Menu

Publicações com a tag:

“Marco Antônio Braz"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Marco Antônio Braz"

Crítica

Circula nas redes sociais uma charge criada sobre a série de animação Pink e o Cérebro, que tem como personagens dois ratos sempre às voltas com planos mirabolantes para conquistar o mundo. Na arte do chargista, o atrapalhado ajudante Pink pergunta ao seu líder, o Cérebro: “O que vamos fazer em 2014?” A resposta: “O mesmo de todos os anos, tentar emagrecer e ficar rico”. O humor, de ironia cáustica, brota do contraste entre a resposta esperada, “conquistar o mundo”, e a efetivamente dada. Se na síntese da arte gráfica a quebra de expectativa serve ao riso, no espetáculo Bola de ouro uma abordagem similar ganha o tom indignado e grave do acerto de contas. Leia mais

Crítica

Há quase 70 anos, no dia 28 de dezembro de 1943, o grupo Os Comediantes estreava no Teatro Municipal do Rio de Janeiro a segunda peça escrita por Nelson Rodrigues, Vestido de noiva. No elenco estavam Evangelina Guinle (Alaíde), Auristela Araújo (Madame Clessi), Stella Perry (Lúcia) e Carlos Perry (Pedro). Erigido posteriormente como ponto zero do teatro moderno no Brasil, o espetáculo foi resultado da confluência de múltiplos fatores e iniciativas. A começar, pelo esgotamento do sistema teatral vigente até então, focado em comédias e revistas que não atendiam às demandas de jovens artistas e de intelectuais ávidos por renovações cênicas em curso desde a virada do século, mas inéditas no país. A originalidade do texto somou-se à direção precisa de um polonês que veio para o Brasil fugindo da II Guerra – e terminou por ser nosso primeiro encenador – Zbigniew Ziembinski. E ainda a inventividade de um paraibano – também considerado nosso primeiro cenógrafo moderno – Tomás Santa Rosa. Leia mais

Entrevista

Como muitos de sua geração, que viveu em cena a modernização dos procedimentos de criação e de produção, Renato Borghi, de 76 anos, 55 deles pisando o palco ou o chão não convencional, transformou seu nome em sinônimo de teatro. Foram poucas as incursões pela televisão e cinema do cofundador do Oficina, em 1958, núcleo amador em que cravou sua veia cênica na fase profissional de 1961 a 1972. Leia mais