Menu

Assine nossa newsletter

Folha de S.Paulo

Peça vai do amoroso até o amargo

14.5.2008  |  por Valmir Santos

São Paulo, quarta-feira, 14 de maio de 2008

TEATRO

“Amaro”, drama do ator e autor Luciano Schwab, que contracenou com Paulo Autran em “O Avarento”, estréia hoje em SP
Espetáculo mostra nuanças da vida amorosa em sete cenas curtas sobre queixas, despedidas e vazios de um relacionamento

“Amaro”, drama do ator e autor Luciano Schwab, que contracenou com Paulo Autran em “O Avarento”, estréia hoje em SP

Espetáculo mostra nuanças da vida amorosa em sete cenas curtas sobre queixas, despedidas e vazios de um relacionamento 

VALMIR SANTOS
Da Reportagem Local 

“Amaro” é um termo para representar uma variação de estado -amoroso para o amargo- a que pode sucumbir uma relação. Pelo menos é assim segundo a peça que estréia hoje no Viga Espaço Cênico. Ator que contracenou com Paulo Autran (1922-2007) em sua derradeira produção, “O Avarento”, Luciano Schwab, 34, produziu e escreveu o drama que, segundo ele, tem lá sua pitada de humor. 
 
“Amaro” expõe nuanças da vida a dois em sete tempos, sete cenas de diálogos curtos sobre queixumes, despedidas e vazios. “É uma pequena coletânea de imagens e situações cotidianas que evocam um lado mais amargo do universo amoroso”, diz Schwab, que assume os papéis masculinos, enquanto Ingrid Souza, 32, faz os femininos. Ambos vêm da Escola de Arte Dramática da USP. 
 
“A dramaturgia é feita de uma costura de imagens muitas vezes simbólicas. Na verdade, é um espetáculo bastante sensorial. Existe uma forte linguagem corporal, quase um teatro-dança em alguns momentos”, diz o ator-autor. 
 
O texto cita fragmentos de “A Voz Humana”, de Jean Cocteau, quando a relação está por um fio, e de “A Raiz do Grito”, de Alcione Araújo. Einat Falbel assina preparação corporal e assistência de direção. 



Peça: Amaro
Quando: estréia hoje; sempre qua., às 21h; até 4/6 
Onde: Viga Espaço Cênico (r. Capote Valente, 1.323, Pinheiros, tel. 3801-1843; classificação: 14 anos) 

Quanto: R$ 20 

 

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados