo, necessário para a compreensão da forma Teatro Jornal, e uma análise que privilegia os saltos temporais, bem como as conexões históricas. Leia mais

Resenha

Foto: Jangada Films

Um teatro para o presente

02 de abril 2016 |
por Kil Abreu • São Paulo

Jogos para atores e não atores,  lançado pelas Edições Sesc e Cosac Naify, nos oferece o material mais completo entre todos os que foram reunidos por Augusto Boal sobre sua obra, desde que os apontamentos iniciais do que viria a ser o Teatro do Oprimido se deram, no exílio argentino, ainda nos anos 70. Dali em diante o autor criou um formidável repertório de técnicas e pensamento, testado dia após dia na própria prática cênica, boa parte dela experimentada junto ao povo Leia mais

Resenha

Foto: Jonathan McIntosh/Wikimedia Commons

A inconformação nos ‘Jogos’ de Boal

23 de novembro 2015 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

 Quando Dante andava por Verona, o povo o apontava e murmurava que ele estava no inferno. Teria ele podido, sem isto, descrever todos os seus tormentos? Ele não os tirou de sua imaginação, ele os viveu, sofreu, viu, sentiu. Ele estava verdadeiramente no inferno, a cidade dos condenados: ele estava no exílio.

Heinrich Heine

 Jogos para atores e não atores é, ao lado de O teatro do oprimido e outras poéticas políticas, o livro mais traduzido e reeditado de Augusto Boal. Leia mais

Crítica

Foto: Divulgação

Latão vai à ‘Revolução’ de Boal com afeto

30 de julho 2015 |
por Mateus Araújo • Recife/São Paulo

Para Augusto Boal (1931-2009), posicionar-se politicamente era mais que necessário, e seu teatro sempre foi de posicionamento a favor do povo, dos esquecidos. Contraposto ao entretenimento vazio, o teatrólogo criador do Teatro do Oprimido fazia dos palcos uma arma poderosa de transformação e conscientização. Uma maneira decisiva de oposição política sempre à esquerda. Leia mais

Artigo

Foto: Walter Firmo/AJB - Site Nara Leão

O teatro musical (e político) no Brasil

22 de março 2015 |
por Fernando Marques • Brasília

O teatro musical brasileiro não nasceu ontem, mas há pelo menos 155 anos. Começamos pela revista, uma das espécies do gênero musical. O primeiro espetáculo de revista escrito e encenado no país chamou-se As surpresas do senhor José da Piedade, texto de Figueiredo Novaes. A peça ficaria em cartaz por apenas três dias, tendo sido proibida por atentar contra a moralidade das famílias, no Rio imperial de 1859. Leia mais

Desenvolvido por: Reppublica