Menu

Crítica

Faces da obscuridade

5.9.2021  |  por Valmir Santos

Foto de capa: Ronaldo Gutierrez

Retinas saturadas pela exposição diante das telas de celular e computador desde meados de 2020, quando artistas cênicos do mundo todo passaram a transmitir seus trabalhos dentro das possibilidades da internet, espectadores chegam ao Teatro Aliança Francesa (SP) como que tateando as poltronas vermelhas, atravessando fileiras em busca do assento indicado no ingresso digital acessado através do smartphone. Os lugares estão espaçados. A luz de plateia é baixa, contrasta a penumbra espessa no palco a ser habitado daqui a pouco pelos atores. Há um pacto não declarado de reeducação do olhar e do sentir, de disponibilidade à experiência que virá. E quis o destino que a primeira montagem presencial do Grupo Tapa, no 18º mês da pandemia, com público reduzido a 52 pessoas, 22% da capacidade da sala, imbricasse arte e realidade com perícia. O espetáculo Um Picasso, direção de Eduardo Tolentino de Araujo para o texto do estadunidense Jeffrey Hatcher, de 2003, cita diversas obras do pintor sem exibi-las, tampouco projetá-las, num claro elogio à força fabular da descrição. Ao passo que também descostura os mecanismos estatais de ocultação e censura à expressão criativa sob regimes totalitários. Daí para a tropa política medieval que está no poder no país e menospreza a cultura, sempre sob a conveniente indiferença do mercado que assiste de camarote ao desastre social, não precisa muito esforço de associação.

Como na fase cubista de Pablo Picasso (1881-1973), Hatcher promove distorções geométricas em aproximações biográficas, históricas e geopolíticas. Sob o salvo-conduto da ficção, o dramaturgo perfila as idiossincrasias do gênio da pintura e as ambiguidades da agente do Estado alemão que tanto reproduz o discurso nazifascista de supremacia sobre demais grupos e indivíduos como expressa consciência da produção de sentidos que a arte é capaz de gerar. O paroxismos funciona como um espasmo em muitos instantes.

Através desses transbordamentos, temos um vasto painel com atuações consistentes na comunicação da narrativa. Não bastasse o fundamento da palavra, traço de excelência em 42 anos de Tapa, Mastropasqua e Carvalho movimentam-se numa dança sutil. Quando postados de costas, vez ou outra, são como quadros virados para a parede, instaurando mais curiosidade e estranhamento a quem observa. Um estímulo a processar as naturezas verbais, visuais e sensoriais desse projeto sempre em perspectiva. Um exercício conciso de razão e beleza em tempos de horror

A despeito da atmosfera pesada – o interrogatório secreto do artista espanhol pela funcionária do Ministério da Propaganda da Alemanha incumbida de queimar alguns de seus desenhos interpretados moralmente como “arte degenerada” –, estamos diante da sofisticação de ideias e do ato de dissuadir. Vale lembrar que, caso não colabore, Picasso será despachado para a sanha sanguinária do general Franco, o mesmo que mandou fuzilar o dramaturgo Federico García Lorca (1898-1936). A ação se passa em 1941, no porão de um edifício na Paris ocupada durante a Segunda Guerra Mundial, local que funciona como um depósito para obras de arte e local de tortura. A peça estabelece um microcosmo a partir das linhas de força das duas personagens, permitindo a quem acompanha fazer correlações temporais e factuais. Um Picasso é obra de 2003 e chega ao público brasileiro – aliás, primeiro texto de Hatcher encenado entre nós – quando ressuscitada a censura às manifestações artísticas, como na ditadura civil-militar (1965-1985).

O procedimento da ausência de luz em arte, sabemos, é distinto do estado de obscuridade em democracias sob ameaça ou já arruinadas. Na abertura e na reta final do espetáculo, o alinhamento de pontos luminosos soa como lampejo, um efeito pictórico. A iluminação de Nicolas Caratori traz tonalidades sombrias, no limite da claustrofobia. Sensação oposta à generosa espacialidade da área de representação, cuja cenografia enxuta corresponde a mesa, cadeiras e armário no centro do palco – essa concepção não é creditada na ficha técnica.

