Menu

Folha de S.Paulo

Bortolotto faz garota “cair na vida”

3.3.2005  |  por Valmir Santos

São Paulo, quinta-feira, 03 de março de 2005

TEATRO
Estréia amanhã peça sobre jovem de 20 anos que sai da clausura dos pais

VALMIR SANTOS
Da Reportagem Local 

Sacha é uma garota de 20 anos. Rica, mimada e introvertida, ela nasceu por meio de inseminação artificial (qualquer semelhança com a filha de celebridades televisivas é mera coincidência). Os pais lhe dão tudo o que o dinheiro pode, menos o que ela precisa. Sacha foge de casa e “cai na vida”.

“O texto é premonitório”, diz o diretor Paulo Fabiano, 44, em tom de brincadeira, sobre “Fuck You, Baby”, a peça que o paranaense Mário Bortolotto escreveu em 1988. A montagem da cia. Teatro X estréia amanhã, no espaço homônimo da praça Franklin Roosevelt, em São Paulo.

Na viagem de iniciação pelo mundo pós-clausura, Sacha (interpretada por Olívia Leão) atravessa situações que expõem comportamentos e atitudes sociais “deformadas”, segundo Fabiano.

Num templo de pregadores, tromba de uma vez só com Calvino, Charles Manson e uma “devota” de pombajira. Conhece o discurso único de poder do patrão numa fábrica. Cai de pára-quedas no palco de uma boate de striptease. É abusada. Vai parar na cela de uma delegacia. E finalmente reencontra Sacha Pai e Sacha Mãe, que não a reconhecem porque nunca lhe puseram os olhos, de tão ensimesmados que são.

Segundo um DJ-narrador na peça, “Sacha pulou a janela do seu bunker como um Colombo contemporâneo de saias, um Salomão pós-moderno, e o que ela vê já não surpreende mais”.

Influências
“Sacha é uma personagem demasiadamente humana, cuja ingenuidade revela os vícios sociais”, diz Fabiano, que, na encenação, incorpora citações do texto aos universos do cartum e dos filmes B.

Essa “descoberta do mundo” por Sacha encaixa-se no projeto “Olhares Urbanos” da Cia. Teatro X. Antes de “Fuck You, Baby”, o grupo encenou “Caminhador” (2004), de Gerson Steves. Os próximos dramaturgos a serem montados são Celso Cruz, Claudia Vasconcellos e Rubens Rewald.

“O projeto traz à cena espetáculos que, independentemente de gênero ou forma, buscam refletir os efeitos da sociedade de consumo sobre o indivíduo, num ambiente urbano, caótico e violento. Não só a violência das balas mas também a do desprezo, desrespeito e alienação”, diz o diretor da companhia, criada há sete anos.

Na mesma praça Roosevelt, Mário Bortolotto e o grupo Cemitério de Automóveis estão em cartaz com “O que Restou do Sagrado”, nas noites de segunda e terça, no Espaço dos Satyros.



Fuck You, Baby
Texto:
Mário Bortolotto 
Direção: Paulo Fabiano 
Com: Cia. Teatro X (Eduardo Chagas, Lígia Botelho, Olívia Leão, Fábio Espósito, Ailton Rosa, Simone Rebeque, Tamayo Nazarian, Antônio Carlos de Niggro e Chico Lobo) 
Onde: teatro X (praça Franklin Roosevelt, 124, Consolação, SP, tel. 0/ xx/11/3255-2829) 
Quando: estréia amanhã, às 21h; em cartaz de sex. e sáb., às 21h; e dom., às 20h; até 29/5 
Quanto: R$ 15

Jornalista e crítico fundador do site Teatrojornal – Leituras de Cena, em 2010. Escreveu em publicações como Folha de S.Paulo, Valor Econômico, Bravo! e O Diário, de Mogi das Cruzes. Autor de livros ou capítulos no campo teatral. Colaborador em curadorias ou consultorias para mostras, festivais ou enciclopédias. Doutorando em artes cênicas pela Universidade de São Paulo, onde cursou mestrado na mesma área.

Relacionados