Menu

Assine nossa newsletter

Nota

Cia. Teatro do Incêndio demarca nova sede em SP

22.5.2014  |  por Teatrojornal

Aos 18 anos, completados neste 2014, a Cia. Teatro do Incêndio luta por demarcar território em São Paulo. Poucos meses após fechar as portas de sua primeira sede, “por conta do alto valor do aluguel, já que não conta com nenhum subsídio governamental no momento”, nas palavras do ator, diretor e dramaturgo Marcelo Marcus Fonseca, reencontra esperanças e condições mínimas para abrir nova casa, dessa vez no número 1.219 da rua da Consolação, em frente ao teatro Comunne e ao lado do Ateliê Compartilhado Casa Amarela, este fruto do Movimento de Ocupação de Espaços Ociosos.

Trata-se de um galpão, projetado inicialmente em uma arena total. Abriu na noite da Virada Cultural, no fim de semana, com duas apresentações de São Paulo surrealista, além de intervenções, bloco carnavalesco, poesia e performance.

“Por ano recebemos cerca de 20 jovens, que encontram no grupo um lugar para exercitar sua vocação”, diz Fonseca. “É um espaço de pesquisa e formação, sobretudo de experimentação em todos os sentidos.”

Cena da obra que consome e é consumida pela cidade

Montagem de 2012 assinada por Fonseca, São Paulo surrealista segue em temporada aos sábados e domingos. Em paralelo, o grupo ensaia Pano de boca, de Fauzi Arap (1938-2013).

Em um altar com um “grande tamanduá humano”, Alfred Jarry recebe os espectadores ao som de um mantra de Rimbaud entoado pelos atores. Da barriga do tamanduá surge o rio Tietê, que leva a plateia até uma banca de jornal com notícias poéticas e caóticas da cidade.

Baco, de férias, vem para São Paulo e invoca Mário de Andrade e Roberto Piva para um diálogo contra a homofobia. Baco, Apolo e Calíope geram Orfeu da Consolação, que, com seu cavaquinho, recebe André Breton e Pagu na cidade de São Paulo para percorrem juntos os “nove círculos do inferno da cidade”, numa alusão à Divina comédia, de Dante Alighieri, passando pelos centros financeiros, culturais, marginais e encontrando personagens tanto do surrealismo quanto da metrópole.

E não é só nesse banquete de forte apelo visual e sensorial. Numa roda de samba, surge Salvador Dalí. Antonin Artaud vem ensinar para Breton quem é Nelson Rodrigues, numa referência ao rompimento dos dois primeiros, reconciliados em São Paulo por meio das artes cênicas. Pagu conduz o autor francês até uma escola de samba que toca Villa-Lobos.

A Cia. Teatro do Incêndio pretende que o espetáculo traduza para o espectador o espírito do surrealismo através da expressão do seu comportamento nas ruas e das suas relações com a urbe.

Onde: Teatro do Incêndio (Rua da Consolação, 1.219, São Paulo, tel. 11 2609-3730 ou 9 8328-6358)
Quando: Sábado, às 21h, e domingo, às 19h. Até 7/9.
Quanto: R$ 30.

Fonseca fundou a Cia. Teatro do Incêndio em 1996

Ficha técnica:
Texto: Cia. Teatro do Incêndio
Direção e dramaturgia: Marcelo Marcus Fonseca
Direção musical: Wanderley Martins
Composições originais: Marcelo Marcus Fonseca e Wanderley Martins
Com: Wanderley Martins, Marcelo Marcus Fonseca, Sergio Ricardo, CaitiHauck, Gabriela Morato, Vlad Rocha, Flavio Kage, Priscilla Lima, Camila Bertani, Caio Franco, Ana Cecília Moretto, Valcrez Siqueira, Guilherme Valente Dias, Luiz Castro, Diogo Cintra, Elena Vago, Gustavo Oliveira, Viviane Monteiro e Victor Dallmann
Fotos: Marcos Lobo

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados