Menu

Publicações com a tag:

“Ferdinando Martins”

Crítica

Foto: Guto Muniz/Foco in Cena

Estética da existência

20 de março 2017 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

Já se tornou banal falar sobre a crise da representação e o esfacelamento dos limites entre o real e a ficção no teatro contemporâneo. São muitos os experimentos artísticos que problematizam essas questões, acompanhados de reflexões críticas que colocam em xeque as convicções do pensamento ocidental que estabeleceram fronteiras rígidas sobre o que existiria de fato e o que seria invenção. No entanto, a curadoria da 4ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, ao escolher o documentário como um de seus eixos estruturantes, trouxe obras que alçaram esta discussão a um patamar mais elevado.

Nesse sentido, a mostra especial do libanês Rabih Mroué permite refletir sobre as maneiras que o teatro contemporâneo, ao embaralhar os registros real/ficcional, recupera a relação com a pólis, expandindo o espetáculo para além da sala de espetáculos. Leia mais

Crítica

Foto: Junior Aragão

Fragmentos da contemporaneidade

06 de setembro 2016 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

Terminou nesse domingo a 17ª edição do Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília. Ainda que com orçamento reduzido, foram apresentados 29 espetáculos, nacionais e estrangeiros, além de atividades paralelas de formação de público e de intercâmbio cultural e artístico. Leia mais

Crítica

Foto: Nairí Aharonián

O artista e o sujeito ante a ira e as ideias

25 de agosto 2016 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

É provável que todo espectador de teatro tenha, em algum momento, se perguntando como surgem e se desenvolvem as ideias que criam um espetáculo. O que preservar e o que descartar? Qual o momento em que a obra é declarada concluída e pronta para ser apresentada ao público?  O que é mais importante, o repertório do artista ou sua originalidade? Existe uma separação entre a realidade e a ficção? Ainda que não seja possível haver explicações conclusivas sobre os processos criativos, o debate sobre esse tema aparece de maneira muito instigante na produção uruguaia A ira de Narciso e na argentina As ideias, que estarão na quarta edição do Mirada – Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos, de 8 a 18 de setembro, uma realização do Sesc São Paulo. Leia mais

Crítica

Foto: Ligia Jardim

Histórias de superação em ‘Amadores’

05 de agosto 2016 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

No final de 2015, um anúncio nos jornais procurava “artistas amadores e pessoas sem experiência no palco para espetáculo teatral”. O trabalho seria remunerado. Mais de duzentas pessoas responderam a esse chamado e, em abril deste ano, junto com cinco atores profissionais, treze delas estrearam no Sesc Consolação, em São Paulo, a peça Amadores, da Cia. Hiato, com direção de Leonardo Moreira. Leia mais

Crítica

Foto: Bob Sousa

Em vez do abandono de si, a pulsão resiliente

24 de junho 2016 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

Um dos traços peculiares das artes contemporâneas é o embaralhamento dos registros ficcional e autobiográfico, criando formas múltiplas e híbridas nas quais o relato pessoal converte-se em obra. Buscar a confusão e o desnorteamento do receptor tornou-se um traço estilístico que gera zonas de indeterminação potentes e positivas, abrindo brechas para a emergência da subjetividade do espectador em uma participação compulsória na qual o resultado nunca está pré-definido.

Essa característica, porém, traz o risco do processo ratificar generalizações e ideias equivocadas. Isso acontece, muitas vezes, com o legado do escritor gaúcho Caio Fernando Abreu (1948-1996). Leia mais

Crítica

Foto: Inês Corrêa

Antunes examina sonho americano sob luz fria

17 de maio 2016 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

Ela pegou o bonde certo, mas pensou estar errada. Desejo é um subdistrito em New Orleans, Luisiana, no caminho para se chegar à Avenida Champs Elysée, onde vivem Stella e Stanley Kowalski. O bairro chama-se assim em homenagem a Desirée Clary, ex-noiva de Napoleão Bonaparte. Desirée era francesa, como o nome de Blanche Dubois (Bosque Branco) e de sua propriedade perdida em razão de dívidas, Belle Rêve (Belo Sonho). O bonde e a avenida são mencionados uma única vez no texto de Um bonde chamado desejo, de Tennessee Williams. A propriedade, 18 vezes. Leia mais

Crítica

Foto: Andre Stefafno

Sublimes e sórdidas pessoas

28 de abril 2016 |
por Ferdinando Martins • São Paulo

Dotados de energia esfuziante, os atores enchem a sala preta do Espaço dos Satyros Um com roupas e cabelos coloridos. Nos rostos, próteses e (muita) maquiagem. Apesar de estarem ali para representar personagens extraídas de situações reais, nada os aproxima de uma encenação naturalista. Ao contrário, a atmosfera de Pessoas sublimes é etérea, nebulosa, lusco-fusco. Aos poucos, o espectador  Leia mais

Desenvolvido por: Reppublica