Menu

Publicações com a tag:

“Cia. do Tijolo”

Crítica

Foto: Marcelo Valle

O ético e o profano em Dom Hélder

27 de setembro 2016 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

O avesso do claustro é um daqueles espetáculos do qual o espectador, consciente da porosidade engendrada pela obra, sai mobilizado a refletir sobre a função da arte assim que deixa o teatro. Com efeito, um amplo leque de imagens é aberto desde a entrada no ginásio do Sesc Santos, durante o festival Mirada: o batuque, lembrando nossa raízes africanas, a cortina fazendo entrever corpos seminus dançantes e a figura de Dom Hélder ainda bebê num carrinho de obras. Leia mais

Crítica

Foto: Alécio Cézar

‘Ledores no Breu’: pedra, papel e tesoura

31 de outubro 2015 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

A palavra é o jeito de fazer o nada aparecer. O que era nada. Agora a tornar-se letra, corpo, matéria, pensamento. “O pensamento não existe fora do mundo, nem fora da palavra”, diz Merleau-Ponty. Leia mais

Reportagem

Foto: Fernando Kinas

Golpe de cena

24 de fevereiro 2014 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

A tortura, os interrogatórios, o exílio. São temas que saíram de cena a partir dos anos 1980, com a redemocratização do País. Mas que, gradativamente, voltam a ocupar os palcos. Leia mais

Crítica

Foto: Alécio Cezar

Um olhar para o que marcou 2013

06 de janeiro 2014 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

O teatro de grupo legou os melhores espetáculos das temporadas recentes. Nos últimos anos, também é insuspeito o protagonismo da cidade no que diz respeito às artes cênicas nacionais. Em 2013, a qualidade da cena local permanece indissociável do trabalho dos coletivos. Mas, por alguma razão, invertendo-se a ordem até então estabelecida, várias das melhores criações vistas por aqui foram produzidas e gestadas em outros Estados do País. Leia mais

Reportagem

Foto: Alécio Cezar

Obra de Lorca sustenta musical da Cia. do Tijolo

08 de agosto 2013 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

Amor. Liberdade. Revolução. São palavras gastas – pelo uso e pelo tempo. São ideias difíceis de apreender. Mas foram essas as linhas condutoras escolhidas pela Cia. do Tijolo para criar seu novo espetáculo.

Cantata para um bastidor de utopias, em cartaz no Sesc Pompeia, baseia-se em um texto de Federico García Lorca: Mariana Pineda. Obra de juventude do poeta espanhol, a peça conta o trágico destino de uma heroína de seu país. No século 19, Mariana foi morta pelo governo do rei Fernando VIII. Seu crime: ter bordado uma bandeira para a causa dos liberais republicanos. E, pior do que isso, ter se recusado a delatar seus companheiros. Leia mais

Desenvolvido por: Reppublica