Menu

Publicações com a tag:

“Qorpo-Santo”

Crítica

Foto: Adriana Marchiori

O lugar de Qorpo-Santo no discurso crítico

10 de maio 2016 |
por Fábio Prikladnicki • Porto Alegre

A história da recepção crítica da obra de Qorpo-Santo tem sido a história de sua assimilação a um aparato teórico-poético estranho e anacrônico a ela. Desde sua redescoberta, cem anos após a publicação das peças, o autor gaúcho tem sido lido à luz de correntes europeias modernas, como o teatro do absurdo e o surrealismo, em uma estratégia discursiva que o aliena de seu país e de sua época. A reflexão é oportuna porque, neste 2016, são celebrados os 150 anos da dramaturgia de Qorpo-Santo (suas 17 peças, uma delas inconclusa, foram todas escritas entre janeiro e junho de 1866) e os 50 anos da primeira encenação de sua obra, com a histórica montagem do diretor Antônio Carlos de Sena, em 1966, para três textos (As relações naturais, Eu sou vida; eu não sou morte e Mateus e Mateusa) no Clube de Cultura, histórico reduto de esquerda localizado no bairro Bom Fim, em Porto Alegre[1]. Leia mais

Crítica

Foto: Fabiano Rocha

Fala, Qorpo-Santo!

26 de maio 2015 |
por Helena Carnieri • Curitiba

É um sopro de ar fresco um espetáculo como Amanhã sou outro, com suas cenas contemporâneas, rápidas, criativas, bem ensaiadas. Bom teatro [como se viu na temporada de estreia em Curitiba e, agora, nas três apresentações no Itaú Cultural, em São Paulo, sempre gratuitas]. Leia mais

Reportagem

Foto: Rosano Mauro Jr

Qorpo-Santo pop

29 de abril 2015 |
por Fábio Prikladnicki • Porto Alegre

Desde que foi redescoberto na década de 1960, um século depois de ter produzido sua obra, o dramaturgo e escritor gaúcho Qorpo-Santo (1829–1883) recebeu uma certa aura folclórica por ter sido considerado louco em seu tempo. Leia mais

Reportagem

Foto: Rosano Mauro Jr

Experimentalismo guia 5 solos e um Qorpo-Santo

31 de março 2015 |
por Helena Carnieri • Curitiba

O Festival de Teatro entra na segunda semana com experimentalismo. Na mostra principal, os monólogos Oe, Surfacing e Meu Saba prometem trazer visões artísticas únicas numa roupagem inovadora. A paralela Fringe, tradicionalmente um espaço dedicado a novas abordagens cênicas, traz sucessos da cena alternativa de 2014 e estreias. Há muitas peças vindo de fora e a Gazeta do Povo falará delas nos próximos dias. Leia mais

Reportagem

Foto: Martino Piccinini

O amante lítero-dramático

27 de janeiro 2015 |
por Fábio Prikladnicki • Porto Alegre

Passou praticamente despercebido o lançamento, em novembro de 2014, de um livro que recupera parte fundamental da história do Estado: o Dicionário de autores da literatura dramática do Rio Grande do Sul, com informações sobre dramaturgos que escreveram desde o século 19 e iluminam as principais questões políticas e sociais da época. Seu autor, o pesquisador Antenor Fischer, 55 anos, tem se debruçado há 12 anos sobre o tema em uma série de estudos de proporção sem precedentes. Até então, a dramaturgia ocupava um espaço periférico nas histórias da literatura, que costumam enfocar a prosa e a poesia. Leia mais

Reportagem

Foto: Martino Piccinini

Bufão do século XIX

06 de junho 2014 |
por Michele Rolim • Porto Alegre

Dramaturgo, poeta, jornalista, tipógrafo, gramático, louco… Essas são apenas algumas das atribuições dirigidas a José Joaquim de Campos Leão, vulgo Qorpo-Santo (1829-1883), como ele mesmo se intitulava. Para a diretora Inês Marocco, ele poderia ser definido como um bufão, “ele era uma figura visionária, à margem da sociedade e criadora de personagens grotescos, exatamente como um bufão”, relata ela, lembrando que Qorpo Santo viveu em uma Porto Alegre do século XIX. Leia mais

Entrevista

Foto: Carlos Reis

A crítica segundo Barbara Heliodora

05 de maio 2014 |
por Fábio Prikladnicki • Porto Alegre

Uma das maiores autoridades em Shakespeare no Brasil, tendo traduzido quase todas as suas peças exceto duas, Barbara Heliodora, 90 anos, recebeu a reportagem de Zero Hora em sua casa, no bairro Cosme Velho, no Rio. No final de 2013, a crítica teatral mais respeitada do país anunciou a aposentadoria do ofício que exercia há mais de 50 anos – os últimos 23 anos no jornal O Globo. Agora, passará a escrever críticas apenas ocasionalmente e se dedicará à tradução de textos para teatro. Nesta entrevista, ela fala sobre a recepção no Brasil da obra do grande autor inglês, que teve seus 450 anos de nascimento celebrados em 23 de abril. Leia mais

Desenvolvido por: Reppublica