Menu

Publicações com a tag:

“Guillermo Calderón”

Crítica

Foto: Felipe Fredes/Fundación Santiago a Mil

Dialética de uma derrota

21 de março 2017 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

O espetáculo Mateluna, escrito e dirigido por Guillermo Calderón e apresentado no MITsp, constrói pontos de aproximação entre o espírito revolucionário latino-americano durante as ditaduras militares nas décadas de 70 e 80 e os modos de resistir ao estado de coisas atual. Para tanto, o grupo de seis atores se detém em uma narrativa prismática sobre um personagem real: o ex-guerrilheiro chileno Jorge Mateluna, com quem o elenco manteve contato durante a criação do espetáculo Escuela (2013). Leia mais

Crítica

Foto: Frederico Chigança e equipe

Arquitetações do lembrar e do esquecer

16 de dezembro 2015 |
por Maria Eugênia de Menezes • São Paulo

Memória e esquecimento são os componentes com os quais Guillermo Calderón construiu Villa + Discurso. Originalmente, o diretor e dramaturgo chileno – talvez o mais destacado de sua geração – concebeu a peça como um díptico. Leia mais

Crítica

Foto: Adauto Perin

Circum-navegar a palavra

14 de setembro 2014 |
por Valmir Santos • São Paulo

O grupo chileno Teatro en el Blanco crava em La reunión o poder da retórica que enfeixa ator e voz no domínio técnico assim como, no plano das ideias, atrita história e ficção ao jogar com avatares dos processos de colonização. As figuras da rainha Isabel e do navegador Cristovão Colombo são catapultadas de cinco séculos atrás para uma arena expositiva das seduções do e pelo poder aplicáveis aos sistemas políticos de todas as épocas. Leia mais

Crítica

Foto: Ligia Jardim

MITsp honra marcos iniciais para ir longe

17 de março 2014 |
por Valmir Santos • São Paulo

Em seus intentos artísticos, políticos e reflexivos, a Mostra Internacional de Teatro, a MITsp, honrou os marcos lançados em sua primeira jornada de 11 dias e 11 espetáculos encerrada ontem. Restabeleceu o lugar de um evento desse porte na agenda cultural da cidade, fora da escala da indústria do entretenimento (em analogia ao Festival Internacional de Artes Cênicas, de Ruth Escobar, que cumpriu nove edições entre 1974 e 1999). Incitou o interesse do espectador pelo teatro de pesquisa. Sublinhou a mediação crítica em todos os quadrantes, por um espectador ativo. E abriu-se aos estudantes e docentes de artes cênicas na graduação e na pós, inclusive vindos de outras praças. Leia mais

Crítica

Foto: Frederico Pedrotti

Meios expressivos para o poético e o grotesco do humano

16 de março 2014 |
por admin

Sabe-se que cada forma implica um sistema de relações com o mundo, portanto, é também fundadora de sentidos. Assim, quando uma problemática como a da reelaboração artística de um passado político traumático assume formalizações muito distintas como em dois espetáculos presentes nesta Mostra Internacional de Teatro, as perspectivas do olhar apontam para abordagens éticas e efeitos distintos – sob certos aspectos, complementares. Leia mais

Crítica

Foto: Valentino Saldívar

Espaços para desconfiar do discurso

16 de março 2014 |
por admin

Até o torturador cria para si histórias que o convençam de que faz o bem. Dita quase com essas palavras em Escola, tal frase é indício da perspectiva complexa com a qual o diretor Guillermo Calderón aborda temas políticos em espetáculos como Villa+Discurso, apresentado no Brasil em 2011 e 2012, e este Escola que ora traz à MITsp. É preciso desconfiar dos discursos. Deles escapam contradições, que revelam a concorrência de forças sob a superfície de uma convicção. Leia mais

Crítica

Foto: Valentino Saldívar

O poder subversivo da contracultura formal

16 de março 2014 |
por Valmir Santos • São Paulo

Os procedimentos dramatúrgicos e cênicos de Guillermo Calderón em Escola combinam elementos épicos e dramáticos que potencializam uma teatralidade feita de sutilezas e impurezas nas angulações crítica e política em que se anuncia. Seu mote é um achado, e explosivo. Ao circunscrever o treinamento dos integrantes de uma guerrilha em tempos de ditadura militar, o espetáculo dá margem para pensar noções de ideologia e de engajamento à luz dos dias que correm, quando o espaço público retoma vocação para a ágora em que manifestantes se fazem escutar. Leia mais

Desenvolvido por: Reppublica