Menu

Assine nossa newsletter

Folha de S.Paulo

Grupo cria fábula social de SP

24.1.2008  |  por Valmir Santos

São Paulo, quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

TEATRO 

Companhia Teatro de Narradores parte da “Odisséia” de Homero para chegar às formas de violência na cidade
 

“Um Dia de Ulysses” estréia amanhã no Espaço Maquinaria, sede do coletivo ligado a movimentos de moradia e dos sem-terra

VALMIR SANTOS
Da Reportagem Local 

Uma peculiaridade do teatro de grupo em São Paulo é a vocação para pensar a cidade em cena. É o que move a Companhia Teatro de Narradores em “Um Dia de Ulysses”, que funde histórias e figuras envolvidas em tensões sociais, políticas e existenciais sob o pano de fundo de um toque de recolher de criminosos à la PCC (Primeiro Comando da Capital). 

Um morador de cortiço, uma prostituta, um travesti, uma cineasta, um ator e uma militante sem-teto têm suas trajetórias embaralhadas no espetáculo que estréia amanhã, aniversário de São Paulo, no Espaço Maquinaria, sede da companhia na Bela Vista. 

A idéia da viagem como organização da experiência, do aprendizado, como exposta na “Odisséia”, poema épico de Homero, motiva os Narradores desde 2005. O processo foi transformado e contaminado pelas cenas de intervenções do grupo junto a movimentos sociais como o de moradia do centro (MMC) e o dos sem-terra (MST). Os artistas chegaram a contracenar com a reintegração de um prédio na rua do Ouvidor, na região da Sé, e a desapropriação de outro, na Casa do Politécnico da USP (Cadopô), no Bom Retiro. 

“Não é uma adaptação da “Odisséia” nem uma transcriação documental do material que a gente levantou. É, sim, uma tentativa de organizar essas referências numa fábula”, diz o diretor, José Fernando de Azevedo, 33. 

Uma fábula bastante difusa, segundo ele, por meio da qual o espectador acompanha pequenas histórias do centro da cidade. É o caso do homem que volta ao cortiço onde morou dez anos antes e se depara com um shopping. “A questão do regresso é marcante. O sujeito volta a seu lugar para rever sua Penélope, sua São Paulo”, afirma a atriz Barbara Araujo, 30, numa referência a Ulysses, guerreiro grego que volta a Ítaca após a destruição de Tróia. 

Desenham-se ainda as trajetórias da prostituta e do travesti, com os respectivos filhos no encalço; a militante por moradia que vira tema de documentário; a cineasta pequeno-burguesa que é questionada sobre sua imersão; e o ator que enfrenta impasse com os colegas, que não conseguem levantar um espetáculo. 

Aqui, diz Azevedo, ocorrem citações a “Um Grito Parado no Ar”, de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006). Trata-se de exercício de “metateatro” no qual a equipe não consegue deslanchar nos ensaios para uma montagem na época da ditadura. De certa forma, a idéia espelha dilemas e obstáculos dos próprios Narradores, que completam dez anos. 

As apresentações acontecem numa sala do Maquinaria com capacidade para 40 pessoas. O espaço cenográfico (por Cristiane Cortilio) sugere uma área em construção, entre madeirites e uma janela, por meio da qual é possível espiar a cidade.



Peça: Um dia de Ulysses 
Onde: Espaço Maquinaria (r. Treze de Maio, 240, tel. 0/xx/11/3259-7580) 
Quando: estréia amanhã; sex., sáb. e dom., às 20h. Até maio 
Quanto: R$ 10
 

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados