Menu

Assine nossa newsletter

Crítica

Arte em tempos de cólera

23.11.2019  |  por Beth Néspoli

Foto de capa: Cacá Bernardes

“O que a poeta valorizava sobremaneira era a vida comum, na qual sempre encontrava motivo para assombro”, escreve Regina Przybycien no prefácio do livro Amor sem fim que reúne poemas da polonesa Wislawa Szymborska (1923-2012). O comentário dá uma pista sobre o que motiva a escolha de alguns dos versos dessa escritora, premiada com o Nobel de Literatura em 1996, para integrar a dramaturgia do solo Eu de você, da atriz Denise Fraga, dirigido por Luiz Villaça. A coleta de histórias reais a partir de uma convocação em diferentes mídias está na gênese desse espetáculo no qual elas surgem fragmentadas, editadas e entrelaçadas a poesias, trechos de romances e canções.

Há muito tempo, atriz e diretor vêm se dedicando a desvelar na forma da arte o valor de gestos talhados no cotidiano mais comezinho. Um exercício iniciado com o programa Retrato falado (2000), com episódios baseados em depoimentos sobre situações inusitadas vividas no dia a dia. Embora de cunho ficcional, o seriado Três Teresas (2013), dirigido por Cláudia Alves e Villaça, acompanha a rotina de três gerações de mulheres de classe média baixa (Denise Fraga, Cláudia Mello e Manoela Aliperti) igualmente às voltas com uma contabilidade diária de finanças, afetos e sonhos, quase sempre em saldo negativo. Na mesma linhagem podem ser enquadrados filmes dirigidos por Villaça como Cristina quer casar (2003) e De onde eu te vejo (2016), ambos protagonizados por Fraga.

A dupla convocação que alicerça a dramaturgia do solo ‘Eu de você’ – às pessoas para contar suas histórias e, depois, aos espectadores para compartilhar de um espetáculo baseado em narrativas reais, ou seja, para a escuta das vozes de seus semelhantes – soa como estratégia para esses tempos de sociedade cindida e brutalizada pelo saturamento de disputas ideológicas

Antes do espetáculo Eu de você, portanto, essa matéria só tinha sido tratada por ambos na vertente do audiovisual. Por que a passagem para o palco? Há sempre algo de imponderável no campo da criação artística e, muitas vezes, o próprio autor só consegue analisar seus passos quando o traçado já se alonga no tempo. O solo, porém, configura uma inflexão na carreira teatral da atriz – primeira vez só em cena e com dramaturgia especialmente criada – e pode ser produtivo pensar sobre as possíveis conexões entre essa alteração de rota e o momento político brasileiro.

No teatro, Denise Fraga sempre se expressou por meio de personagens extraídos de textos de literatura cênica e, nas mais recentes incursões ao palco, o fez como protagonista e produtora de peças de claro viés de crítica social. Era o caso, por exemplo, de Galileu Galilei, dirigida por Cibele Forjaz. Em dado instante, um coro, temendo a queda do poder do clero e a consequente perda de privilégios, batia panelas dizendo: “queremos empregada”.

A montagem realizava nessa cena uma conexão corajosa – se levarmos em conta que o público é, em geral, integrado por pessoas de classe média – entre a situação retratada na peça e o movimento das forças conservadoras que, a partir de 2013, ampliaram seu raio de influência na sociedade brasileira.

Bertolt Brecht tinha como alvo de sua crítica a ascensão do nazismo, na escrita da primeira versão da peça, em 1942. Ao escolher como personagem central o astrônomo e matemático Galileu (1564-1642), seu intuito não era simplesmente contar sobre o modo como a Igreja controlou o conhecimento para se manter no poder, mas sim demonstrar ludicamente que o curso da História não é natural e o conhecimento pode ser ferramenta de interferência e redirecionamento.

Cacá Bernardes Em nova parceria com o diretor Luiz Villaça, a atriz Denise Fraga segue empenhada em desvelar na forma da arte o valor de gestos talhados no cotidiano mais comezinho

Talvez seja um exercício mental interessante pensar como se alteraria, apenas quatro anos depois de sua estreia, a recepção desse espetáculo. A constatação científica de que a Terra é redonda e gira em torno do Sol está no núcleo da trama. Na peça, um cardeal se nega a olhar através do telescópio porque sabe que se o fizer sua teoria será refutada. A escolha é tática e está alicerçada no fato de que em meados do século XX a negação de tal evidência soaria ridícula, assim como em 2015, quando ainda não havia suspeita de que “terraplanistas” pudessem ganhar alguma visibilidade no espaço público.

