Menu

Assine nossa newsletter

Folha de S.Paulo

Rio vê a cenografia de Svoboda

13.10.2005  |  por Valmir Santos

São Paulo, quinta-feira, 13 de outubro de 2005

TEATRO 

VALMIR SANTOS
Do Enviado ao Rio

Publicações dedicadas ao teatro contemporâneo ganharam novas edições no fim de 2005 e neste começo de ano no Rio, em São Paulo e em Belo Horizonte.
Iniciativa do grupo carioca Teatro do Pequeno Gesto, a revista “Folhetim” nº 22 é dedicada ao projeto “Convite à Politika!”, organizado ao longo do ano passado. Entre os ensaios, está “Teatro e Identidade Coletiva; Teatro e Interculturalidade”, do francês Jean-Jacques Alcandre. Trata da importância dessa arte tanto no processo histórico de formação dos Estados nacionais quanto no interior de grupos sociais que põem à prova sua capacidade de convivência e mestiçagem.
Na seção de entrevista, “Folhetim” destaca o diretor baiano Marcio Meirelles, do Bando de Teatro Olodum e do Teatro Vila Velha, em Salvador.
O grupo paulistano Folias d’Arte circula o sétimo “Caderno do Folias”. Dedica cerca de 75% de suas páginas ao debate “Política Cultural & Cultura Política”, realizado em maio passado no galpão-sede em Santa Cecília.
Participaram do encontro a pesquisadora Iná Camargo Costa (USP), os diretores Luís Carlos Moreira (Engenho Teatral) e Roberto Lage (Ágora) e o ator e palhaço Hugo Possolo (Parlapatões). A mediação do dramaturgo Reinaldo Maia e da atriz Renata Zhaneta, ambos do Folias.
Em meados de dezembro, na seqüência do 2º Redemoinho (Rede Brasileira de Espaços de Criação, Compartilhamento e Pesquisa Teatral), o centro cultural Galpão Cine Horto, braço do grupo Galpão em Belo Horizonte, lançou a segunda edição da sua revista de teatro, “Subtexto”.
A publicação reúne textos sobre o processo de criação de três espetáculos: “Antígona”, que o Centro de Pesquisa Teatral (CPT) estreou em maio no Sesc Anchieta; “Um Homem É um Homem”, encenação de Paulo José para o próprio Galpão, que estreou em outubro na capital mineira; e “BR3”, do grupo Teatro da Vertigem, cuja previsão de estréia é em fevereiro.
Essas publicações, somadas a outras como “Sala Preta” (ECA-USP), “Camarim” (Cooperativa Paulista de Teatro”) e “O Sarrafo” (projeto coletivo de 16 grupos de São Paulo) funcionam como plataformas de reflexão e documentação sobre sua época.
Todas vêm à luz com muito custo, daí a periodicidade bamba. Custo não só material, diga-se, mas de esforço de alguns de seus fazedores em fomentar o exercício crítico, a maturação das idéias e a conseqüente conversão para o papel -uma trajetória de fôlego que chama o público para o antes e o depois do que vê em cena.
Folhetim nº 22
Quanto: R$ 10 a R$ 12 (114 págs)
Mais informações: Teatro do Pequeno Gesto (tel. 0/xx/21/2205-0671; www.pequenogesto.com.br)
Caderno do Folias
Quanto: R$ 10 (66 págs)
Mais informações: Galpão do Folias (tel. 0/xx/11/3361-2223; www.galpaodofolias.com)
Subtexto
Quanto: grátis (94 págs; pedidos por e-mail: cinehorto@grupogalpao.com.br)
Mais informações: Galpão Cine Horto (tel. 0/xx/31/3481-5580; www.grupogalpao.com.br)

Três anos após ter sido revelado para o mundo na Expo 58, em Bruxelas, o tcheco Josef Svoboda participou da Bienal de São Paulo, onde foi premiado por suas instalações inovadoras na apropriação de recursos tecnológicos.

Conceitos como a “lanterna mágica” (com projeções de espelhos) e o “poliécran” (representação audiovisual com colagem de imagens projetadas em múltiplas telas) instauraram uma relação entre artes cênicas e tecnologia.

Um alentado panorama da trajetória de Svoboda (1920-2002) pode ser conferido até o final do mês na Mostra Tcheca, dentro do 6º riocenacontemporânea.

São três andares com referências a boa parte de suas criações para cerca de 700 espetáculos em vários países, invariavelmente aliando técnicas de cinema às do teatro. São mais de 50 itens, incluindo fotos, esboços, maquetes, além de exibição de vídeos.
A curadora Helena Albertová, 64, que conviveu com o artista desde os anos 80, também prepara um livro para documentar todas as produções do cenógrafo.



O jornalista 
Valmir Santos viajou a convite do festival 

Mostra Tcheca
Quando:
 ter. a dom., das 11h às 20h. Até 31/10 
Onde: Centro Cultural Telemar (r. 2 de Dezembro, 63, Flamengo, Rio, tel. 0/xx/ 21/3131-3060) 
Quanto: entrada franca 

Valmir Santos

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados