Menu

Publicações com a tag:

“Teatro Oficina"

Assine nossa newsletter

Publicações com a tag:

“Teatro Oficina"

Artigo

A filosofia dos grupos

5.5.2014  |  por Valmir Santos

As artes cênicas são, por natureza, gregárias. Sincronizam a respiração no ato ao vivo entre os artistas que ocupam palco, galpão, picadeiro ou espaço público e os espectadores instigados a embarcar nessa nau milenar. Nas tradições orientais e ocidentais, uma das bases da convivência no teatro e na dança diz respeito ao caráter coletivo por trás de cada criação. Em um monólogo dramático ou em um solo coreográfico haverá sempre a interlocução direta ou indireta de uma equipe ancorando as palavras, os gestos, os silêncios e as variantes sensoriais no coração da cena. Leia mais

Reportagem

Morreu o dramaturgo e diretor Fauzi Arap. Nome marcante do teatro brasileiro, ele tinha 75 anos e enfrentava um câncer de bexiga. Familiares informam que o artista morreu em casa, dormindo.

Símbolo da contracultura dos anos 1970, Fauzi começou sua trajetória ainda na década de 1950, quando estreou como ator amador no Teatro Oficina. Formado em engenharia, logo trocou de profissão para assumir seu lugar nos palcos. Leia mais

Reportagem

Depois de dois encontros incendiários, com a presença de representantes de diversas manifestações culturais da cidade de São Paulo, o movimento Cultura Atravessa busca a definição de rumos em meio à pluralidade e a consolidação de propostas efetivas de mudança no cenário atual pós-manifestações. Essas questões foram a tônica do terceiro e do quarto encontros, realizados respectivamente nos dias 7 e 16 de setembro no Teatro Oficina, em São Paulo. Leia mais

Entrevista

Como muitos de sua geração, que viveu em cena a modernização dos procedimentos de criação e de produção, Renato Borghi, de 76 anos, 55 deles pisando o palco ou o chão não convencional, transformou seu nome em sinônimo de teatro. Foram poucas as incursões pela televisão e cinema do cofundador do Oficina, em 1958, núcleo amador em que cravou sua veia cênica na fase profissional de 1961 a 1972. Leia mais

Crítica

O solo Eu não dava praquilo se sobressai ao historiar a vida de Myrian Muniz (1931-2004) e, com ela, rememorar personalidades e situações indicativas da modernização do teatro brasileiro em seu período essencial de consolidação nas décadas 1960 e 1970.

Cassio Scapin, na atuação e coautoria do roteiro, e Elias Andreato, na direção, evitam os tons saudosista ou didático. Vão direto ao ponto: simplesmente dão passagem ao pensamento humanista e à arte que a atriz paulista tomava por sagrada. Leia mais

Reportagem

Cacilda Becker é uma obsessão antiga de José Celso Martinez Corrêa. Desde os anos 1990, o diretor do Oficina se dedica à memória da maior atriz brasileira. Quando resolveu estrear Cacilda!!!, a motivação não era diferente. Mas a multidão nas ruas atropelou a trama que já estava pronta para ir ao palco. Leia mais

Reportagem

No festival da crise de representatividade que sacode o país, o que os corações e mentes da construção simbólica têm a dizer, a conectar com os protestos? Ou subverter em termos da própria representação, como o fazem em arte? O segundo ato do encontro Cultura Atravessa projetou polissemia esperançoso de encontrar os grãos de pólen de sua primavera num efetivo despertar de significância desse campo para a sociedade e a cidadania. Um lugar entre o levante e a relevância. Leia mais