Menu

Publicações com a tag:

“Crítica"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Crítica"

Crítica

Colhida pulsante no tempo presente, a matéria de que é feita a peça Insones, com dramaturgia de Victor Nóvoa e direção de Kiko Marques, é apresentada ao espectador quase que ainda colada ao cotidiano mais prosaico e, ao mesmo tempo, tornada profundamente estranha. Não há fábula ou narrativa a ser seguida, apenas uma situação compartilhada: a reunião de quatro amigos, dois homens e duas mulheres, no curto período que antecede a passagem de ano. Juntos, eles fracassam fragorosamente a cada tentativa de instaurar a atmosfera de celebração, alegria e troca afetiva pedida pela ocasião.

No centro da cena um sofá de grandes proporções acomoda as quatro figuras colocando-as voltadas para o olhar do espectador. Sofá é objeto que remete à casa, ao diálogo íntimo e ao encontro familiar, e mesmo se instalado em ambiente empresarial convida à conversa amistosa em momento de hierarquias relaxadas. Com dimensão reconfigurada e concentrando toda a ação da peça, torna-se cenografia – não decoração – e contribui para instaurar a atmosfera insólita de laboratório de observação de humanos que perpassa toda a montagem.

Em ‘Insones’, importa perceber que numa cena na qual a crítica não está explicitada nas palavras e cabe ao espectador realizá-la, cresce a importância do investimento nas modulações da voz e corpo para que a expressão resulte clara, mas sem didatismo. Afinal, o teatro torna-se mais interessante quando assume haver sempre algo de inapreensível no comportamento humano

As conversas saltam de um assunto a outro sem que qualquer argumento ganhe verticalidade, mas não soam aleatórias, ao contrário disso, a dramaturgia é elaborada para demonstrar criticamente a atenção errática característica dos tempos atuais. É a subjetividade contemporânea que está em foco em Insones, mentes invadidas por milhares de estímulos absorvidos sem filtros numa sociedade na qual já não há mais fronteira entre o público e o privado. A agitação contínua impossibilita o silêncio interno e a abertura de espaços íntimos, elementos fundamentais para o processo de individuação e a gestação dos afetos.

Os diálogos, e muitos deles apenas solilóquios, uma vez que a escuta é pouca e dispersa, revelam uma gente excessivamente ocupada durante todo o ano. Pessoas que mesmo reunidas para celebrar seguem com a atenção dividida entre smartphones, a retrospectiva anual na TV e a companhia dos demais. Baldes de gelo, taças e figurinos indicam um ambiente de festa, assim como a excitação e ansiedade características desses ritos de passagem. No entanto, parece que sempre falta algo para que uma alegria verdadeira tome conta de corpos e mentes. É a dor de cabeça que atrapalha ou a iluminação inadequada? Cada um e todos perseguem em vão algo que se mantém enigmático para si próprios, como se não pudessem diagnosticar o mal que os aflige.

Erica Modesto

Ironia crítica entre o bizarro e o cotidiano em ‘Insones’, direção de Kiko Marques e dramaturgia de Victor Nóvoa

Se a fabulação é um dos meios de criar distanciamento crítico, outro é acentuar determinados traços no limite de sua deformação, como fazem os caricaturistas. Essa última é a linha escolhida pelos criadores dessa montagem que coloca o comportamento humano sob lente de aumento, por exemplo, quando um dos personagens diz: “Faz 365 dias que não durmo” – em tom de orgulho, mesmo se visivelmente exausto. Atitude que provocou risos no espectador nas duas sessões acompanhadas, talvez devido à dupla identificação: do ridículo da exaltação do que deveria ser problema e no reconhecimento na própria carne do sono cada vez mais roubado pela lida cotidiana.

As reações do público e a extensão das temporadas em diferentes teatros sugerem que a ironia crítica proposta pela encenação vem sendo captada, o que se deve em parte ao delicado equilíbrio alcançado pelo elenco entre o bizarro e o cotidiano. Paulo Arcuri, o autor do já mencionado comentário sobre estar há um ano sem dormir; Vinicius Meloni, constantemente com dor de cabeça; Fernanda Raquel, figura obcecada pela existências de áreas obscuras na sala; e Helena Cardoso, sempre tentando unir os demais em torno do brinde detonador da alegria formam o quarteto de intérpretes que consegue tornar reconhecíveis aquelas figuras sem retirar delas a irrealidade poética própria da matéria da arte.

