Menu

Folha de S.Paulo

SP acolhe novelas e peças de Pirandello

8.4.2008  |  por Valmir Santos

São Paulo, terça-feira, 08 de abril de 2008

TEATRO 

Cacá Carvalho reestréia “Homem com a Flor na Boca” e “A Poltrona Escura’; cias. Linhas Aéreas e Atelier de Manufactura exibem inéditas
Teatro Sérgio Cardoso recebe os dois grupos, com a recém-estreada “Como Você Me Quer” e com “Cada um a Seu Modo”, prevista para 17/4

Cacá Carvalho reestréia “Homem com a Flor na Boca” e “A Poltrona Escura’; cias. Linhas Aéreas e Atelier de Manufactura exibem inéditas

Teatro Sérgio Cardoso recebe os dois grupos, com a recém-estreada “Como Você Me Quer” e com “Cada um a Seu Modo”, prevista para 17/4 

VALMIR SANTOS
Da Reportagem Local 

Os palcos de São Paulo experimentam noites pirandellianas. São montagens que jogam luz sobre as novelas de Luigi Pirandello (1867-1936) e traduzem em cena o quanto essas narrativas curtas retroalimentavam a dramaturgia do criador do clássico “Seis Personagens em Busca de um Autor”.
 
Um dos artistas que ampliou o horizonte literário de Pirandello, o ator paraense Cacá Carvalho, 54, reapresenta “O Homem com a Flor na Boca” (1993), de hoje a quinta, e “A Poltrona Escura” (2003), dias 15/4 e 16/4, sempre no teatro Sesc Anchieta.
São solos integrados ao projeto “3xPirandello/ 3xCacá Carvalho”, a ser concluído com a leitura dramática de “A Destruição do Homem”, em 17/4. Tratam de personagens que espelham a condição humana de forma cruel ou lírica: a iminência da morte, a solidão progressiva, o prazer inconfessável, o instinto assassino.
 
“Em suas novelas, Pirandello parece dizer: “Eu te amo, olha o que você está fazendo com a sua vida”. Ama docemente e, ao mesmo tempo, quase agride, sacudindo o leitor ou o espectador sem passar a mão na cabeça”, diz Carvalho, sempre dirigido pelo italiano Roberto Bacci. É a primeira vez que o ator pisa o palco do Sesc Anchieta.
 
A face dramatúrgica de Pirandello surge em mais um fruto da parceria das cias. Linhas Aéreas e Atelier de Manufactura Suspeita. São duas peças inéditas: “Como Você Me Quer”, que estreou na semana passada, e “Cada um a Seu Modo”, prevista para 17/4, ambas no teatro Sérgio Cardoso.

Explorar limites 
O diretor Mauricio Paroni de Castro vê em Pirandello um aliado para explorar limites entre ficção, realidade e jogo de papéis.
Todo o elenco reveza a interpretação da mulher de vida dupla em “Como Você Me Quer”, que expõe os dilemas da identidade, as aparências e as verdades relativas que caracterizam a obra do autor.
 
“Nossa idéia para compor essa personagem foi de respeitar a característica de coletivo. Em vez de ter uma atriz protagonista que a interprete do início ao fim, dividimos a interpretação entre todo o elenco -inclusive os homens”, afirma Paroni de Castro.
 
“Cada um a Seu Modo” narra uma história supostamente baseada em fatos verídicos: o suicídio de um artista plástico que flagrou a noiva na cama com futuro cunhado.
 
É o terceiro trabalho conjunto da Linhas Aéreas com a Atelier de Manufactura. A intenção é aprofundar a pesquisa sobre dramaturgia que os dois grupos realizam desde “Aqui Ninguém É Inocente” (2006). O novo projeto foi contemplado com recursos de dois prêmios de apoio à cultura, o Myriam Muniz (federal) e o PAC (estadual).

 

Jornalista e crítico fundador do site Teatrojornal – Leituras de Cena, em 2010. Escreveu em publicações como Folha de S.Paulo, Valor Econômico, Bravo! e O Diário, de Mogi das Cruzes. Autor de livros ou capítulos no campo teatral. Colaborador em curadorias ou consultorias para mostras, festivais ou enciclopédias. Doutorando em artes cênicas pela Universidade de São Paulo, onde cursou mestrado na mesma área.

Relacionados