E porque as tramas ficcionais ou da realidade são mais complexas do que aparentam, nem tudo que se diz é o que se pensa. Idem para o que se escreve. Quando fica clara a operação oficial de se obter a autenticação do pintor sobre suas obras confiscadas, o impasse ganha outros contornos. Em 2021, um atalho possível vai para o fenômeno das falsas notícias. Picasso e a antagonista Fraulein Fischer logo baixam as guardas ideológicas e travam excitante jogo de visões a respeito da função da arte, seus paradigmas de relevância formal e temática, e em que medida incide sobre a sociedade. É aqui que as gradações de temperamento e de caráter se revelam mais conflitivas, reivindicando dos atores as nuances do ardil.

Ronaldo Gutierrez Clara Carvalho e Sergio Mastropasqua são a agente do regime nazista e o pintor espanhol sob pressão para reconhecer a autenticidade de três de suas obras na peça do estadunidense Jeffrey Hatcher, escrita em 2003 e produzida pelo Grupo Tapa com direção de Eduardo Tolentino de Araujo

Sergio Mastropasqua e Clara Carvalho dão a ver as vozes do mito e do regime, do artista e da crítica, do homem e da mulher desejantes. Esses binarismos estão longe de refletir a dimensão dos assuntos e emoções percorridos. Os atores compõem seus papeis com as oscilações que o texto pede: momentos de tensão e de eloquência presentes na respiração, gesto e olhar. São mútuas as interpelações, as intervenções e as seduções, estas denotadas pela intimidade na troca de cigarros, no uso recíproco do chapéu dele e no clássico pedido para a musa posar para um retrato.

Como substrato, dois exemplos bem-acabados dessa dramaturgia que convida leitores/espectadores a irem além das primeiras pinceladas: a questão do significado político de Guernica (1937), abordagem da qual o pintor se esquiva quando se trata de uma das criações mais emblemáticas do século XX, mural concebido sob o dramático impacto do bombardeiro alemão sobre a cidade espanhola de mesmo nome, matando 1.654 moradores; e a análise crítica nada pernóstica que um e outro se provocam a propósito dos desenhos sob o crivo da incineração, com ele chegando mesmo a cobrir os olhos com venda – “O significado está no olhar do crítico”, diz ela, sentença que pode ser escutada, também, como uma delegação relativa. Lá pelas tantas, o próprio Picasso posa de iconoclasta, humor corrosivo, ao elencar rivalidades no circuito das artes plásticas, na esteira do modernismo, e a desdenhar dos maus bocados vividos pelo poeta e crítico de arte francês Guillaume Apollinaire (1880-1918), que se debruçou conceitualmente sobre sua produção artística – mais que como amigo de longa data, como seu alter ego. Uma reação típica de personalidade autocentrada.

Através desses transbordamentos, temos um vasto painel com atuações consistentes na comunicação da narrativa. Não bastasse o fundamento da palavra, traço de excelência em 42 anos de Tapa, Mastropasqua e Carvalho movimentam-se numa dança sutil. Quando postados de costas, vez ou outra, são como quadros virados para a parede, instaurando mais curiosidade e estranhamento a quem observa. Um estímulo a processar as naturezas verbais, visuais e sensoriais desse projeto sempre em perspectiva. Um exercício conciso de razão e beleza em tempos de horror.

Com a crise sanitária em curso, a equipe carrega a memória da impossibilidade do teatro com a presença de público, parcialmente permitida na fase atual do estado. Durante um ano, de abril de 2020 a abril de 2021, Eduardo Tolentino de Araujo enunciou, através das redes sociais de seu grupo, a série de postagens “Tapa indica”, elencando espetáculos, coreografias e filmes exibidos nas programações online de companhias ou instituições, em sua maioria europeias. Uma curadoria diária, feita com determinação pelo diretor e convidados como a atriz e bailarina Mariana Muniz e o tradutor e diretor Alexandre Tenório. O próprio núcleo teatral em tela enveredou pelo território virtual. Portanto, essa travessia contamina o reencontro vivo com artistas a elucubrarem acerca dos poderes da arte, do pensamento, da política e da condição humana.

