Menu

Publicações com a tag:

“Meyerhold"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Meyerhold"

Crítica

Em se tratando de uma criação que vem de Moscou, a primeira cena do espetáculo Opus nº 7 – a transformação de uma trabalhadora em cantora lírica – pode ser lida como síntese de um período privilegiado na história da humanidade, transcorrido nos anos seguintes à revolução bolchevique de 1917, quando a utopia de uma nova sociedade pareceu possível. Bastaria o empenho de mãos humanas dispostas ao trabalho criativo para alterar a matéria do mundo. Tal pensamento, e suas implicações, parece fundar a linguagem do diretor russo Dmitry Krymov, cenógrafo e artista gráfico cuja encenação se constitui como um embate dos atores com os objetos cênicos. Sua poética privilegia imagem e música – aspecto que facilita e intensifica a experiência de interação da plateia brasileira, liberada da leitura de legendas a maior parte do tempo. A técnica de animação de objetos faz tudo parecer possível sob as luzes da ribalta. Mas não é bem assim. Para além do espaço iluminado da cena há uma zona escura e invisível, mas não inativa. Dali também tudo pode vir. Leia mais

Reportagem

De repente, um romeno se torna o autor mais popular do teatro brasileiro. Há um ano, Matéi Visniec era praticamente um desconhecido no País. A recente edição de suas obras em português, porém, parece ter despertado um séquito de interessados em sua dramaturgia. Durante o Festival de Curitiba, a maior vitrine das artes cênicas nacionais, o escritor merece duas montagens: 2 x Matei, dirigida por Gilberto Gawronski, e Espelho para cegos, versão de Marcio Meirelles. Em São Paulo, a tônica não é diferente. Estreia na cidade História do comunismo contada aos doentes mentais, com encenação de Miguel Hernandez e André Abujamra. Leia mais

Entrevista

O pensamento articulado baliza os 21 livros publicados até o ano passado e traduzidos em várias línguas, descontadas as dezenas de ensaios e entrevistas. A presença e a palavra de Eugenio Barba, 76 anos, despertam interesse não só dos que participamos da Odin Week Festival, em agosto de 2012. Mas de qualquer estudante ou profissional das artes cênicas que passou pelo século XX ou está a bordo do século XXI.

Seu carisma combina com uma tensão permanente, um periscópio atento a cada encontro. O colete meticuloso e as sandálias franciscanas, clássicos de seu guarda-roupa, corroboram certa mística em torno da arte e das ideias semeadas desde a formação do Odin Teatret, em 1964. Leia mais