No amálgama constituído por dramaturgia, direção e atuações não é fácil distinguir autorias, e talvez nem relevante. Importa perceber que numa cena na qual a crítica não está explicitada nas palavras e cabe ao espectador realizá-la, cresce a importância do investimento nas modulações da voz e corpo para que a expressão resulte clara, mas sem didatismo. Afinal, o teatro torna-se mais interessante quando assume haver sempre algo de inapreensível no comportamento humano. Juntos, os procedimentos criativos de Insones, do texto à trilha, convergem para configurar uma certa catatonia necessária para saltar da violência mais brutal à fruição de um vídeo sobre bichinhos fofos. E, o mais problemático, sem se dar conta da gravidade desse salto entre extremos.

Erica Modesto

Em primeiro plano, Helena Cardoso e Vinicius Meloni: as quatro figuras fracassam fragorosamente a cada tentativa de instaurar a atmosfera de celebração, alegria e troca afetiva na passagem de ano

No programa da peça há menção ao livro 24/7 – Capitalismo tardio e os fins do sono, de Jonathan Crary (Cosac Naify), como uma das fontes de inspiração. O autor parte de pesquisas desenvolvidas no âmbito do exército estadunidense sobre pássaros migratórios que passam longos períodos sem dormir e em pleno vigor físico para argumentar que, depois do soldado sem sono – o interesse central do estudo realizado pelo exército – virá o trabalhador sem sono. Afinal, argumenta Crary com alto grau de ironia, “a imensa parte de nossas vidas que passamos dormindo, libertos de um atoleiro de carências simuladas, subsiste como uma das grandes afrontas humanas à voracidade do capitalismo contemporâneo”.

Será que um dia a ciência conseguirá acabar com a necessidade de dormir? O estudo de Crary demonstra que a pergunta não é tola. Até porque, como aponta o filósofo polonês Zygmunt Bauman, é atributo de todo organismo forte transformar em desejo do outro o que ele próprio necessita para se desenvolver. Assim, existisse já a possibilidade de não ter sono, muito provavelmente se tornaria objeto de desejo de muitos trabalhadores que projetariam nessa ausência um meio para aprimorar desempenho e produção.

Argumento similar pode ser encontrado no livro Sociedade do cansaço (Editora Vozes), do coreano Byung-Chul Han, outra fonte de inspiração dos criadores de Insones. De acordo com Han, o controle exercido sobre as subjetividades contemporâneas se dá pela via positiva do poder e não pela opressão do dever. O sujeito do desempenho da sociedade pós-moderna é movido pela ideia do “yes, we can” e não apenas explora a si mesmo, como também se culpa pelo fracasso, tornando-se depressivo.

Insones não é a tradução cênica desses estudos. Mas talvez toda arte seja também fruto da necessidade de investigação lúdica do modo como vive e se organiza o mundo e de como se dá a partilha dos saberes. Neste início de século XXI, no entanto, não é incomum a indagação sobre a potência do teatro para interferir na sensibilidade de homens e mulheres atingidos pela avalanche midiática. E sempre é possível dizer que o teatro é em si mesmo um ato de resistência, uma vez que só pode acontecer diante de pessoas desconectadas do mundo virtual, juntas em espaço e tempo suspensos da lida cotidiana, gente descolada da produção e do consumo. Um ato de profanação do capitalismo.

Serviço:

Onde: Teatro de Contêiner Mungunzá (Rua dos Gusmões, 43, Santa Ifigênia, São Paulo, tel. 11 97632-7852)

Quando: Sexta, sábado, domingo e segunda, às 20h. Não haverá sessão dia 2/9. Até 3/9

Quanto: Grátis

Duração: 60 minutos

Classificação indicativa: 14 anos

Equipe de criação:

Concepção: Fernanda Raquel, Helena Cardoso e Victor Nóvoa

Direção: Kiko Marques

Dramaturgia: Victor Nóvoa

Com: Fernanda Raquel, Helena Cardoso, Paulo Arcuri e Vinicius Meloni

Atriz substituta: Fani Feldman

Assistência de direção: Mateus Menezes

Cenografia: Eliseu Weide

Criação de luz: Marisa Bentivegna

Figurinos: Ozenir Ancelmo e Ana T.

