Menu

Publicações com a tag:

“Alex Gruli"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Alex Gruli"

Encontro com Espectadores

Ao revisitar o universo das radionovelas, o espetáculo Caros ouvintes alinhou entretenimento e reflexão sobre as transformações nas plataformas de difusão a partir de meados do século XX – do rádio para a TV – e problematizou o tom reacionário de como elas foram recebidas nos campos da política e dos costumes por parte da sociedade brasileira. A ação se passa em 1968, sob ditadura civil-militar. As abordagens que se revelam atuais estimulam a pensar ainda a respeito da construção de presença na relação dos artistas com o público. Ontem, pelas ondas radiofônicas. Hoje, sob o imperativo da internet, para a qual convergem os conteúdos da televisão e do cinema, ainda mais prevalente no contexto da pandemia. A 33ª edição do Encontro com Espectadores foi pontuada por assuntos como estes ao receber o autor e diretor Otávio Martins e o ator Dalton Vigh. Eles conversaram com o público em 29 de setembro de 2019, na sala Vermelha do Itaú Cultural, sob mediação da jornalista Beth Néspoli. As participações da atriz Agnes Zuliani e do ator Alex Gruli ampliaram as leituras a propósito da criação que estreou em 2014 e cumpriu diversas temporadas desde então, sendo a mais recente, no Teatro Vivo, interrompida em março pela Covid-19.

Leia mais

Crítica

Quando estreou, em 2014, Caros ouvintes era uma peça que falava do passado. Na obra, escrita e dirigida por Otávio Martins, apareciam em destaque personagens de um mundo às vias de extinção. No fim dos anos 1960, enquanto o Brasil assistia ao acirramento da ditadura militar, crescia o poderio das redes de televisão e chegava ao fim a era das rádios. Cantores, sonoplastas, dubladores, operadores de som e atores das radionovelas perdiam seus empregos e buscavam se recolocar em um mundo transformado.

Leia mais

Reportagem

A incomunicabilidade tornou-se tema recorrente no teatro contemporâneo. Opus para 12 vozes humanas, nova peça do dramaturgo Sérgio Roveri, segue a corrente e mergulha nessa problemática. Também investiga a incapacidade de se relacionar com um interlocutor nos dias que correm. Mas o faz de maneira peculiar. “Não adiantaria comunicar a incomunicabilidade. Era preciso criar uma obra que fosse, em essência, incomunicável”, comenta o diretor, José Roberto Jardim. Leia mais

https://teatrojornal.com.br/feed/