Menu

Publicações com a tag:

“Cássia Damasceno"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Cássia Damasceno"

Crítica

Falar também pode ser uma maneira de impor o silêncio. Falamos muito sobre o país miscigenado, falamos sobre discriminação e preconceito, enchemos páginas de jornal com a barbárie cotidiana e a matança da população negra. É com um excesso de palavras que conseguimos não dizer nada que sobre isso. Preto, mais recente criação da companhia brasileira de teatro, parte desse incômodo. Leia mais

Crítica

Proposta de intercâmbio franco-brasileiro entre a Companhia Brasileira, dirigida por Marcio Abreu, o coletivo Jakart/Mugiscué e o Centre Dramatique National du Limousin, Nus, ferozes e antropófagos foi apresentada no formato de processo dentro da última edição do Festival de Teatro de Curitiba, que tomou conta da capital paranaense entre o final de março e o início de abril. A estreia está marcada para o próximo dia 13 no Théâtre de l’Union – Centre Dramatique National du Limousin, em Limoges, na França. Leia mais

Crítica

Para quem não é de Curitiba, ver Cássia Damasceno em cena constitui boa surpresa em relação à imagem dominante de seu trabalho como produtora executiva da Companhia Brasileira de Teatro nos últimos anos, em processos criativos locais e circulações por outros estados e países. Ela nunca está em cena. Surpreende duplamente encontrá-la sob a guarida de outro núcleo, Dezoito Zero Um – Cia. de Teatro, e protagonizando Billie, alusões fragmentárias ou flagrantes da biografia da intérprete norte-americana Billie Holiday (1915-1959). Leia mais

Nota

Depois de alguns anos de dedicação exclusiva à produção da Cia. Brasileira, a atriz Cássia Damasceno volta aos palcos neste Festival de Curitiba com dois trabalhos de peso. Em Billie, ela encarna uma Billie Holliday já em trajetória decrescente, mantendo vívidos porém desesperançados diálogos com técnicos enquanto grava em estúdio. O preparo que ela fez para viver a cantora de jazz norte-americana salta aos olhos e faz pensar em quanto um ator pode alcançar quando se dedica e é bem dirigido (o texto e direção são de Alexandre França, a partir de gravações reais). Leia mais