.:. Tolentino teve seu primeiro contato com o texto de Hatcher ao dirigir uma montagem com a Companhia de Teatro de Braga no ano de 2014, em Portugal, e dirigiria nova versão no primeiro semestre de 2020 pelo Tapa, porém o projeto foi interrompido com a pandemia. A encenação portuguesa pode ser vista na íntegra aqui, com interpretações de Solange de Sá (Fraulein Fischer) e Rui Madeira (Pablo Picasso). Em 2017, a produção participou do Festival Yeso-Luso – Mostra de Teatro em Língua Portuguesa com duas sessões no Sesc Ipiranga (SP).

Ronaldo Gutierrez Durante o embate de ideias e a ameaça de queimar os quadros, a funcionária do Ministério da Propaganda da Alemanha reverte a expectativa quanto à função de censora e conduz Picasso (Mastropasqua) – e o público – ao plano das ideias em torno da arte, da política, do poder e da condição humana

Serviço:

Um Picasso

Teatro Aliança Francesa (rua General Jardim, 182, Vila Buarque, tel. 11 3572-2379)

Quinta a sábado, 20h, e domingo, 17h. Até 26 de setembro.

R$ 40 e R$ 20, quinta e sexta; R$60 e R$30, sábado e domingo. Ingressos vendidos exclusivamente pela internet: https://grupotapa.com.br

80 minutos

14 anos

52 lugares + 4 para pessoas com necessidades especiais

Ar-condicionado

Estacionamento conveniado à rua Rego Freitas, 285.

Mais informações: https://grupotapa.com.br

Reprodução Pablo Picasso inspira a dramaturgia encenada por Tolentino, para quem: “A arte não pode nada contra as armas, mas sobrevive e nos faz repensar a história. É fundamental colocar a importância da arte em um momento que pensamentos autoritários tentam demonizá-la. O que a peça diz é que a arte vai sobreviver a tudo isso”

Protocolos de segurança:

Abertura da plateia meia hora antes do espetáculo;

É imprescindível o uso de máscara no teatro antes, durante e após o espetáculo;

Monitoramento do uso de máscaras através das câmeras de segurança;

Álcool em gel estará disponível para o público;

Equipe do espetáculo (inclusive elenco) não receberão o público no saguão antes ou depois do espetáculo.

Quem for pedir carros de aplicativos/táxi, poderá esperar na plateia para não aglomerar em frente ao teatro.

Ronaldo Gutierrez Mastropasqua interpreta o pintor espanhol na montagem e elabora: “Em uma circunstância de exceção, uma pessoa se dá ao direito de dizer o que deve existir ou não. A montagem lida com obras de arte, contudo esse mesmo raciocínio foi aplicado a pessoas, o que é uma verdadeira tragédia”

Ficha técnica:

Texto: Jeffrey Hatcher

Direção: Eduardo Tolentino de Araujo

Com: Sergio Mastropasqua e Clara Carvalho

Assistente de direção: Ariel Cannal

Iluminação: Nicolas Caratori

Redes sociais: Bianca Nóbrega

Design gráfico: Mau Machado

Costureira: Judite Lima

Alfaiate: Miguel Arrua

Adereços: Jorge Luiz Alves

Fotos: Ronaldo Gutierrez

Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli e Renato Fernandes

Assistente de produção: Rafaelly Vianna

Direção de produção: Ariel Cannal

Jornalista e crítico fundador do site Teatrojornal – Leituras de Cena, em 2010. Escreveu em publicações como Folha de S.Paulo, Valor Econômico, Bravo! e O Diário, de Mogi das Cruzes. Autor de livros ou capítulos no campo teatral. Colaborador em curadorias ou consultorias para mostras, festivais ou enciclopédias. Doutorando em artes cênicas pela Universidade de São Paulo, onde cursou mestrado na mesma área.

Relacionados