Menu

Publicações com a tag:

“Dirce Waltrick do Amarante"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Dirce Waltrick do Amarante"

Artigo

Em 1968, o norte-americano Richard Foreman (1937), um dos mais importantes dramaturgos contemporâneos, fundou o Teatro Ontológico-Histérico (Ontological-Hysteric Theater) e pôs em prática as suas ideias sobre o teatro, que, para ele, não deveria ser um espaço de confrontação, de emoção e de ideias, mas sim um local de experiências, ou melhor, de suas próprias experiências mentais. Leia mais

Artigo

Em Nova York

Em outubro deste ano, na Brooklyn Academy of Music (BAM), tive a oportunidade de assistir a Umusuna: memories before history, espetáculo de uma das maiores companhias de dança butoh do Japão, Sankai Juku, fundada pelo coreógrafo Ushio Amagatsu, em 1975. Leia mais

Artigo

“MULHER: Adivinha só, quando eu estava subindo as escadas, a nossa vizinha deu de cara comigo e me ofereceu uma coisa. Adivinha o que ela me ofereceu?

MARIDO: Deixe de ser criança. Diz logo.

MULHER: Toma, olha. Dois ingressos de teatro para o Fausto. O que você me diz? Leia mais

Resenha

Embora alguns romances do escritor, poeta, ensaísta e dramaturgo austríaco Peter Handke já tenham sido publicados no Brasil, sobretudo em décadas passadas, ele ainda é pouco conhecido por aqui. Leia mais

Artigo

A obra do francês Raymond Roussel (1877-1933) vem chegando aos poucos ao Brasil, em parte graças à Editora Cultura e Barbárie, que tem investido nos textos herméticos desse escritor excêntrico que, embora tenha influenciado grandes escolas do século XX, ainda está distante dos leitores “comuns”. Leia mais

Artigo

O teatro, diferentemente das outras artes que se tornaram midiáticas (filmes não ficam mais restritos ao cinema; museus recebem passeios virtuais; a música há muito se apoia também nas gravações), continua tentando manter sua particularidade Leia mais

Artigo

O polonês Tadeusz Kantor (1915-1990), que em 2015 completaria 100 anos [nasceu em 6/4/1915], engrossa a lista de dramaturgos e encenadores que, como Gertrude Stein, Eugène Ionesco, Robert Wilson etc., afirmavam não gostar do teatro de sua época, mas que, apesar disso, ou justamente por isso, revolucionaram as formas teatrais. Leia mais