Menu

Resenha

Resenha

Resenha

O homem que empresta voz a personagens do teatro, cinema e televisão é o mesmo que confere a um jornalista a honrosa missão de ajudá-lo a dar corpo à autobiografia Sérgio Mamberti: senhor do meu tempo, coescrita por Dirceu Alves Jr, em lançamento das Edições Sesc São Paulo. A atitude tem a ver com o caráter gregário do ator e gestor cultural praticante de uma espécie de primeira pessoa povoada. Desde os passos iniciais amadores em Santos (SP), filho de professora primária e de diretor de clube social, ele sabe que flexionar os verbos decidir e deliberar, com liberdade, é tarefa para pessoas responsáveis, seja dentro ou fora da cena. Aos 65 anos de ofício e 82 anos de vida – a placidez da face é fiel da balança –, está a colher mais acertos que tombos no exercício contínuo do livre-arbítrio em duas frentes cidadãs: a da arte e a da política, ambas com a mesma ética pública e amorosa empenhada nos casamentos, filhos e amizades. Longe da hagiologia, expõe-se as feridas e as cicatrizes nessas páginas.

Leia mais

Resenha

As primeiras páginas da biografia da atriz e produtora Ruth Escobar (1935-2017) remetem a traumas infantojuvenis que moldaram sua personalidade, como a própria reconheceria mais tarde. Aos 4 anos, fora diagnosticada com alopecia, a perda temporária de pelos ou cabelos que, no seu caso, passou a definitiva aos 28 anos. Perucas, portanto, tornaram-se aliadas na manutenção da autoestima. Por volta dos 14 anos, a estudante secundarista soube que o pai, figura já pouco presente em casa, na cidade do Porto, na verdade era o “padrasto”, amante da mãe. A menina chegou a conhecer o pai biológico, mas este a recusou. Como a história veio a público, uma “vergonha ancestral”, convenceu a mãe, Marília do Carmo Santos, a emigrar para o Brasil, no encalço de uma tia residente em São Paulo. Ambas desembarcaram no Porto de Santos em 1951. Maria Ruth dos Santos, a filha, contava 16 anos.

Leia mais

Resenha

Era para acontecer hoje a 37ª edição do Encontro com Espectadores – ação do Teatrojornal que se configura como uma conversa entre artistas, críticos e público sobre um espetáculo previamente escolhido. O solo Uma frase para minha mãe, da atriz Ana Kfouri estaria em foco inaugurando um novo calendário: neste ano os encontros voltam a se dar nas noites segunda-feira, sempre a última do mês, em lugar das tardes de domingo, como vinha ocorrendo desde 2018, quando o evento passou a ser apoiado pelo Itaú Cultural.

Leia mais

Resenha

Tchékhov rastreado

12.3.2019  |  por Beth Néspoli

Toda obra de arte é uma virtualidade que só se concretiza no encontro com seu público, afirmam os teóricos da recepção. Seu valor é fruto de uma espécie de negociação envolvendo a matéria moldada pelo autor e o chamado horizonte de expectativa, conceito definido como a soma de experiências e conhecimentos éticos e estéticos acumulados em determinado tempo histórico que, atuando sobre as subjetividades, são investidos na interação com a arte. Leia mais

Crítica Militante

O corpo transpassado pela experiência humana, posto como suporte político para o discurso sobre identidade de gênero, faz o ator Silvero Pereira se transmutar. No palco, o cearense, um dos fundadores do Coletivo As Travestidas, transita entre ele e seu alter ego, a travesti Gisele Almodóvar. Transita pelas duas identidades que, na verdade, se fundem em uma só, escritas em gestos e ditas em voz amplificadores de um teatro documental e militante. Leia mais

Crítica Militante

É difícil definir a dança butô, que nasceu no Japão nos anos 1950 e recebeu influências do pensamento artístico ocidental e oriental, inclusive com forte trânsito pelo teatro.  Defini-la, como afirma a estudiosa Maura Baiocchi, talvez seja uma preocupação dos ocidentais mais especificamente. A palavra butô em japonês é formada por dois ideogramas: bu (dança) e to (passo).  Leia mais

Crítica Militante

Durante muito tempo, acreditou-se que a história da dramaturgia produzida no Rio Grande do Sul foi protagonizada por um punhado de nomes esparsos no tempo, como Araújo Porto Alegre (1806-1890), Qorpo-Santo (1829-1883), Álvaro Moreyra (1888-1964), Ivo Bender (1936), Carlos Carvalho (1939-1985) e Vera Karam (1959-2003). Destes, Qorpo-Santo, Moreyra e Carvalho hoje emprestam seus nomes a salas de espetáculo em Porto Alegre, mas não parece haver um continuum entre eles. É nesse contexto que a monumental Antologia da literatura dramática do Rio Grande do Sul (Século XIX), obra em oito volumes escrita pelo pesquisador Antenor Fischer, vem derrubar alguns mitos. Leia mais