Menu

Publicações com a tag:

“Cia. Teatro ao Quadrado"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Cia. Teatro ao Quadrado"

Reportagem

Considerado um dos maiores eventos da capital, o Festival Palco Giratório Sesc-Poa chega à sua 10ª edição, entre 8 e 31 de maio, com uma programação voltada ao teatro, à dança, ao circo e às intervenções urbanas. Os ingressos custam entre R$ 7,00 e R$ 20,00 e a venda começou sexta-feira (24/4). Serão apresentadas mais de cem ações artísticas e formativas. Ao todo, 46 espetáculos encenados por 42 companhias de 13 diferentes estados, entre eles: Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Segundo a coordenadora e curadora do evento, Jane Schoninger, a programação está bem diversa e oscila com diferentes focos. Leia mais

Reportagem

A 16ª edição do Porto Verão Alegre, que abre o ano teatral na capital gaúcha no mês que vem, começa com uma boa notícia: o projeto vai financiar uma peça, e o que é melhor, nesta e nas próximas edições. A estreia será com Romeu e Julieta, de William Shakespeare, com direção de Néstor Monasterio. Nos próximos anos, segundo Zé Victor Castiel – um dos coordenadores do festival, ao lado de Rogério Beretta – serão abertas as inscrições para que os artistas interessados enviem projetos de montagem – o valor destinado deve ser de R$ 70 mil e a escolha se dará por meio de uma curadoria, ainda não definida. “O valor que acabávamos gastando com a noite de abertura do festival resolvemos direcionar para algo mais perene para a cidade, como uma peça”, conta Castiel. Leia mais

Crítica

Conhecida no cenário gaúcho por espetáculos com textos modernos que se valem de um humor sarcástico e também por suas montagens de Molière, a Cia. Teatro ao Quadrado dá um passo adiante com a peça Os homens do triângulo rosa, que estreou no Theatro São Pedro e depois cumpriu temporada no Teatro Renascença, em Porto Alegre. Desta vez, trata-se de um espetáculo seriíssimo, abordando a perseguição aos homossexuais na Alemanha nazista. Leia mais

Reportagem

A frase é dita pelo personagem Max para seu companheiro Horst: “Eu te amo, e o que tem de errado nisso?”. Ambos são gays e estão em um campo de concentração nazista, mas isso poderia ser dito por qualquer homossexual nos dias de hoje, que ainda enfrenta preconceito e violência. Leia mais