Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

De música e nostalgia

9.8.2014  |  por Maria Eugênia de Menezes

Foto de capa: Alejandro Persichetti

No Brasil, o carnaval já ensejou um sem-número de criações artísticas. Com sua imensa carga simbólica, a festa pagã foi dar frutos na música, na literatura, no cinema e no teatro. Orfeu da Conceição, a peça teatral escrita em 1954 por Vinicius de Moraes e depois transformada em filme pelo francês Marcel Camus, talvez seja o mais eloqüente exemplo desse trânsito.

Mas não é apenas por aqui que as manifestações carnavalescas encontram eco nas artes. Madre murga, murga madre, espetáculo uruguaio apresentado no contexto da Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo, também vem mostrar o poderio dessa manifestação popular no país.

Por lá, o carnaval não é a catarse de alguns dias, mas uma festa que se estende por mais de um mês. Em sua forma peculiar, também ganha os palcos e não só a rua. Acontece nos clubes. E carrega consigo a memória da colonização do Uruguai, especialmente, da capital, Montevidéu. As histórias de uma cidade que foi uma dos maiores portos da América Latina na época do tráfico de escravos. A melancolia de chegadas e partidas. A presença dos ciganos que, há pouco mais de um século, começaram a tocar e passar o chapéu recolhendo uns trocados.

Assim nasceu a murga. E é desse ritmo musical que vem tratar o espetáculo de Pablo Routin e Edú Lombardo. Com trajetórias ligadas às festas e bailes carnavalescos, os dois intérpretes ocupam o palco com suas recordações. Oscila-se, constantemente, entre o esplendor do passado e o olhar nostálgico com que acompanham tudo hoje.

Uma das marcas dessa edição da mostra latino-americana é seu vínculo com o teatro do real, buscando dramaturgias de inspiração verídica ou atores que carreguem suas experiências pessoais para a cena. Esses dois murguistas, hoje saudosos do que viveram juntos, reinventam um espaço em que tais aspectos podem ser exercitados. Toda a encenação acontece, essencialmente, do encontro entre eles. E não propriamente de personagens com desenhos e funções dramáticas definidas. A tradição das máscaras e das figuras tradicionais da commedia dell’arte que migraram para o carnaval, como o pierrot e o arlechino, também marca presença em Madre murga, murga madre e diz muito sobre a maneira como as atuações se delineiam.

Entre os números de canções típicas e as revisitas aos velhos clássicos que animaram os salões de baile, o par de atores traz não só reminiscências, mas diálogos que carregam um pouco do nonsense comum às relações de longa data. Quando se sabe muito sobre quem está ao lado, não é preciso dizer tudo, explicar as intenções ou propósitos. As brincadeiras também podem ser despropositadas, podem ser não mais do que evocações de risos de outras épocas. O tempo nos torna cúmplices em muitas coisas.

Tal estrutura narrativa pode garantir à montagem muitos predicados. É possível descobrir o que é a murga e como ela se realiza sem nenhum ranço enciclopédico. Mas existe também uma fragilidade nessa organização. Lacunas que não se fecham. De tão ensimesmada em si, Madre murga, murga madre, por vezes não se comunica. Sobra a música, o real, a beleza. Falta o teatro.

.:. Leia a crítica do mesmo espetáculo por Julia Guimarães, do Horizonte da Cena, aqui.

.:. Texto escrito no âmbito da IX Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo. A organização convidou a DocumentaCena – Plataforma de Crítica para a cobertura dos espetáculos, iniciativa que envolve os espaços digitais Horizonte da Cena, Satisfeita, Yolanda?, Questão de Crítica e Teatrojornal.

Ficha técnica:
Dramaturgia: Pablo Routin
Direção: Fernando Toja
Com: Pablo Routin e Edú Lombardo

Maria Eugênia de Menezes

Maria Eugênia de Menezes

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados