Menu

Folha de S.Paulo

Celso Cruz investiga a tragédia

26.3.2007  |  por Valmir Santos

São Paulo, segunda-feira, 26 de março de 2007

TEATRO 

VALMIR SANTOS 
Do Enviado a Curitiba 

O dramaturgo Celso Cruz, 41, costuma dizer que não é um autor de tese, aquele que, grosso modo, antepõe a reflexão à escrita. Mas ele acaba de defender doutorado na USP vinculado a seu processo de escrita, a tragédia na atualidade, como se vê nas quatro peças que dirige na mostra paralela Fringe. 

Seus personagens urbanos surgem metidos em ambientes fechados, enfrentam a solidão e a violência que carregam consigo ou não suportam lá fora -afinal, o inferno é o outro. “Seres abjetos, mas que, mesmo em situações-limite, demonstram alguma afetividade e consciência de sua própria condição”, diz Cruz. 

Gente como o delegado Dante (Guilherme Freitas) e o criminoso de codinome Beatriz (Dill Magno) em “Comendo Ovos”, apresentada no final de semana. Também há o torturador e a sua vítima em “Gorilas”, que se passa em 14/12/1968, dia seguinte à implantação do AI-5 (qua. e qui., no teatro Celeiro).



16º Festival de Teatro de curitiba
Quando:
até 1º/4 
Quanto: R$ 26 (na mostra paralela Fringe, de entrada franca a R$ 24); mais informações no site www.festivaldeteatro.com.br e no tel. 0/xx/41/ 4063-6290 

Jornalista e crítico fundador do site Teatrojornal – Leituras de Cena, em 2010. Escreveu em publicações como Folha de S.Paulo, Valor Econômico, Bravo! e O Diário, de Mogi das Cruzes. Autor de livros ou capítulos no campo teatral. Colaborador em curadorias ou consultorias para mostras, festivais ou enciclopédias. Doutorando em artes cênicas pela Universidade de São Paulo, onde cursou mestrado na mesma área.

Relacionados