Menu

Assine nossa newsletter

Reportagem

Copi “transbarroco”

30.6.2015  |  por Mateus Araújo

Foto de capa: Caíque Cunha

Copi foi insubmisso. Desses que não se regram – literalmente, era sinônimo da desconstrução. Entre suas maquiagens extravagantes, seus vestidos escandalosos e gestual tão intrínseco fez de si a melhor definição da sua própria classificação: o ator-travesti. O autor-travesti, o dramaturgo-travesti, o cartunista-travesti. A travesti tão necessária, em tempos de discussão de gênero, e que, aos poucos, vai saindo do “armário” brasileiro para ser conhecido de maneira merecida por um País onde refletir sobre transexualidade ainda é guerra.

Raul Taborda Damonte (1939-1987), Copi, nasceu na Argentina, mas viveu exilado em Paris, onde morreu em decorrência da Aids. Dono de um teatro barroco, como define a pesquisadora da estética do artista, a pernambucana Renata Pimentel, o autor argentino instiga, com sua obra, a quebra de verdades estabelecidas, mas com um senso de humor e um rigor humano muito grande, no entendimento de Renata.

“Ele coloca luz num problema que é o respeito à diversidade humana – não só com relação à homossexualidade, mas do direito ao corpo, as relações humanas, o amor como ação política, o corpo como território político de marca – inclusive das transgressões”, avalia a pesquisadora.

Mais uma vez, o prefixo trans, que é a ideia de diversos mundos que se intercambiam

Pioneira no Brasil na pesquisa sobre Copi, Renata Pimentel é também responsável pela tradução para o português de três peças do dramaturgo: As quatro gêmeas, Uma visita inoportuna e O homossexual ou A dificuldade de se expressar – esta, atualmente sendo ensaiada pelo Coletivo Angu de Teatro, com assessoria da pesquisadora.

“Copi discute gênero como uma questão cultural. Ele faz isso na prática, com humor tremendo e provocando um riso político muito forte”, avalia Renata. “Ele fez, nas décadas de 1960 a 1980, o que fazem nos anos 2000 e 2010 grande parte de teóricos de gênero, corpo e cultura. Por exemplo: a capacidade de prospectar do corpo.”

A pernambucana, autora do livro Copi – Transgressão e escrita transformista (2011) e atualmente dedicada a um romance biográfico do iconoclasta, define a produção do argentino como um teatro “transbarroco”: “Mais uma vez, o prefixo trans, que é a ideia de diversos mundos que se intercambiam”, assinala. Para Renata, a arte de Copi traz “um universo coletivo e traços que são linhas de fuga”.

“Além disso, ele tinha a capacidade de síntese – desenhava (como cartunista) com tão poucas linhas, mas, ao mesmo tempo, expandia os seus questionamentos do desenho para a escrita: uma obra complementa a outra.”

No seu teatro, Copi traz jogos de imagens, desconstruções de regras e conformidades, máscaras, inúmeras possibilidades de leituras – a transgressão na própria escrita – e a “aparência-verdade”, resumida por Renata, no seu livro, como “o teatro dentro do teatro”.

Em tempos de discussão calorosa sobre o espaço da transexualidade na sociedade brasileira, a obra de Copi é mais uma arma a favor da liberdade de gênero. “Estamos vivendo tempos sombrios. É um momento de um discurso fundamentalista de negação absurda – até à palavra ‘gênero’. (No Brasil) Se quer naturalizar uma construção de gênero”, contextualiza a pesquisadora. “Acho cada vez mais fundamental esse lugar da arte de questionar, sobretudo o teatro. É a força política da arte.”

Raul Taborda Damonte (1939-87), CopiUlf Andersen

Raul Taborda Damonte (1939-87), Copi

Aos poucos, o teatro de Copi vai sendo montado no País. No Rio de Janeiro, no Sesc Copacabana, acontece, até 5 de julho, a Ocupação Copi, com duas peças, um debate e uma oficina sobre o universo teatral do argentino.

Na ocupação, o Teatro de Extremos apresenta a peça O homossexual ou A dificuldade de se expressar, até então inédita no Brasil. Já o encenador Thomas Quillardet e o ator Márcio Vito encenam o monólogo A geladeira, visto em 2007, em Curitiba, Salvador e no Rio de Janeiro.

“Copi é um nome ainda obscuro, e está na genialidade, como Beckett. Além disso, ele tem muito a ver com o momento político que estamos vivendo, quando o conservadorismo bota suas garras de fora, e um discurso de liberdade como o de Copi precisa ter um lugar privilegiado”, diz o diretor e ator Fabiano de Freitas, do Teatro de Extremos.

Durante a programação, também é oferecida uma oficina sobre a ideia de “ator-travesti” defendida por Copi. “É uma desconstrução desse ator que ele se autointitula. É um pensamento mais amplo, um ator sempre pronto para mudança de pele. Ele dominava muito os jogos teatrais, que colocavam o ator nesse nível de mutação. O ator-travesti rompe com a visão binária de homem que se veste de mulher e mulher que veste de homem. É o tirar dessa carapaça que a sociedade impõe, afirmando um jogo livre. Copi é repleto de liberdade”, pontua Freitas.

.:. Publicado originalmente no Jornal do Commercio, Caderno C, em 24/6/2015.

.:. Leia mais sobre a literatura de Copi na análise do jornalista Diogo Guedes, aqui.

Márcio Vito em 'A geladeira', do RioCaíque Cunha

Márcio Vito em ‘A geladeira’, do Rio

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados