Menu

Publicações com a tag:

“Cia. do Latão”

Crítica

Foto: Bob Sousa

Ecos do basta

28 de junho 2016 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

O pão e a pedra, espetáculo mais recente da Companhia do Latão, constrói pontos de convergência entre o mundo do trabalho na década de 70 e na atualidade, expondo o importante processo de organização dos trabalhadores fabris de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. O impasse do realismo, ao tratar de temáticas sociais, fornece a chave de interpretação de um autor como Kafka em sintonia com nossa cor local. Leia mais

Crítica

Foto: Divulgação

Latão vai à ‘Revolução’ de Boal com afeto

30 de julho 2015 |
por Mateus Araújo • Recife/São Paulo

Para Augusto Boal (1931-2009), posicionar-se politicamente era mais que necessário, e seu teatro sempre foi de posicionamento a favor do povo, dos esquecidos. Contraposto ao entretenimento vazio, o teatrólogo criador do Teatro do Oprimido fazia dos palcos uma arma poderosa de transformação e conscientização. Uma maneira decisiva de oposição política sempre à esquerda. Leia mais

Reportagem

Foto: Sérgio de Carvalho

Latão em revista

23 de julho 2014 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

Um dos mais longevos e profícuos grupos do teatro de São Paulo, a Cia. do Latão abre nesta quarta-feira, 23, uma mostra de seu repertório mais recente. Na Oficina Cultural Oswald de Andrade, serão apresentados O patrão cordial – última criação do diretor Sérgio de Carvalho – , Ópera dos vivos e Círculo de giz caucasiano. “Apresentar esses trabalhos em conjunto marca o fechamento de um ciclo de trabalho. Talvez o mais bonito da história do Latão”, diz Carvalho. Leia mais

Reportagem

Foto: Marcelo Pacífico

Em algum lugar do passado…

10 de junho 2014 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

Se um estrangeiro examinasse o que está em cartaz em São Paulo, hoje, teria a impressão de que o teatro brasileiro acabou de ser inventado. Ou, ao menos, de que tudo o que se havia produzido antes não tem o menor interesse. A exceção de Nelson Rodrigues e Plínio Marcos – regularmente revisitados – o que se encontra nos palcos são criações de autores contemporâneos. Leia mais

Crítica

Foto: Claudio Etges

O particular é antídoto à alienação generalista

30 de maio 2014 |
por Fábio Prikladnicki • Porto Alegre

O 9º Festival Palco Giratório Sesc/POA encerrou no domingo (25/5), após três semanas de programação. As leituras dos espectadores sobre as tendências que apareceram no evento dependem da grade que cada um programou para si. Os espetáculos a que assisti mostraram uma renovação do teatro político com a busca de dramaturgias brasileiras – ou estrangeiras bastante adaptadas. No esforço de dialogar com a realidade social, o particular se sobressai ao universal, o que é uma boa notícia, já que a categoria do universal sempre foi uma construção ideológica. Seria equivocado atribuir esse fenômeno às manifestações de junho de 2013, já que diversas peças foram criadas anos antes. É mais provável se tratar de uma feliz coincidência. Leia mais

Entrevista

Foto: Bob-Sousa

Dialética aplicada à relação arte e sociedade

15 de maio 2014 |
por Michele Rolim • Porto Alegre

Retorna a Porto Alegre uma das companhias mais importantes do País, a paulista Cia. do Latão. Em 2013 o grupo trouxe ao Palco Giratório O patrão cordial; agora, são duas peças: O círculo de giz caucasiano (2006) e Ópera dos vivos (2010). A primeira é uma reestreia nacional – a peça não era mais apresentada desde 2008 – com elenco composto, em sua maioria, por novos atores. Nela, o público é convidado a embarcar em uma jornada de três horas pelo universo de Bertolt Brecht, grande influência da companhia. Leia mais

Reportagem

Foto: Sossô Parma

Memória da ditadura e estalos formais no CCSP

08 de abril 2014 |
por Teatrojornal

A segunda e última semana do projeto O imaginário dos 50 anos do golpe segue demarcando criticidade e inventividade artística para pensar os estilhaços da ditadura civil e militar brasileira (1964-1985) no âmbito da programação especial do Centro Cultural São Paulo. Esta instituição municipal – das mais horizontais em termos de acesso ao público de todos os quadrantes – teve sua construção esboçada justamente sob o regime de exceção e inaugurada em 1982, às vésperas da “reabertura”. Emblemática, portanto, a disposição de presentificar seu acervo à luz dos subterrâneos do regime e instigar criadores da música, cinema, artes visuais, dança, teatro e outras linguagens a revolver os meandros dessa história que não acabou. Memória e estalos formais. Leia mais

Desenvolvido por: Reppublica