Menu

Folha de S.Paulo

Miggiorin revive suas aventuras no musical “Peter Pan”

26.7.2007  |  por Valmir Santos

São Paulo, quinta-feira, 26 de julho de 2007

TEATRO 
Ator busca na infância inspiração para protagonizar a nova produção da CIE Brasil, que estréia amanhã no Credicard Hall 

Ele recuperou brigas e brincadeiras com os irmãos para criar “improvisos” no espetáculo, em que canta e faz coreografias

VALMIR SANTOS
Da Reportagem Local 

Desde o primeiro dia de vida, há 25 anos, Leonardo Miggiorin sabe o quanto é difícil protagonizar uma cena, como fará a partir de amanhã no musical “Peter Pan – Todos Podemos Voar”, no Credicard Hall. Ele veio à luz às 9h de um domingo chuvoso em Barbacena (MG). O pediatra da mãe estava viajando, e outro médico foi chamado. “Minha mãe não havia chegado à sala de parto quando comecei a nascer. O cara fechou as pernas dela, e eu voltei para dentro [ri]. Depois eu nasci “afogado”, roxo, fiquei dez dias em coma.” 

O ator atribui ao rito de passagem o fato de ser “mimado” pela família, tanto na infância como na vida adulta. Mas não chega a ser como o garoto do clássico da literatura infantil, do escocês J.M. Barrie (1860-1937), que não queria crescer. “Sou o irmão do meio, o garoto-enxaqueca. Dizem que é o problemático: nem o mais velho, o orgulho da família, nem o mais novo, que é o xodó”, diz. 

Muitas brigas e brincadeiras com o primogênito Rafael, hoje engenheiro elétrico, e com Gustavo, aviador, foram recuperadas nos improvisos para compor Peter em seus “vôos” até a Terra do Nunca. “[Desde criança] me chamam de Peter Pan porque sempre fui magrinho e arteiro”, diz. Filho de coronel aposentado da Aeronáutica, começou aos 12 anos no teatro infantil amador. 

Nunca mais parou de representar no palco, na TV e no cinema. “O Peter tem muitas cores. Não é só encantador, é malévolo, sarcástico.” Ao lado de 28 atores, Miggiorin alternará as oito apresentações semanais com Fellipe Ferreira. A maior exigência, diz, é cantar e fazer a coreografia junto. “Numa cena, tenho de pular, dar cambalhota, subir num quadro e ainda manter os agudos.” Com direção musical de Miguel Briamonte, direção geral de Ariel del Mastro, que montou “Peter Pan” em Buenos Aires, e orçada em US$ 2 milhões (R$ 3,7 milhões), a produção da CIE Brasil aguarda aprovação para captar recursos por meio de lei de incentivo federal. 



Peter Pan- Todos podemos Voar
Onde: Credicard Hall (av. das Nações Unidas, 17.955, tel. 6846-6000) 
Quando: estréia amanhã, às 20h30; qui. e sex., às 20h30; sáb. e dom., às 11h, 14h e 17h. Até 16/9 
Quanto: R$ 50 a R$ 150

Jornalista e crítico fundador do site Teatrojornal – Leituras de Cena, em 2010. Escreveu em publicações como Folha de S.Paulo, Valor Econômico, Bravo! e O Diário, de Mogi das Cruzes. Autor de livros ou capítulos no campo teatral. Colaborador em curadorias ou consultorias para mostras, festivais ou enciclopédias. Doutorando em artes cênicas pela Universidade de São Paulo, onde cursou mestrado na mesma área.

Relacionados