Menu

Publicações com a tag:

“Cosac Naify"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Cosac Naify"

Resenha

Um teatro para o presente

2.4.2016  |  por Kil Abreu

Jogos para atores e não atores,  lançado pelas Edições Sesc e Cosac Naify, nos oferece o material mais completo entre todos os que foram reunidos por Augusto Boal sobre sua obra, desde que os apontamentos iniciais do que viria a ser o Teatro do Oprimido se deram, no exílio argentino, ainda nos anos 70. Dali em diante o autor criou um formidável repertório de técnicas e pensamento, testado dia após dia na própria prática cênica, boa parte dela experimentada junto ao povo Leia mais

Resenha

 Quando Dante andava por Verona, o povo o apontava e murmurava que ele estava no inferno. Teria ele podido, sem isto, descrever todos os seus tormentos? Ele não os tirou de sua imaginação, ele os viveu, sofreu, viu, sentiu. Ele estava verdadeiramente no inferno, a cidade dos condenados: ele estava no exílio.

Heinrich Heine

 Jogos para atores e não atores é, ao lado de O teatro do oprimido e outras poéticas políticas, o livro mais traduzido e reeditado de Augusto Boal. Leia mais

Nota

O dramaturgo Otavio Frias Filho participa hoje das atividades paralelas do Festival de Teatro de Curitiba com o lançamento de Cinco peças e uma farsa (Cosac Naify, 320 páginas, R$ 49,90). A obra reúne seis textos escritos na entrada dos anos 1990 e no início da década passada: Tutankáton, Rancor, Típico romântico, Sonho de núpcias, Utilidades domésticas e Breve história de uma perversão sexual. Dois deles, Tutankáton e Utilidades domésticas, ainda não foram encenados. Leia mais

Reportagem

Estados Unidos e Coreia. Egito e Canadá. França e África do Sul. Mas também Índia, Noruega, Argentina. Todos esses países estiveram na rota de Augusto Boal: o mais internacional entre os nossos diretores, o mais afamado homem de teatro que o Brasil já produziu. Leia mais