Trilha sonora original: Carlos Zimbher

Produção musical: Érico Theobaldo

Autoria das músicas: Carlos Zimbher e Érico Theobaldo

Direção de produção: Catarina Milani

Artista assistente: Elisa Giannella

Operação de luz: Henrique Andrade

Fotos, vídeos e mídias sociais: Pasárgada Comunicação

Design gráfico: Vertente Design

Transporte: Mandi

Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli

Crítica

Nós da alienação

26.8.2018  |  por Valmir Santos

O desengajamento aparente de uma obra de arte pode ser estratégico para potencializar consciência crítica. Isso é perceptível no espetáculo Love, love, love, com o Grupo 3 de Teatro, que incide sobre alienação intrafamiliar. Sujeitos vivendo sob o mesmo teto tornam-se estranhos uns aos outros, corroendo o caráter e causando estranhamento à própria natureza de cada um. Leia mais

Crítica

Quando desempregado, Karl Marx penhorou seu casaco muitas vezes para sustentar a família. Sobreviver, naquela década de 1850, incluía encontrar meios para seguir sua pesquisa acerca da engrenagem da economia capitalista.  Por ironia, sem essa peça do vestuário – retida intermitentemente por dinheiro –, o filósofo tinha dificuldade de frequentar a venerada sala de leitura do Museu Britânico, onde prospectou material que anos depois subsidiaria O capital.  Andar por aí com um casaco, sobretudo no inverno, implicava status social no reino das aparências, como relata o pesquisador Peter Stallybrass. Esse era um dos panos de fundo de como a teoria da luta de classes foi forjada. Elementar, portanto, que Pi – Panorâmica insana escolha a roupa como signo das transformações da humanidade no amplo painel temático que enseja. Leia mais

Crítica

A alegria crítica

12.7.2018  |  por Kil Abreu

O rei da vela é, como as pessoas do teatro costumam tratá-la, uma peça avançada para os anos 30 do século passado, se o ponto de vista for o da invenção estética. Nela Oswald de Andrade costura de maneira inusual para os modelos dramatúrgicos da época, em traços grossos e em dialética carnavalesca, o momento de passagem dos lugares de poder, da tradicional família rural brasileira, já falida, para as dinâmicas do capital financeiro então nascente, em termos de hegemonia econômica. É o teatro politico e experimental de um autor atento à necessidade de traduzir em forma nova uma realidade em profundo processo de mudança.  Leia mais

Crítica

Falar também pode ser uma maneira de impor o silêncio. Falamos muito sobre o país miscigenado, falamos sobre discriminação e preconceito, enchemos páginas de jornal com a barbárie cotidiana e a matança da população negra. É com um excesso de palavras que conseguimos não dizer nada que sobre isso. Preto, mais recente criação da companhia brasileira de teatro, parte desse incômodo. Leia mais

Crítica

Convite à liberdade

19.6.2018  |  por Beth Néspoli

A informação de que o elenco do Cabaret transperipatético, dirigido por Rodolfo García Vázquez, fundador d’Os Satyros, é inteiramente formado por performers não cisgêneros, ou seja, por pessoas cujas mentes e corpos não se enquadram no padrão binário homem/mulher, pode provocar recusa à priori naquela parcela de espectadores ainda arredia às questões de gênero. O espetáculo, porém, tem forte potencial para conquistar o público não afinado com o tema. Leia mais

Crítica

Pode soar familiar ao espectador brasileiro um texto desagradável, na acepção que Nelson Rodrigues (1912-1980) impingiu ao próprio teatro pela diligência às “obras pestilentas, fétidas, capazes, por si sós, de produzir o tifo e a malária na platéia”. Ele declarou isso na primeira década de produção dramatúrgica, nos anos 1940, coerente com sua verve. Aquela frase bastante citada, e de certo modo amortecida com o tempo, reaviva a memória diante de um espetáculo como Hilda, que introduz o teatro da romancista Marie NDiaye entre nós, por meio do Núcleo Caixa Preta, com a fundadora Cácia Goulart no elenco e tendo Roberto Audio como diretor convidado. Leia mais