Menu

Publicações com a tag:

“Samir Yazbek"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Samir Yazbek"

Reportagem

Uma das sete estreias nacionais previstas para o Festival de Teatro de Curitiba deste ano, Post scriptum é o novo espetáculo do dramaturgo e diretor Samir Yazbek. Atualmente em cartaz em São Paulo com uma remontagem de O fingidor – título que o revelou em 1999 e permanece como seu maior sucesso -, Yazbek trouxe à mostra paranaense um texto em que volta a explorar um tema que pontua seu percurso: sua origem de imigrante árabe. Leia mais

Reportagem

O maior evento teatral do Brasil começa hoje e segue até o dia 5 de abril. Em sua 24ª edição, o Festival de Curitiba continua a manter a proposta e os números superlativos que o caracterizam desde sua criação. Serão 29 espetáculos, entre eles sete estreias nacionais. E a mostra oficial permanece como uma vitrine do que se passa nos palcos do País – especialmente no eixo Rio-São Paulo. Leia mais

Nota

Não é um grupo de teatro, mas de autores. O Centro de Dramaturgia Contemporânea (CDC) acaba de lançar a série Palavras para teatro – sete vezes dramaturgia, coleção da editora Patuá composta por igual número de livros com peças inéditas ou em processos de montagem assinadas por Denio Maués (Escandinavos, Em caso de emergência quebre o vidro e Espera); Drika Nery (Um sol cravado no céu da boa e Esboço para uma quase paisagem); Fabio Brandi Torres (A chance de uma bola de neve no inferno e Da natureza de fronhas e lençóis); Luis Eduardo de Sousa (Ás de copas e Pretérito imperfeito); Luís Indriunas (Eik tu, o que é que aconteceu e Um coração real); Marcos Gomes (Luz fria); e Paula Autran (Nos países de nomes impronunciáveis). Todos vinculados ao CDC. Leia mais

Crítica

A inquietação do personagem do Escritor, em Fogo-fátuo, texto de Samir Yazbek e Helio Cicero, interpretado pelos autores, não se refere apenas a voltar a produzir – uma crise o paralisa há algum tempo. Liga-se também, naturalmente, a desejar escrever obras que o justifiquem e que lhe permitam sobreviver à morte, ao tempo escasso, aos limites do corpo. Se não fosse assim, não haveria por que solicitar uma entrevista a Mefisto, o demônio, sempre ávido por almas íntegras. Leia mais

Crítica

A obsessão é um traço comum aos grandes artistas. Em Fogo-fátuo, Samir Yazbek confessa a sua. Dono de projeto artístico centrado na condição de dramaturgo, ele lança – em coautoria com Helio Cicero – provocações aos pares do teatro e a todos que gravitam a arte e a cultura nos planos da criação, da produção e da recepção em tempos de hegemonia do entretenimento como fim e meio. Leia mais