Menu

Publicações com a tag:

“Cia. Hiato”

Crítica

Foto: Lina Sumizono

Mover-se em contraste e aproximação

09 de abril 2017 |
por Daniel Schenker • Rio de Janeiro

Em Ficção, uma das criações anteriores da Cia. Hiato, os atores do grupo realizaram solos nos quais trouxeram à tona determinados aspectos de suas vidas. Na frente do público, de um conjunto de estranhos, revelaram questões íntimas de maneira direta. Diante desse material assumidamente confessional, o título provocava, de início, uma sensação de contraste, mas sintetizava, com precisão, o sumo do projeto: a percepção de que a evocação da própria história implica numa ficcionalização, na medida em que não há como acessar de modo imparcial os acontecimentos como se deram, mas “tão-somente” como foram introjetados por aqueles que passaram pelas experiências. Os atores não apresentavam os fatos puros, e sim uma versão deles (portanto, uma ficção).

Amadores, novo trabalho do grupo conduzido por Leonardo Moreira e incluído na Mostra Oficial do Festival de Curitiba, confirma o apreço pelo depoimento pessoal. Leia mais

Crítica

Foto: Ligia Jardim

Histórias de superação em ‘Amadores’

05 de agosto 2016 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

No final de 2015, um anúncio nos jornais procurava “artistas amadores e pessoas sem experiência no palco para espetáculo teatral”. O trabalho seria remunerado. Mais de duzentas pessoas responderam a esse chamado e, em abril deste ano, junto com cinco atores profissionais, treze delas estrearam no Sesc Consolação, em São Paulo, a peça Amadores, da Cia. Hiato, com direção de Leonardo Moreira. Leia mais

Reportagem

Foto: Ligia Jardim

Na linha tênue

13 de maio 2015 |
por Michele Rolim • Porto Alegre

O limite entre o real e a ficção é uma investigação recorrente da Cia. Hiato. O grupo paulistano, apesar de jovem – começou com Cachorro morto (2008), que já esteve em Porto Alegre – vem mostrando que tem talento. Com Ficção (composto por cinco solos) mais o espetáculo O jardim, a companhia faz quatro sessões dentro do Palco Giratório Sesc, até sexta-feira (15). Leia mais

Reportagem

Foto: Guto Muniz

Dez anos de Palco Giratório gaúcho

28 de abril 2015 |
por Michele Rolim • Porto Alegre

Considerado um dos maiores eventos da capital, o Festival Palco Giratório Sesc-Poa chega à sua 10ª edição, entre 8 e 31 de maio, com uma programação voltada ao teatro, à dança, ao circo e às intervenções urbanas. Os ingressos custam entre R$ 7,00 e R$ 20,00 e a venda começou sexta-feira (24/4). Serão apresentadas mais de cem ações artísticas e formativas. Ao todo, 46 espetáculos encenados por 42 companhias de 13 diferentes estados, entre eles: Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Segundo a coordenadora e curadora do evento, Jane Schoninger, a programação está bem diversa e oscila com diferentes focos. Leia mais

Crítica

Foto: Otávio Dantas

Entre os escombros da criação

23 de abril 2014 |
por Julia Guimarães • Madri/São Paulo

Se nas últimas décadas os debates acerca do teatro pós-dramático ocuparam lugar central na reflexão sobre a cena contemporânea, atualmente, uma prática que vem sendo cada vez mais explorada e discutida nesse mesmo contexto diz respeito aos complexos imbricamentos entre o real e o ficcional presentes em espetáculos atuais. A despeito dos perigos de modismo, o fato é que essa estratégia cênica tem se mostrado potente em suas várias formas de aparição, criando novas perguntas aos artistas e espectadores que compartilham o acontecimento cênico nos últimos anos. Leia mais

Reportagem

Foto: Silvana Marques

Brasil é homenageado no Festival de Bogotá

01 de abril 2014 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

Considerado o maior das Américas e um dos maiores do mundo, o Festival Ibero-americano de Bogotá abre nesta sexta, 4, sua edição 2014 com um convidado especial. O Brasil será o país homenageado do evento, que prossegue até o dia 20. Leia mais

Reportagem

Foto: Otávio Dantas

O espectador cúmplice nas dobras da Cia. Hiato

18 de março 2014 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

Cada palavra carrega em si uma determinada maneira de ver o mundo. Em japonês, o termo ‘komorebi’ serve para descrever o momento em que a luz do sol é filtrada pelas folhas. Para os alemães, ‘waldeinsamkeit’ é o modo preciso de se nomear o sentimento de solidão que uma pessoa experimenta quando está em contato com a natureza. Na Itália, ‘pentimento’ quer dizer arrependimento, mas é também o jeito de se falar da alteração em uma pintura. Aquela situação em que um quadro é restaurado e ficam evidentes seus rascunhos, mostrando que o artista mudou de ideia enquanto pintava. Leia mais

Desenvolvido por: Reppublica