Atualmente, o retrocesso no campo do pensamento é de tal ordem que mesmo olhando ao telescópio, a evidência seguiria sendo ignorada. Não é o que vem ocorrendo com dados estatísticos colhidos por métodos e tecnologias de precisão sobre desmatamento ou distribuição de renda? Em algum momento depois das manifestações de 2013, o discurso pelo engajamento político foi apropriado e distorcido. O atrito ganhou o lugar da reflexão e contaminou as relações íntimas, erguendo barreiras entre indivíduos.

Assim, a dupla convocação que alicerça a dramaturgia do solo Eu de você – às pessoas para contar suas histórias e, depois, aos espectadores para compartilhar de um espetáculo baseado em narrativas reais, ou seja, para a escuta das vozes de seus semelhantes – soa como estratégia para esses tempos de sociedade cindida e brutalizada pelo saturamento de disputas ideológicas.

Como já fizera em espetáculos anteriores, Denise Fraga recebe o público na entrada da sala, mas desta vez o gesto é expandido e atravessa a forma cênica na qual ela intercala sua própria voz com as demais colhidas nos depoimentos ou no repertório universal da arte, sempre em diálogo direto com os espectadores.

Uma equipe composta por artistas de diferentes áreas – entre eles a diretora musical Fernanda Maia, o fotógrafo André Dib e o dramaturgo Rafael Gomes – foi convidada para elaborar, junto com a atriz e o diretor, uma composição em mosaico. Nela, todos os elementos convergem para tocar os sentidos e a sensibilidade do espectador com a delicadeza necessária em tempos de cólera. Brandura que não redunda acrítica.

No solo estão retratadas questões na ordem do dia como as relações tóxicas conjugais e a exploração extrema no mundo corporativo. A atriz busca provocar ainda importante reflexão sobre o problema da representatividade. Ao trazer a história de uma mulher negra, assume não poder falar no lugar dela, e gentilmente pede licença para narrar com o devido distanciamento um depoimento julgado importante. Eu de você é poética criada na tensão entre identidade e alteridade – desde o título – e nesta cena faz reverberar o pensamento de que nem sempre é possível se colocar no lugar do outro – infelizmente há dores e tragédias pertencentes só a determinados grupos –, mas a indiferença não é a outra opção.

Se a arte não muda o mundo, pode mudar os seres e, estes, o modo como convivem – é a crença enfaticamente compartilhada ao longo da encenação. Em dado momento, a atriz se posta no centro do palco, abre os braços e afirma acreditar no poder do rito coletivo do teatro. Soa como confissão de fé, e pode ser. Mas é também, e principalmente, gesto instaurador do que se pretende; afinal é preciso prefigurar o futuro a ser construído, e só se pode fazê-lo com as pessoas do presente.

Para além da ética que perpassa o gesto criador e afeta a recepção, boa parte da fruição prazerosa propiciada pelo solo reside na expressividade da atriz. Formada na tradição do drama, que valoriza nas partituras vocal e textual a possibilidade de transmitir toda uma ampla gama de sentidos e emoções embutidos nas palavras, Denise Fraga é intérprete de muitos recursos. Parte deles, vale frisar, burilados na linguagem do humor.

Na comédia, o artista recebe o retorno imediato do público e aprende a valorizar esse vínculo, um jogo de ação e reação. A expertise alcançada na lida com essa espécie de fio de marionete ligando palco e plateia é elemento fundamental no trabalho e ganha o plano central quando Denise propõe silêncio coletivo ou ainda quando atua como regente dos espectadores e quebra o formato solitário ao contracenar com as instrumentistas que a acompanham. Um dinamismo que percorre esse elo todo o tempo e é fruto de quatro décadas de experiência.

.:. Participe do Encontro com Espectadores que no domingo, 24/11, às 14h, recebe Denise Fraga e Luiz Villaça para conversar acerca de Eu de você. No Itaú Cultural, entrada franca.

Serviço:

Onde: Teatro Vivo (Avenida Dr. Chucri Zaidan, 2.460, Morumbi, tel. 11 3279-1520 e 97420-1520)

Quando: Sexta, às 20h; sábado, às 21h; e domingo, às 19h. Até 15 de dezembro

Quanto: R$ 50 (sexta) e R$ 70 (sábado e domingo), ou meia-entrada

Duração: 80 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Gênero: comédia dramática

Bilheteria: de terça a domingo, a partir das 14h. Aceita todos os cartões de crédito e débito. Acessibilidade: 6 lugares para cadeirantes, 2 lugares para mobilidade restrita e 2 cadeiras para obesos. Estacionamento no local: R$ 20.

