Menu

Publicações com a tag:

“Kil Abreu"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Kil Abreu"

Crítica

Mulheres fora da ordem

31.5.2018  |  por Kil Abreu

De Fassbinder a Ester Rios (ou de Ester Rios, fictícia autora de novelas, a Fassbinder), do folhetim televisivo à experiência viva do teatro, L, o musical é espetáculo que transita por muitos diferentes caminhos, arranjados em um chão comum pelo dramaturgo e diretor Sérgio Maggio. A peça trata de mulheres fora da ordem, do amor lésbico e da perspectiva trans. Leia mais

Crítica

A margem como centro

27.5.2018  |  por Kil Abreu

A noite de Ano-Novo, momento tomado pela maioria de nós como o espaço imaginário de uma passagem, pode perfeitamente ser vista como metáfora que ganha significados além dos usuais na nova montagem d’Os Satyros, O incrível mundo dos baldios. O espetáculo sintoniza de fato algo em plena transição que, no entanto, é mais que a mera mudança no calendário. Leia mais

Crítica

Minutos acesos no tempo

12.5.2018  |  por Kil Abreu

Existem ao menos duas frentes amplas e da maior importância no trabalho artístico audacioso da Trupe Sinhá Zózima, que há 11 anos concebe e apresenta seus espetáculos nos ônibus em trânsito pelas ruas de São Paulo, por vezes estacionados também. A primeira talvez seja mais evidente: a escolha política, o fazer do teatro um acontecimento não só rente ao cotidiano como, deliberadamente, próximo à vida de quem não o procura justo porque em geral precisa daquele tempo para ganhá-la. A decisão dos criadores, de permanecerem atuando nos seus lugares de classe de origem, se vista neste panorama de mais de uma década de militância já seria por si algo digno de admiração. Leia mais

Crítica

Circo, melodrama e afeto

24.3.2018  |  por Kil Abreu

Pagliacci, espetáculo que comemora os vinte anos da Cia. LaMínima, se avizinha, por força dos seus diferentes materiais, do teatro de variedades. Mas sem que com isso se perca um campo de pensamento bem delimitado, e suas questões. O projeto foi pensado pela companhia ainda na presença do saudoso Domingos Montagner, que não pôde vê-lo de pé. Leia mais

Crítica

Reino Unido, Gana, Jamaica. No ano de 2016 o embarque de artistas em navio cargueiro retoma uma das rotas pelas quais europeus negociavam homens e mulheres negros e negras escravizados. E deles faziam o motor vivo do que chamaram “a” civilização. Selina Thompson colocou seu corpo em rumo, na mesma rota marítima que também é um cemitério dos que foram por muitos motivos descartados no caminho. Leia mais

Crítica

Suíte nº2, o espetáculo de abertura da MITsp, é uma rapsódia teatral nos vários sentidos referidos pelo teórico francês Jean-Pierre Sarrazac quando trata das recorrências formais na cena contemporânea. A rapsódia é, como na concepção antiga, uma narrativa épica, ou seja, que tem interesse na vida social; ou um fragmento de poema. E é, em uma direção também muito próxima ao espetáculo dirigido por Joris Lacoste, uma das formas mais livres da música, com arranjos que surgem das possibilidades de ordenação sonora em acordo com as circunstâncias, temas e influências do momento. Leia mais

Artigo

Vau da Sarapalha é espetáculo do Piollin Grupo de Teatro. Estreou em 1992 em João Pessoa (PB), fez carreira internacional e foi apresentado em mais de 40 cidades.  É considerada ainda hoje uma das montagens mais importantes quanto a uma aproximação possível do universo de Guimarães Rosa no contexto da cena contemporânea. Esta aproximação, no entanto, tem menos a ver com o respeito aos termos da literatura enquanto tal e mais com a transfiguração, em ato artístico autônomo, da narrativa roseana. Leia mais