Vendas: www.sympla.com.br

Eu de Você é uma experiência. É um solo, mas eu não estou sozinha, nunca estarei sozinha. Tenho visto o quanto tem reverberado no público e estou muito feliz. Tô te esperando aqui também. Vem ver. Me deixa ser eu de você. Vem ser você de mim! #eudevocê #euconfionoTeatro #vocêinsistenoquê #somostodosprofessores #NIATeatro #artevive #arteresiste #poderdaarte #teatro #teatrosalva #cultura #liberdade

Publicado por Denise Fraga em Sábado, 9 de novembro de 2019

Equipe de criação:

Idealização e criação: Denise Fraga, José Maria e Luiz Villaça

Com: Denise Fraga

Direção: Luiz Villaça

Produção: José Maria

Obra inspirada livremente nas narrativas de: Akio Alex Missaka, Anas Obaid, Barbara Heckler, Bruno Favaro Martins, Clarice F. Vasconcelos, Cristiane Aparecida dos Santos Ferreira, Deise de Assis, Denise Miranda, Eliana Cristina dos Santos, Enzo Rodrigues, Érico Medeiros Jacobina Aires, Fátima Jinnyat, Felipe Aquino, Fernanda Pittelkow, Francisco Thiago Cavalcanti, Gláucia Faria, José Luiz Tavares, Julio Hernandes, Karina Cárdenas, Liliana Patrícia Pataquiva Barriga, Luis Gustavo Rocha, Maira Paola de Salvo, Marcia Angela Faga, Marcia Yukie Ikemoto, Marlene Simões de Paula, Nanci Bonani, Nathália da Silva de Oliveira, Raquel Nogueira Paulino, Ruth Maria Ferreiro Botelho, Sonia Manski, Sylvie Mutiene Ngkang, Thereza Brown, Vinicius Gabriel Araújo Portela e Wagner Júnior

Dramaturgia: Cassia Conti, André Dib, Denise Fraga, Fernanda Maia, Luiz Villaça e Rafael Gomes

Texto final: Rafael Gomes, Denise Fraga e Luiz Villaça

Colaboração dramatúrgica: Geraldo Carneiro, Kenia Dias e José Maria

Colaboração artística (residência no RJ): Artur Luanda e André Curti

Direção musical: Fernanda Maia

Musicistas: Fernanda Maia, Clara Bastos e Priscila Brigante

Direção de imagens em vídeo: André Dib

Direção de movimento: Kenia Dias

Direção de arte: Simone Mina

Iluminação: Wagner Antônio

Programação de video mapping: Bruna Lessa

Design e operador de som: Carlos Henrique

Assistente e operador de luz e video mapping: Ricardo Barbosa

Assistente de direção de arte: Nika Santos

Assistente de cenografia: Vinicius Cardoso

Técnico de palco: Alexander Peixoto

Contrarregra: Cristiane Ferreira

Camareira: Maria da Guia

Costureira: Judite de Lima

Produção das imagens em vídeo: Café Royal

Produtora executiva: Adriana Tavares

Fotógrafo: Thiago “Beck” de Vicentiis

Primeiro assistente de câmera: Diego José Marinho

Som direto: Fernando Akira

Eletricista: Alberto Ferreira

Logger: Hugo Dourado

Administração financeira: Evandro Fernandes

Assistente administrativa: Cristiane Souza

Fotos para arte: Willy Biondani

Fotos de cena: Cacá Bernardes

Programação visual: Guime Davidson e Phillipe Marks

Redes sociais: Pedro Lins

Assessoria de imprensa: Morente Forte Comunicações

Roteiro de audiodescrição: Letícia Schwartz

Consultoria: Luís D. Medeiros

Intérprete em Libras: Ângela Russo

Parceria institucional: Theatro São Pedro

Coprodução: Café Royal

Produção: NIA Teatro

Patrocínio: BB Seguros e VIVO

Realização: Secretaria Especial da Cultura, Ministério da Cidadania e Governo Federal

Projeto realizado por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura

Beth Néspoli

Quer receber mais artigos como este? Então deixe seu e-mail:

Relacionados